topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Os protagonistas da economia Imprimir E-mail
Escrito por D. Demétrio Valentini   
Quarta, 22 de Julho de 2015
Recomendar

 

 

Quando a economia não vai bem, todos se preocupam. Com razão. Pois sem ela a vida vai mal.

 

Nesse final de semana, a tradição popular celebra duas categorias muito importantes da sociedade, os motoristas e os agricultores. Faz parte dos objetivos desta dupla celebração a autoafirmação, tanto dos motoristas, que invocam a proteção de São Cristóvão, como dos agricultores autônomos, cuja história de lutas está muito ligada aos migrantes, sobretudo europeus, que vieram em grandes levas a partir do final do século 19, mas também ao longo do século 20.

 

O dia 25 de julho se reporta à chegada no Brasil dos primeiros migrantes austríacos e alemães, em 1824. Dom Pedro Segundo, que tinha laços de parentesco com a família real austríaca, incentivou a vinda desses migrantes, que trouxeram consigo a disposição inata para o trabalho, sobretudo rural.

 

Cinquenta anos depois, foi a vez de os camponeses italianos iniciarem sua saga migratória para “a América”. Era assim que identificavam o novo destino de suas vidas. Naquela época, no ideário do povo, o Brasil ainda não contava. Era a “América” que esquentava as fantasias dos migrantes que se aventuravam para o Novo Mundo, na esperança de fugir da grave crise social provocada pela revolução industrial, acontecida no auge do liberalismo econômico.

 

Entre as muitas ponderações que a complexa realidade da “ordem econômica” levanta, emerge com evidência a interação do poder público com a iniciativa particular. A economia tem suas leis, que demandam o seu adequado espaço de realização. Ao mesmo tempo, salta aos olhos que a economia encontra sua razão de ser no bem comum, a cujos objetivos ela precisa estar sujeita.

 

A economia, com sua dinâmica específica, não pode se eximir de sua inserção social. Ela precisa ser conduzida por leis que a direcionam para a sua verdadeira finalidade. Por isto, a economia está sujeita à política. E a política precisa se guiar pela ética.

 

Tem sentido a “macroeconomia”, que procura definir os grandes projetos, dentro dos quais a atividade econômica pode se realizar, contribuindo assim para o bem comum da sociedade.

 

Mas, à semelhança dos servidores públicos, que são tão importantes para a boa administração política, hoje dá para destacar a importância dos pequenos agentes econômicos, que exercem com dedicação e competência o seu trabalho profissional.

 

Neste final de semana, eles estão bem representados nos “motoristas e agricultores”.

 

É na certeza de contar com a laboriosidade destes “protagonistas da economia” que se reacendem as esperanças de a economia brasileira retomar seu dinamismo, e possamos superar a crise em que o país vai mergulhando.

 

O exemplo da dedicação dos motoristas e do dinamismo dos agricultores deve servir de estímulo para toda a sociedade. Para que não aconteça que a situação se agrave ainda mais por veleidades políticas.

 

Neste momento é importante cada um fazer o que está ao seu alcance a fim de contribuir para o bem de todos, em especial dos socialmente mais fragilizados.

 

Na sua intervenção na Assembleia da CNBB, Rubens Ricupero afirmou com muita clareza que a moralidade de um país é medida pela atenção prioritária que ele consegue dar aos pobres.

 

 

D. Demetrio Valentini é bispo da diocese de Jales-SP.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 22 de Julho de 2015
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates