topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Sep   October 2016   Nov
SMTWTFS
   1
  2  3  4  5  6  7  8
  9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O PT e a luta de classes Imprimir E-mail
Escrito por Osvaldo Russo   
Quarta, 26 de Agosto de 2015
Recomendar

 

Quem duvida que a economia e os interesses em conflito continuam sendo a base material da luta político-ideológica não precisa ler ou revisitar Marx: basta observar o conteúdo das propostas e o perfil de renda, instrução, cor e sexo dos manifestantes dos dias 12 (Marcha das Margaridas), 16 e 20 de agosto.

 

A luta de classes não é o único, mas é o principal motor da história humana, ainda que as relações e contradições sejam mais complexas e não se reduzam a apenas patrões e empregados.

 

Além dela, há a luta dos movimentos sociais contemporâneos em defesa do meio ambiente (que também possui componente classista) e da igualdade de direitos (urbanos, rurais, humanos, sociais, mulheres, orientação sexual, crianças, adolescentes, jovens, idosos, pessoas com deficiência, negros, índios etc.).

 

Além disso, é só constatar os ataques e o ódio manifestado contra o PT e suas lideranças pela oposição de direita e a elite branca conservadora, presente em setores minoritários da sociedade, mas dominante no Estado e nos meios de produção e comunicação. O PT é identificado com o mundo do trabalho, os pobres e excluídos e os movimentos sociais.

 

Guardadas as diferenças históricas, programáticas e organizativas, o PT de hoje, com seus erros e acertos, é o partido de esquerda a ser abatido pela direita como foi o PCB no passado. Com sua influência nos sindicatos, seu histórico insurrecional e sua vinculação ao PC soviético, o PCB despertava ódio da direita e da corporação militar em razão da insurreição comunista que liderou em 1935, mesmo, posteriormente, tendo proposto aliança com a burguesia industrial nascente nos anos 1940/1950 e criticado a via armada para derrubar a ditadura militar de 1964.

 

O antigo PCB cumpriu seu papel histórico: é a matriz da esquerda brasileira, com seus erros e acertos. Mas o PT, ao contrário do PCB no passado, é um partido de massas, socialista, pluralista e não centralizado, inserido no Estado Democrático de Direito: é um partido da ordem democrática. O PT teve origem no bojo das novas lutas operárias deflagradas na década de 1970, no ABC paulista. Dessas lutas, nascia um novo sindicalismo que combatia o antigo peleguismo sindical e confrontava com greves a classe patronal para negociar a pauta de reivindicações dos trabalhadores.

 

Na crise atual, mais política que econômica, agrupamentos políticos de direita e ultradireita saíram do armário como bem escreveu o sociólogo Emir Sader. Fantasiaram-se de combatentes contra a corrupção que nunca combateram quando estiveram à frente do governo. Agora mesmo, numa manobra regimental, seus deputados votaram a favor do financiamento empresarial de campanhas, raiz do caixa dois e da corrupção eleitoral. Até o ministro Gilmar Mendes, tão cioso com as contas de campanha da presidente Dilma, já aprovadas, se cala diante das contas do Aécio e não se manifesta em processo que tramita no STF sobre a inconstitucionalidade do financiamento empresarial.

 

Mas, apesar dessas iniciativas flagrantemente golpistas, os donos do capital não são burros e não querem marola de alto risco que possam comprometer a estabilidade política, social e econômica do país, sendo que o Brasil hoje é respeitado por todos os países de todos os continentes. Por isso mesmo, não parecem seduzidos por esses segmentos radicais antidemocráticos que tentam subtrair o mandato popular legitimamente conquistado pela presidente Dilma Rousseff, na eleição de 2014.

 

Sem base legal e moral, o PSDB e seus aliados, derrotados nas últimas eleições, parecem não desistir de golpear a Constituição, apoiados por braços políticos nos meios de comunicação e em instituições do Estado. O objetivo é abater a Dilma, o Lula e o PT, mas podem estar dando um tiro no pé, a história não acabou, o governo tem fôlego e o PT ainda tem papel histórico, ao lado de outros partidos de esquerda, para além da formação e organização política da classe trabalhadora sindicalizada.

 

Hoje, o PT precisa compreender as novas demandas da classe média, aprofundar relações com outros partidos de esquerda e movimentos sociais e incorporar à política os segmentos populares, antes empobrecidos, que ascenderam socialmente beneficiados pelas políticas públicas empreendidas pelos governos Lula e Dilma, construindo uma agenda política de garantia de direitos junto ao governo.

 

A luta de classes não é a única variável em jogo, mas é parte integrante da luta atual e o PT é o partido que sofre oposição sem trégua da direita, agressões sistemáticas e atentados criminosos.

 

 

Fim de ciclo – Editorial

 

Não há como recuperar a legitimidade da política sem ruptura radical com Lula e Dilma – entrevista com o economista Reinaldo Gonçalves

 

A fórmula mágica da paz social se esgotou – Paulo Arantes, especial para o Correio

 

‘A depender de governo e oposição, caos social vai se aprofundar’ – entrevista com o historiador Marcelo Badaró

 

Agenda Brasil: o verdadeiro golpe – análise de Juliano Medeiros

 

Três crises... Falta uma – análise de Mauro Iasi


Dilemas da atual luta de classes – coluna de Wladimir Pomar


Manifestações em apoio a Dilma - Artigo de Otto Filgueiras

 

 

 

Osvaldo Russo é conselheiro da Associação Brasileira de Reforma Agrária (Abra).

Recomendar
Última atualização em Quarta, 26 de Agosto de 2015
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates