Qual o pacto político possível?

 

 

A crise política brasileira não tem medida de extensão nem tempo previsível definido. Pode se prolongar por anos, com seriíssimos danos para as classes médias e principalmente para as camadas populares, para os mais pobres. Por isso mesmo, compete aos brasileiros comprometidos com a democracia, a inclusão social, a maioria dos trabalhadores e a construção de uma sociedade justa e igualitária, propor e defender um pacto nacional para superar não apenas a atual situação de degradação política como também o nefasto programa econômico e todos os seus estragos sociais.

 

O ideal seria que as esquerdas tomassem a iniciativa para destruir a atuação da direita, nos vários poderes da República, no governo, no Congresso Nacional e nas demais instituições. Mas as esquerdas estão divididas entre as forças que se negam aos esquemas de conciliação com os grupos empresariais, conservadores e oligárquicos, e aqueles que passaram a fazer alianças com esses grupos desde 2002. As esquerdas estão pulverizadas em várias facções e divididas sobre o que fazer diante do fracasso do governo petista e diante da baixa aprovação da presidente Dilma Rousseff.

 

Dirigentes petistas vinculados ao sindicalismo e aos movimentos sociais tentam reorganizar a base de sustentação dos governos Lula (2003 a 2010), mas a resistência da população cresce todos os dias. Não existe mais ligação direta e automática entre os trabalhadores e mais pobres com o Partido dos Trabalhadores. Primeiro porque o PT não deu respostas concretas às demandas dos trabalhadores nas questões sociais e de qualidade de vida na cidade e no campo. Segundo porque o PT mudou totalmente o discurso programático após as eleições. Terceiro porque várias lideranças do partido estão seriamente envolvidas nos esquemas de corrupção e no tráfico de influência.

 

O que resta aos partidos progressistas e de esquerda, aos movimentos sociais combativos e aos setores populares excluídos do jogo político institucional pelo modelo autoritário de imposição do neoliberalismo? Esses grupos, setores e correntes precisam conversar, trocar ideias, debater e necessariamente articular uma agenda e um programa de atuação apoiado por todos, que seja a expressão de demandas e anseios da grande maioria dos trabalhadores e da população brasileira.

 

É preciso, pois, interferir efetivamente na agenda política nacional com uma organização forte, coesa, fundada em princípios éticos e programas transformadores, no marco de uma FRENTE AMPLA DE UNIDADE POPULAR, sob a qual se possam reunir todos aqueles e aquelas que não concordam com a atual política econômica baseada na hegemonia do sistema financeiro, nas propostas neoliberais e no predomínio dos mercados. Precisamos, urgentemente, combater o conservadorismo das oligarquias, a direita política e o modelo neoliberal.

 

Devemos defender, sem concessões, propostas políticas voltadas para o bem-estar coletivo e individual das pessoas; devemos valorizar os princípios norteadores dos direitos humanos e da cidadania; devemos aprofundar e ampliar os sistemas e métodos da democracia; devemos apoiar de forma intransigente a reforma agrária, o investimento pesado na educação pública, o direito à moradia digna, à mobilidade urbana, o emprego de qualidade, o trabalho decente e a remuneração justa. A preocupação do Estado deve ser o cidadão, o morador, o trabalhador, a criança, o jovem, o estudante, os homens, as mulheres e os vários tipos de família. O Estado deve ver o ser humano antes do lucro, do interesse do capital e do jogo do mercado.

 

A inversão de prioridades é inevitável. Queremos partidos que tenham programas voltados para a sociedade. Queremos representantes que expressem fielmente os desejos dos representados. Queremos governos que atuem com total transparência. Queremos construir organizações sociais e políticas que não se vendam ao capital e aos poderosos. Queremos que os recursos públicos sejam integralmente utilizados no bem-estar dos cidadãos, especialmente daqueles que mais necessitam da proteção do Estado. Queremos viver numa sociedade livre, justa, democrática, soberana, sem exploração e sem opressão. Queremos curtir todos os dias a alegria da paz e da felicidade, com a perspectiva de um mundo solidário e fraterno para nossos filhos, descendentes e futuras gerações.

 

Queremos, enfim, construir um novo Brasil, livre das desigualdades, livre do preconceito, livre das oligarquias, livre do autoritarismo, livre de todos aqueles que sempre defenderam seus privilégios, a escravidão, a exploração e a opressão. O momento político exige a presença e a atuação da FRENTE AMPLA DE UNIDADE POPULAR – por democracia e mudanças estruturais na sociedade brasileira.

 

 

Leia também:

Aliança maldita deu no que deu

A fórmula mágica da paz social se esgotou – Paulo Arantes, especial para o Correio da Cidadania

“O mais provável é o governo Dilma se arrastando nos próximos três anos e meio” – entrevista com o deputado federal Chico Alencar

 

 

Hamilton Octavio de Souza é professor e jornalista.

Comentários   

0 #2 Qual Pacto Político Possível?Juca Ramos 08-08-2015 14:49
Muito bom o artigo que põe em relevo necessidade urgentes de ação política por parte da cidadania.
Os fins que o autor tão oportunamente nos alerta a respeito, tais como delineados em seus dois últimos parágrafos, são objetivos com os quais praticamento todo e qualquer cidadão brasileiro pode concordar. O dilema está nos meios para se chegar a esses fins, e que são a razão porque o autor convoca a esquerda multi-facetada a fazer um pacto.
Qualquer pessoa que trate sobre assuntos sensíveis com alguém que tenha idéias políticas ou religiosas muito fortes sabe que é virtualmente impossível fazê-los mudar de idéias, ou ao menos contemporizar por tempo razoável. Um pacto político entre facções de esquerda, mesmo se possível, seria muito breve e instável, tornando difícil antever o alcance de conquistas democráticas duradouras. Mesmo assim, a conclamação do autor é válida e embora não venha a contar com a adesão substancial de grupos mais aferrados a suas idéias políticas, poderá atrair a participação de muitos para um plano de ação política centrada no cidadão e tudo que politicamente lhe diz respeito.
Sem dúvidas, todo cidadão consciente e patriótico deve-se dispor a contribuir para formar um "pool" de idéias e métodos de ação genuinamente democráticos, sem autoritarismos nem totalitarismos, que devem ser trabalhados e levados à população de forma inteligível, convincente e até mesmo inarredável. Tais iniciativas precisam ser tomadas o quanto antes, pois o tempo anda curto e os bárbaros já se arremetem contra os portões de nossa cidadela democrática, ainda em construção e em estágio vulnerável.
Citar
0 #1 RE: Qual o pacto político possível?Alexandre de Souza 28-07-2015 01:38
Defende a democracia e já começa com um "destruir a atuação direita?" Você pode defender qualquer coisa, clamar por destruição de oposição pode ser muitas coisas, menos democracia. E que direita, meu amigo? Qual partido político representa a direita? Os asnos como os Bolsonaros? Ou os religiosos de quinta, como Malafaia? A política brasileira enfrenta crises pela falta de posicionamento claro dos partidos. Chega a ser ridículo por aqui, onde a direita é inexistente e os poucos que se dizem são estatistas, e a esquerda é capitalista(e ruim ainda) e vive de promessas faz mais de 25 anos, acho que está na hora de mudar esse disco e abandonar o estadismo.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados