topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O papa e o aborto Imprimir E-mail
Escrito por Frei Betto   
Sexta, 11 de Setembro de 2015
Recomendar

 

Em março de 2009, o arcebispo de Olinda e Recife, Dom José Cardoso Sobrinho, excomungou a equipe médica que, em observância à legislação brasileira, ajudou uma menina de 9 anos, cuja saúde corria sério risco, a abortar gêmeos, após meses de gravidez. A mãe da menina também sofreu excomunhão. O padrasto, que violentava sexualmente a menor desde que ela tinha 6 anos, escapou da excomunhão, ou seja, da pena eclesiástica que, desde 1398, impede o acesso aos sacramentos. Só bispos podiam revogar tal penalidade.

 

Francisco é um papa surpreendente. A cada semana anuncia uma novidade que torna a Igreja Católica mais fiel a Jesus e mais próxima do povo. A 1º de setembro ele comunicou: “Decidi conceder a todos os padres, para o ano do Jubileu da Misericórdia, a faculdade de absolver do pecado do aborto aqueles que o praticaram e, arrependidos de coração, peçam perdão”.

 

O papa sabe que muitas mulheres são pressionadas a fazer aborto. Revelou que, em sua vida, encontrou “tantas que levam nos corações as cicatrizes dessa decisão sofrida e dolorosa”. E acrescentou: “O perdão de Deus não pode ser negado àqueles que se arrependeram, especialmente quando alguém busca o sacramento da confissão com um coração sincero para que obtenha a reconciliação com o Pai”.

 

Francisco recomendou que os padres digam “palavras de boas-vindas genuínas” às mulheres e aos médicos que os procurarem após o procedimento, mas que estejam conscientes da gravidade do pecado cometido.

 

Em agosto, o papa defendeu o acolhimento, na Igreja, dos divorciados: “Quem estabelece uma união após o fracasso do casamento não é totalmente excomungado, e absolutamente não deve ser tratado dessa forma. Eles sempre pertencerão à Igreja, que deve manter suas portas abertas”. E, de novo, se referiu à homossexualidade: “Quando Deus olha para uma pessoa gay, ele endossa a existência dessa pessoa com amor ou rejeita e condena?”

 

Tenho um irmão terapeuta. Tanto ele quanto eu acolhemos mulheres de gravidez indesejada ou inesperada. A diferença é que ele as recebe depois do aborto, quando, traumatizadas, sentem necessidade de arrumar a cabeça. E eu as recebo antes, angustiadas.

 

Proponho a todas as moças que me procuram, aflitas pela dúvida de ter ou não o bebê: tenham a criança e, em seguida, me tragam que eu crio. Até hoje não tenho nenhum filho adotivo. E todas me agradecem, felizes por terem vencido a pressão da família ou do parceiro para não assumirem a gravidez.

 

Não sou favorável à criminalização do aborto. Ninguém o faz por prazer. Porém, a criminalização é um incentivo às clínicas clandestinas. Calcula-se que, no Brasil, 1 milhão de abortos são feitos por ano. O SUS atende, anualmente, 250 mil mulheres portadoras de sequelas. Na Europa, 90% dos abortos são seguros. Na América Latina, 95% são inseguros.

 

Houvesse a chance dessas mulheres pobres, vítimas de parteiras da morte e falsos médicos recorrerem ao SUS e dialogarem com psicólogos e ministros de suas respectivas confissões religiosas, como ocorre na França, com certeza veríamos a redução do número de mortes de mulheres e de abortos. Onde o aborto foi desclandestinizado pela descriminalização e o correto atendimento das grávidas, houve drástica redução de clínicas de fundo de quintal, e muitas grávidas têm sido convencidas a assumirem a maternidade.

 

O que me intriga nos antiabortistas sectários é o fato de não condenarem, com o mesmo rigor, o comércio de armas, a pena de morte e as guerras. E, no Brasil, alguns ainda torcem pela redução da maioridade penal.

 

Abortiva é a sociedade que não propicia a todas as mulheres condições de gerarem filhos sem se sentirem ameaçadas pela miséria, o desemprego, e o machismo e a violência de parceiros irresponsáveis.

 

Culpa também de famílias e escolas que, sob pretexto de educação sexual, ensinam apenas cuidados de higiene corporal para evitar doenças sexualmente transmissíveis, sem aprofundar os valores da subjetividade e sequer pronunciar a palavra amor.

 

 

Frei Betto é escritor, autor de “O que a vida me ensinou” (Saraiva), entre outros livros.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates