topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Lula e suas novas ‘bruxas’ de inquisição Imprimir E-mail
Escrito por Milton Temer   
Segunda, 22 de Junho de 2015
Recomendar

 

 

Dilma, Aloizio Mercadante, Rosseto; quem estiver na frente serve para ser queimado na Inquisição que Lula promove como forma de tentar se liberar de qualquer responsabilidade na crise com sintomas terminais que alcança o governo e o neoPT.

 

As “bruxas” da vez vão sofrer o que antes foi imposto a Zé Dirceu e a Genoino, no episódio do Mensalão. Vão pagar pelo que o verdadeiro responsável tenta tirar de cima de si: a promoção do mergulho no pântano ideológico a que o PT foi submetido, a partir da adoção do “lulinha, paz e amor”, que marcou o acordo com as classes dominantes para a chegada de Lula ao poder unicamente pelas benesses do poder.

 

A chegada ao poder sem ferir nenhum dos preceitos da norma estabelecida. Sem nenhum confronto com as classes dominantes. Tudo garantido por uma política assistencial de baixo custo. Despendendo, anualmente, com mais de dez milhões de famílias muito menos do que o lucro dos dois maiores bancos privados brasileiros.

 

Que não se leia aqui, no entanto, nenhuma tentativa de amenizar a adesão dos citados ao projeto pessoal de Lula. Dele se aproveitaram sem se dar conta de que o mentor não hesitaria em entregá-los às feras da mídia conservadora diante do surgimento das faturas de tenebrosas transações  - que se tornaram rotina em suas relações com a trinca maldita com a qual se rodeou em sua passagem no Planalto, bancos, empreiteiras e agronegócio.

 

Que não se leia aqui, também, nenhuma tentativa de amenizar a submissão consciente de lideranças expressivas do movimento social, das cúpulas sindicais e, principalmente, do campo majoritário que dominou a cúpula partidária em todo este período recente. E que de forma vil se acomodou ao transformismo ideológico imposto ao saudoso PT.

 

O que pretendemos afirmar é que, nesses últimos “vazamentos” de discursos, em supostas reuniões fechadas, Lula não deixa de contar com a cumplicidade dessa mídia conservadora, que se limita a transmitir o que ele diz. Não há a menor preocupação com o contraponto de análises a partir da reconstituição do período histórico que ele iniciou, conduziu de forma majestática, e no qual continua a ter peso significativo, a considerar a tibieza e o muito de inócuo a se registrar nos documentos finais desse patético 5º Congresso nacional da legenda, recentemente concluído em Salvador.

 

O governo e o partido estão num suposto “volume morto” por conta de que e de quem, senão de seu próprio peso incontestável nos caminhos e decisões tomados desde sua chegada ao Planalto? Quem afirmou, a despeito de duas décadas anteriores na condução de um partido socialista combativo, nunca ter sido de esquerda, para justificar um governo em que “nunca os banqueiros lucraram tanto”?

 

Que não venha o antigo líder sindical de borzeguins ao leito.

 

É dele a principal responsabilidade pela derrocada política e ideológica do partido e do governo. Foi ele quem inventou Dilma, para que não houvesse possibilidade de o partido gerar a ascensão de alguma liderança interna histórica, caso pretendesse retornar à presidência já em 2014.

 

Criador levar rasteira de criatura não é novidade na história dos Poderes na humanidade. Dilma faz agora o que ele mesmo inventou em 2003: atender à exigência da direita para a manutenção do poder pelas benesses do poder. Foi com Lula que Dilma aprendeu. Não adianta, portanto, tentar se afastar agora do cálice de sangue que ele mesmo encheu anteriormente.

 

O que deve preocupá-lo agora é o desdobramento do processo que chega a ponto crítico, com a prisão dos até então inexpugnáveis controladores da Odebrecht e da Andrade Gutierrez. Tanto pelo período em que ocupou o Planalto quanto pelo que se seguiu, onde passou a se apresentar como caixeiro-viajante internacional a serviço dessas empresas, não se pode prever o que nele respingará da apuração sobre as tenebrosas transações que virão a público.

 

E é isto que anda tirando o sono de Lula. Ver Okamoto, seu histórico carregador de malas, convocado pela CPI da Petrobras já o levou às raias de um ataque de nervos. E não por acaso. Como explicar os R$ 4,5 milhões de doações ao Instituto que ele transformou em via paralela de sua ação partidária, nos anos posteriores à sua saída do Planalto?

 

A tragédia resultante desse enredo de equívocos, estelionatos ideológicos e indefinidas transações paralelas é que, quanto mais evidente ficar a responsabilidade de Lula num final infeliz, não é só ele quem é derrotado. Irá de cambulhada, e por um bom tempo, toda uma concepção de que seria possível uma transformação qualitativa da realidade político-social do Brasil, com a chegada de um partido dito de esquerda ao poder. Ao fim, “são todos farinha do mesmo saco”.

 

Não por acaso, somos massacrados com uma crescente hegemonia de um pensamento conservador, reacionário e anti-humanista, “como nunca antes na história” da República ocorrera, de forma tão aguda.

 

Ou uma Frente de Esquerda, que conte com a adesão dos provenientes de uma ruptura orgânica e de base social do neoPT, para além daqueles que ao longo dos últimos anos não se renderam, se organiza de forma urgente e ativa, ou iremos todos juntos para um estágio longo na caixa de achados e perdidos da História.

 

Leia também

‘Lulismo vive seu momento mais difícil, mas não podemos ainda decretar seu fim’ – entrevista com o cientista política André Singer

‘Hegemonia lulista pode estar se esfacelando’ – entrevista com o sociólogo Ruy Braga

Falência do PT gera instabilidade política – entrevista com o sociólogo Ricardo Antunes

 

 

Milton Temer é jornalista e ex-deputado federal pelo PT.

Recomendar
Última atualização em Terça, 23 de Junho de 2015
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates