topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A atualidade da Revolução Russa Imprimir E-mail
Escrito por Fernando Silva   
Segunda, 12 de Novembro de 2007
Recomendar

 

 

Felizmente, os 90 anos da Revolução Socialista de 1917 na Rússia não passaram em branco na esquerda brasileira. Artigos, seminários de debate, atos comemorativos estão resgatando a herança deste acontecimento de repercussão mundial, balizador da história do movimento operário e socialista.

 

Não se trata apenas de reverenciar essa data e homenagear a Revolução de Outubro como algo posto no passado. Trata-se de resgatar a atualidade e a idéia da revolução social. Pois o colapso da União Soviética e o retrocesso que culminou na restauração do capitalismo na última década do século passado colocaram em questão se não estaria encerrada a época histórica das revoluções sociais que atravessaram o século 20.

 

Nos dias de hoje, estão ainda mais exacerbadas as contradições inerentes à manutenção e expansão predatória e agressiva do sistema capitalista, em todos os pontos do planeta. A época do capitalismo em sua fase imperialista, ou no seu momento atual chamada com algum sentido de “globalização”, é ainda mais visível em todo o mundo do que há cem anos atrás.

 

A extrema fusão de capitais, a predominância e consolidação do que Lênin chamou de “oligarquia financeira”, com resultado deste processo de fusão na etapa monopolista e imperialista do capitalismo, são hoje de uma atualidade impressionante em relação aos escritos e análises de Lênin em O imperialismo, fase superior do capitalismo.

 

E este período tem conseqüências cada vez mais intoleráveis para a humanidade.

 

A contradição capital e trabalho já alcança um patamar em que a manutenção do modo de produção capitalista ameaça e põe em risco no futuro a vida no planeta.

 

É a partir da análise dos dias de hoje, e não apenas do passado, que podemos afirmar que a Revolução Russa conserva enorme atualidade.  

 

A derrota do primeiro grande fluxo revolucionário da humanidade e o retrocesso político e ideológico das próprias idéias revolucionárias nas últimas duas décadas não podem nos fazer perder de vista que a revolução de 1917 foi um marco inicial nessa época histórica na qual estamos vivendo e atuando. 

 

Reflexões da derrota e parâmetros futuros

 

Mas a derrota da Revolução Russa e o desfecho do século 20 não vieram de um golpe só.  Ela retrocedeu lenta e agonicamente sob o manto de um Estado totalitário.

 

Estado que, em nome do socialismo, promoveu um monolitismo político e cinzento nas sociedades que tinham expropriado o capital, varreu a auto-organização na classe trabalhadora, perseguiu e matou milhares que não aceitavam que o socialismo fosse um modelo monolítico de estado policial e, por fim, afastou paulatinamente centenas e centenas de milhões de trabalhadores e trabalhadoras das idéias do socialismo.

 

Esta última talvez ainda seja a mais grave conseqüência, para os socialistas e a classe trabalhadora, da derrota da Revolução Russa. 

 

No final das contas (e do século), ficaram as evidências de que “o modelo stalinista” foi um conjunto de teorias (como a do “socialismo em um só país”) e “procedimentos” (como os processos de Moscou) para justificar a manutenção no poder, com enormes vantagens materiais e econômicas para uma autêntica aristocracia social. Claro, tudo em nome do comunismo... 

 

Por isso, não será pouco o esforço para recuperar as idéias do socialismo e da revolução na consciência dos povos.

 

Para essa tarefa do presente e do futuro, vale muito a pena recorrer ao passado e alguns parâmetros colocados pela Revolução Russa:

 

a) O profundo internacionalismo do processo revolucionário, pois os trabalhadores russos e seus dirigentes foram conscientes de que a revolução em um dos países (na ocasião) mais atrasados da Europa dependeria de uma continuidade nos países capitalistas centrais para se poder superar estrategicamente o capitalismo. Idéia hoje mais atual do que nunca nas condições do capitalismo “globalizado”, que deve enterrar as ilusões a respeito das possibilidades de um socialismo em um só país.

 

b) Uma verdadeira revolução não pode prescindir da extraordinária combinação da auto-organização massiva e democrática dos explorados com uma direção política consciente dos seus objetivos.

 

Muitos desenlaces de lutas e processos históricos da classe trabalhadora não dependem da vontade dos dirigentes e vanguardas destes processos. Mas os que reivindicam as idéias revolucionárias e pretendem lutar para que elas voltem a encantar o imaginário de milhões de trabalhadores e trabalhadoras não podem deixar escapar esses parâmetros colocados pela Revolução Russa.

 

Para citar um personagem de um filme alemão chamado Edukators, “as revoluções podem até ser derrotadas, o importante é que suas melhores idéias sobrevivam”.

 

Sem elas, cedo ou tarde, mesmo processos e revoluções novas retrocedem, podendo ainda gerar caricaturas do passado em nome de um socialismo para o novo século. 

 

Para encerrar, vale aqui resgatar a atualidade da perspectiva histórica colocada pela Revolução Russa nas palavras reflexivas de Leon Trotsky:

 

“Na Rússia, a classe trabalhadora, guiada pelos bolcheviques, tentou reconstruir a vida, para eliminar a possibilidade dos acessos periódicos de loucura da humanidade e lançar as bases de uma cultura mais elevada. Este é o sentido da Revolução de Outubro. É claro que o problema posto por ela ainda não está resolvido. Mas, no fundo, esta questão supõe uma perspectiva histórica de muitos anos. Devemos pois considerar a Revolução de Outubro como ponto de partida da nova história da humanidade em seu conjunto”.*

 

*Minha Vida, Ensaio Autobiográfico, Leon Trotsky.

 

 

Fernando Silva é jornalista, membro do Diretório Nacional do PSOL e do conselho editorial da revista Debate Socialista.

 

Para comentar este artigo, clique comente.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates