topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Jogos ocultos em torno do governo Dilma Imprimir E-mail
Escrito por Guilherme C. Delgado   
Segunda, 14 de Setembro de 2015
Recomendar

 

 

Dois fatos muito significativos, oriundos do campo agrário, com enorme repercussão na vida urbana, merecem comunicação e esclarecimento, até para que a opinião pública perceba o jogo real de poder, ofuscado pelas campanhas sistemáticas e monotemáticas em torno de uma seletiva corrupção no serviço público.

 

O primeiro destes fatos nos dá notícia o Ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, com seu excelente artigo “Para Fazer Valer a Lei Áurea” (Jornal O Globo de 09-09-2015). Neste artigo, o ministro Patrus implicitamente denuncia uma orquestração para não cumprir uma Instrução Normativa do INCRA – IN de número 83/2015, cujo ponto central de contestação (intragovernamental), que por razões óbvias o ministro não pode indicar, é a parte desta IN, que indica as áreas rurais verificadas pela fiscalização do Ministério do Trabalho em parceria com a Polícia Federal, como de prática do trabalho escravo, para serem mapeadas como suscetíveis à desapropriação para efeitos de reforma agrária.

 

A fundamentação ética e jurídica dessa Instrução Normativa é muito sólida, corroborada até em 2014 pela Emenda Constitucional n. 81/2014, que prevê não somente a benigna desapropriação por interesse social (Art. 186 da Constituição Federal), mas a expropriação dos imóveis onde ocorram tais práticas ilícitas. Lembrar ao leitor que a nódoa do trabalho ‘similar à escravidão’ é também um fenômeno urbano, que afeta principalmente neste espaço os trabalhadores imigrantes, enquanto no espaço rural são os migrantes internos as grandes vítimas.

 

Desgraçadamente, o trânsito político dessa iniciativa do MDA, que o ministro Patrus, por razões óbvias não revela, mereceu ostensivo veto do ‘lobby’ ruralista, com curiosa participação de familiar de ministra de Estado, prontamente atendido pelo ministro-chefe da Casa Civil, Aluízio Mercadante, expedito em ordenar à Advocacia Geral da União a não efetivação da referida norma administrativa do INCRA-MDA.

 

O segundo fato significativo, também ofuscado ao debate público, é a iniciativa pública da ministra de Agricultura e Pecuária – Katia Abreu (“Globo Rural”, atualização na internet em 08/09), no sentido de levar publicamente a presidente Dilma um proposta de retirada da competência da ANVISA o registro e fiscalização dos produtos agrotóxicos e veterinários utilizados pela agropecuária, remetendo-os à competência específica do ministério da Agricultura e Pecuária, autodeclarado “Ministério do Agronegócio”. Até o momento, o governo Dilma ainda não se manifestou sobre a proposta pública da Ministra Katia Abreu.

 

O leitor não precisa ser especialista para entender que os alimentos, a água, o ar e a biodiversidade ambiental são claramente assuntos de saúde pública, cujo poder de regulamentação está conferido ao Ministério da Saúde e sua agência fiscalizadora, a ANVISA. Subtrair tal competência em nome dos interesses da economia do agronegócio é algo altamente suspeito, de partida, sem embargo de que a população se sinta cada vez mais refém da indústria do agrotóxico, mesmo na situação atual.

 

Esses dois fatos públicos, relacionadas ao direito social do trabalho livre e do acesso a alimentos saudáveis e seguros, conquanto fortemente apoiados em argumentos éticos, técnicos e jurídicos, não passam pelo crivo político da base ruralista do governo. Aparentemente, o Ministério da Saúde pode sofrer os mesmos bloqueios normativos, a exemplo do revelado no caso citado do INCRA-MDA, porque de orçamento já sofrem de longa data. O governo Dilma revela-se totalmente refém neste, como em inúmeros outros casos da sua (in)governabilidade.

 

Mas além de prisioneiro dos interesses ultraconservadores, o governo Dilma é considerado a essa altura descartável pelo recrudescimento ostensivo da campanha pelo ‘impeachment’. E curiosamente vivemos um momento dramático, como de certa forma vivido em outras épocas, a exemplo do cerco a Getúlio Vargas pela “República do Galeão”. Cair com honra ou cair com desonra foi a disjuntiva trágica a que se viu compelido o presidente Vargas.

 

Os tempos mudam, os personagens idem e as ameaças se repetem na história. E mudando o que precisa ser mudado, a exemplo do corajoso testemunho do ministro Patrus, é preciso considerar que mesmo na hipótese de queda iminente, fartamente orquestrada por muitos ‘lobbies’, é preciso manter a honra.

 

Leia também:

Rio Grande do Sul expõe faceta estadual do ajuste econômico - entrevista com a professora Rejane Oliveira


‘Impeachment não é caminho, mas o governo não nos representa. É um cenário muito difícil para as lutas sociais’ – entrevista com Ana Paula Ribeiro, coordenadora do MTST


Nova ruralidade e velha concentração – Por Osvaldo Russo


Crise de que e contra quem? – por Milton Temer


Quem salta pelo ajuste e quem vai além da perplexidade – análise do sociólogo Luiz Fernando Novoa Garzon


“Encurralado, o governo vai cada vez mais para a direita” – entrevista com deputado federal Ivan Valente


Contribuições para uma agenda econômica alternativa – coluna de Paulo Passarinho


Não há como recuperar a legitimidade da política sem ruptura radical com Lula e Dilma – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves


A fórmula mágica da paz social se esgotou – Paulo Arantes, especial para o Correio da Cidadania


“O mais provável é o governo Dilma se arrastando nos próximos três anos e meio” – entrevista com deputado federal Chico Alencar

 


Guilherme Costa Delgado é doutor em economia pela UNICAMP e consultor da Comissão Brasileira de Justiça e Paz.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 23 de Setembro de 2015
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates