topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Suprir a lacuna Imprimir E-mail
Escrito por Osiris de Azevedo Lopes Filho   
Quarta, 07 de Novembro de 2007
Recomendar

 

 

A improvisação, ainda que generosa, domina o cenário nacional. O presidente Lula poderia, no seu discurso ufanista, que vai se transformando em mantra, afirmar com inteiro apoio na realidade: “nunca, nestes mais de quinhentos anos de Brasil, um presidente realizou o que fiz, num só mandato presidência. Fui o que mais criou ministérios”.

 

Impressionante, a quantidade de ministérios existentes no governo Lula. Realmente efetuou uma proeza institucional, nunca dantes realizada.

 

Falta, entretanto, criar o ministério que daria a visão de conjunto, supriria a desorganização institucional que está instalada no país e ocuparia o vazio decorrente da ausência de articulação que impera no setor público. Quase todos os setores da vida nacional dotados de alguma relevância foram blindados com a outorga de Ministério. Todavia, há ainda uma carência institucional. O ministério da Administração Pública.

 

A década de 90 foi marcada pela privatização do setor público do país. Autarquias foram substituídas por agências setoriais, empresas públicas e sociedades de economia mista foram alienadas para empreendedores privados. Essa mutação na estrutura e funcionamento governamental não foi acompanhada pela criação de ente no âmbito do poder público com a missão de organizar as carreiras públicas, disciplinar as concessões para verificar se o seu objetivo está sendo alcançado, efetuar as auditorias e fiscalizações que o novo papel estatal está a exigir, e principalmente cuidar dos recursos humanos e tecnológicos existentes na esfera pública.

 

Hoje, o órgão encarregado de cuidar do serviço público, dos seus recursos humanos, da sua remuneração, está situado no bojo do Ministério do Planejamento. A sua atuação tem sido de contenção. Mais de sufoco que de liberação das potencialidades. País continental, com diversidades regionais marcantes, em que uma atuação decisiva do poder público é necessária para suprir as carências existentes, não há uma instituição poderosa para cuidar dos recursos humanos de que dispõe, realizando os concursos, os treinamentos e os cursos de formação para assegurar o desenvolvimento acelerado que é imprescindível ao país.

 

Os conflitos funcionais se implantam e evoluem sem que haja mecanismos eficazes de solução. Criam-se cargos em comissão, para os adventícios, em aparelhamento do Estado, e o servidor público é desprestigiado como profissional fundamental à prestação do serviço público. A tecnologia, graças aos novos processos e máquinas, tem proporcionado desempenhos cada vez mais auspiciosos.

 

Mas não se pode perder de vista que é o ser humano, o profissional que presta o serviço, que atende ao público e exercita as tarefas, utilizando as máquinas e os processos no cumprimento das suas atribuições.

 

Infelizmente, o Poder Público tem perdido a noção fundamental de sua missão – executar os serviços públicos que lhe compete prover. A criação de instituição destinada a realizar articulada e potencializadamente  essa missão é a mudança qualitativa a ser realizada na estrutura governamental.

 

 

Osiris de Azevedo Lopes Filho, advogado, professor de Direito na Universidade de Brasília – UnB – e ex-secretário da Receita Federal. E-mail: osirisfilho(0)azevedolopes.adv.br

 

Para comentar este artigo, clique aqui.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates