O exemplo da Grécia

0
0
0
s2sdefault

 

 

 

O governo alemão de Angela Merkel é impiedoso. Trata a Grécia como Hitler tratou a Polônia, com supremo desprezo.

 

Os nazistas invadiram a Polônia e, hoje, Merkel age com a Grécia como quem asfixia um doente terminal. O país tem uma dívida equivalente a 177% do seu PIB e o desemprego atinge 25,6% da força de trabalho.

 

O mundo é movido a dinheiro. A Alemanha, o Banco Central Europeu e o FMI exigem que a Grécia pague sua dívida externa. O país não tem como fazê-lo. Está quebrado. E acuado pelas potências europeias.

 

Merkel não se importa com a sorte do povo grego. Quer arrancar-lhe o pão da boca e entregá-lo aos credores. O pão que o diabo amassaria se os gregos aceitassem o que ela propõe: aumento de impostos, corte de gastos e profunda reforma do sistema previdenciário.

 

Alexis Tsipras, primeiro-ministro grego, preza o fato de seu país ser o berço da democracia. Coerente com as suas raízes, decidiu consultar o povo.

 

Aceitamos ou não as imposições dos credores? O povo decidiu pelo “não” no domingo, 5 de julho. Nas urnas, 61% dos eleitores votaram pelo “não”.

 

Merkel não gostou da consulta democrática e muito menos de seu resultado. E sabe que, agora, deve buscar uma saída para evitar o pior: a Grécia se retirar da zona do euro. Isso pode significar o início do fim da União Europeia. E nada impede que, amanhã, o exemplo seja seguido por outros países, como Espanha e Portugal, que estão com a corda no pescoço e acuados pela ganância alemã.

 

“Faça o que digo e não o que faço”. O adágio resume a atitude alemã. A Alemanha nunca pagou as dívidas contraídas após as duas Grandes Guerras, das quais saiu derrotada e destroçada. Para se soerguer, contraiu dívidas. E se tornou o mais rico país europeu.

 

O Acordo de Londres, de 1953, anulou mais de 60% da dívida alemã. Em 1945, esta dívida equivalia a mais de 200% do PIB do país. Dez anos depois caiu para menos de 20% do PIB. Jamais a Alemanha teria feito tão significativa redução se tivesse adotado o arrocho que, agora, pretende impor à Grécia como “ajuste fiscal”.

 

Merkel se recusa a aceitar que a Grécia, para sair do buraco, adote a receita que salvou o seu país: imposto sobre as grandes fortunas e perdão de parcela significativa da dívida.

 

O governo grego pediu aos credores ampliar o programa de ajuda ao país, o que permitiria à Grécia obter mais € 7,2 bilhões e ter condições de pagar o funcionalismo e a dívida de € 1,6 bilhão com o FMI. O pedido foi negado.

 

Agora, nas negociações de Bruxelas, os gregos tentam a aprovação de uma segunda proposta: ter acesso ao programa europeu de ajuda, lançado em 2012.

 

Se não houver acordo, os gregos poderão abandonar o euro, voltar ao dracma e ficar fora da União Europeia. E o exemplo pode ser seguido até mesmo pela Itália, frustrando o sonho de uma Europa unida... Ao menos no uso de uma única moeda.

 

Se a crise grega se alastrar pela Europa, da qual dependem 20% das exportações brasileiras, o Brasil sofrerá o seu reflexo.

 

 

Frei Betto é escritor, autor de “Paraíso Perdido – viagens ao mundo socialista” (Rocco), entre outros livros.

Comentários   

0 #1 Dívida é uma coisa, indenização é outraVenator 14-07-2015 10:17
Ao contrário do que andam dizendo Piketty e outros tantos, a Alemanha não se endividou com os aliados, mas pagou indenizações (botim) de Guerra. Ou seja, pagamentos que não advieram de descontrole de gastos, mas da loucura hitlerista. Mais ainda, a afirmação de que a Alemanha jamais pagou suas dívidas não é confirmada pelos historiadores. Segundo o falecido Hans-Ulrich Wehler (amigo de J. Habermas, portanto ideologicamente insuspeito) em sua ‘Deutsche Gesellschaftsgeschichte’, a Alemanha oriental pagou à União Soviética 55 bilhões de marcos (16,3 bi US$) até 1954, além de ter nada menos de 2.000 fábricas desmontadas e levadas para o país de Stalin. No mesmo período, a Alemanha ocidental pagou a americanos, ingleses e franceses 5 bilhões de marcos (1,24 bi US$). E assumiu, entre 1953 e 1989, o pagamento de reparações no valor total de 112 bilhões de marcos (20,88 bi US$).

Sobre a Grécia, apenas dois dados: o país gasta 17,5% do PIB com aposentadorias, e 65% da população com mais de 55 anos já está aposentada (na Alemanha são 20%).

De resto, demonizar Merkel é fácil. E se ela tivesse proposto, de forma populista, fazer plebiscitos nos países credores para saber se a Grécia deveria receber mais empŕestimos?
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados