topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Sep   October 2016   Nov
SMTWTFS
   1
  2  3  4  5  6  7  8
  9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Pela legalidade democrática Imprimir E-mail
Escrito por Osvaldo Russo   
Qui, 30 de Julho de 2015
Recomendar

Nestes últimos dias de julho, passei a conviver com a angústia das dúvidas do porvir a partir de agosto, quando o tempo será contado – pelo menos para mim - em frações do dia. Poderá não haver tempo para reflexão, revisão e nem mesmo para crítica ou autocrítica. Um tempo curto, mas que será intensamente vivido. Cada dia será como o último. Não falo da minha vida pessoal ou profissional, mas da vida política do país.

 

Da minha juventude trouxe a inspiração das lutas iniciadas no movimento estudantil de 1968. De lá trouxe a progressiva consciência e engajamento por uma sociedade mais justa e democrática, sem explorados e exploradores. De lá ergui a bandeira da reforma agrária. Na fé cristã consolidei o sentimento de justiça; no debate das ideias abracei a ideia do socialismo; nas lutas democráticas aprendi a respeitar o pluralismo das ideias.

 

Em quatro momentos históricos estive na ponta das mudanças institucionais. Em 1985, no governo Sarney, como diretor do Incra, na superação do regime autoritário e na reconstrução da democracia. Em 1987, como coordenador da Abra, nos debates da Assembleia Nacional Constituinte. Em 1993, no governo Itamar, como presidente do Incra, no restabelecimento institucional pós-impeachment do Collor.

 

Em 2003, no governo Lula, inicialmente como chefe de Gabinete do Ministro da Educação e depois, no Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, como secretário nacional de Assistência Social, contribuindo na construção de um novo projeto de desenvolvimento com distribuição de renda e equidade social.

 

Hoje, com um olho na mídia, nas redes sociais e nas ruas e outro nos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, sinto segurança em defender a Democracia e o Estado de Direito. Mas, em outros momentos, me sentia mais protagonista. Talvez esse sentimento venha das limitações de onde olho e da imprevisibilidade do porvir, ainda que os cenários estejam expostos pelas circunstâncias políticas e sociais.

 

Mas ainda tenho um tempinho para refletir e ouso dizer que as forças de oposição de direita querem subtrair o mandato da Dilma pelas seguintes razões e projeções:

 

a) não confiam se será igual ou pior o cenário político, social e econômico em 2018;

 

b) não querem “pagar pra ver”, sabendo que o governo ainda tem instrumentos de ação, inclusive credibilidade externa, para recuperar a economia no médio prazo;

 

c) temem o potencialização da força social do PT e a possível candidatura de Lula, e até o “Sobrenatural de Almeida” reconhece o seu favoritismo;

 

d) querem aproveitar a escandalização operada pela mídia em relação à corrupção apontada pela Operação Lava Jato, manipulando informações para atingir o governo Dilma e o PT, em cujas gestões as instituições fiscalizadoras e policiais efetivamente funcionaram combatendo a corrupção como nunca antes no país;

 

e) querem aproveitar e amplificar a insatisfação conjuntural da maioria da população em relação ao governo Dilma, conforme pesquisas amostrais divulgadas;

 

f) torcem e distorcem as conclusões que virão do Tribunal de Contas da União (TCU) em ralação às propaladas “pedaladas fiscais” que sempre socorreram os governos;

 

g) torcem e distorcem as conclusões do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em relação ao julgamento das contas de campanha eleitoral da candidata Dilma Rousseff;

 

h) não possuem escrúpulos em tentar organizar, com base em maioria circunstancial, o desrespeito ao Estado Democrático de Direito, golpeando a Constituição e depondo uma presidente legitimamente eleita na única pesquisa que tem valor universal: a do voto livre, democrático e secreto de mais de 54 milhões de eleitores em todo o país;

 

i) E, por fim, estão ansiosos e com pressa para dar um passo atrás no país.

 

O Congresso Nacional também vive uma crise de credibilidade. Se assegurassem os tanques nacionais ao alcance e a frota estadunidense por perto, como em 1964, não tenho dúvidas que apostariam tudo, sem olhar o futuro, e repetiriam a história. Não duvido, infelizmente, que o PSDB, que nasceu socialdemocrata, hoje seja herdeiro do velho udenismo golpista e entreguista. E que, apesar de desacreditada, a grande imprensa tem alto poder de influência quando focalizada e instrumentalizada.

 

Só que o Brasil mudou: com mais de 200 milhões de habitantes e a sétima economia do mundo, os avanços sociais recentes retiraram o país do Mapa da Fome e hoje somos respeitados como liderança planetária por todos os países de todos os continentes - Lula é referência mundial.

 

Acho improvável, mas se tentarem a aventura antidemocrática do golpe, com o nome- fantasia que quiserem dar, não duvido que haja resistência política de instituições, organizações e movimentos democráticos e populares.

 

O embate de ideias e projetos faz parte da democracia e o diálogo é sempre possível. Eu, por exemplo, defendo a recomposição das forças democráticas e de esquerda com uma nova plataforma programática, mas a legalidade democrática precisa ser respeitada. O Brasil não pode perder o respeito internacional, duramente conquistado desde a redemocratização, em 1985 e, sobretudo, impulsionado nos últimos 12 anos.

 

O calendário político-eleitoral é determinado pela Constituição. É preciso respeitá-la.

 

 

Leia também:

Fim de ciclo - Editorial

‘A depender de governo e oposição, caos social vai se aprofundar’

As bruxas estão soltas


Osvaldo Russo é conselheiro da Associação Brasileira de Reforma Agrária (Abra).

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates