Genocídio dos pobres

 

Há exatos cem anos, os armênios começavam a ser perseguidos e exterminados pelo Império Otomano, em triste “limpeza étnica”, na qual morreram mais de um milhão e meio de pessoas. Os turcos, herdeiros do Império Otomano, não admitem que o ocorrido tenha sido um genocídio, porém, reconhecem que muitos armênios morreram em embates com as forças turcas na Primeira Guerra Mundial. Só 22 países do mundo reconhecem o genocídio dos armênios e, entre eles, não está o Brasil.

 

Os genocídios étnicos ou por outras motivações, inclusive ideológicas, e as atrocidades das guerras ocorrem desde antigos registros da História. O genocídio dos judeus é sempre o primeiro a vir à mente, mas, durante a Segunda Guerra, procurou-se exterminar também ciganos, comunistas, homossexuais, deficientes físicos e mentais. Oponentes de sistemas políticos foram e são, em muitos países, caçados e mortos. Infelizmente, na África e no Grande Oriente, ocorreram e ocorrem perseguições e massacres. Nestes locais, populações civis são encontradas no meio de lutas sangrentas de dominação, incentivadas, usualmente, por grupos econômicos ou nações estrangeiras.

 

Não poderemos ser considerados verdadeiramente humanos enquanto correções, como o reconhecimento do genocídio armênio, não forem feitas. Mais do que satisfazer aos descendentes dos armênios, declarando que seus ancestrais foram mártires, trata-se de dignificar a nossa espécie, que precisa fazer jus ao seu rótulo de humana. O Clube de Engenharia, em memorável sessão do seu Conselho Diretor, do dia 11 de maio passado, aprovou por unanimidade a recomendação ao governo brasileiro de reconhecimento do genocídio dos armênios. Nosso governo deveria se engrandecer e tomar a decisão recomendada por este Clube.

 

No reino animal, a totalidade das espécies, na maioria das situações, não mata seus semelhantes, com exceção do homem, que é capaz de matar outro da sua espécie. No livro “A era dos extremos”, o historiador Eric Hobsbawm constata que, “no Breve Século XX, mais homens foram mortos ou abandonados à morte por decisão humana do que jamais ocorrera antes na história”. Infelizmente, Hobsbawm não viveu para analisar o mundo atual.

 

Defendo a tese que vivemos, hoje, o genocídio dos pobres. Com o neoliberalismo, que é o capitalismo exacerbado, os genocídios existem dissimulados e são praticados sutilmente. Não se usa mais gás mortífero, nem bala, nem granada, nem facão e não se bombardeia com aviões e tanques.

 

Em um país que serve para análise, diminui-se o salário médio dos trabalhadores, diminui-se o poder aquisitivo das aposentadorias e das pensões, provoca-se desemprego em massa, corta-se o seguro desemprego, diminui-se o salário de sobrevivência e o número de beneficiados, diminuem-se outros benefícios sociais, terceiriza-se o emprego, corta-se o atendimento escolar, diminui-se o número de creches por habitantes, cortam-se verbas da saúde, além de outras “medidas de ajuste”, seguindo os preceitos de instituições pertencentes ao grande capital, incluindo as agências classificadoras de risco, e têm-se como consequência inevitável a diminuição da vida média dos habitantes deste país em análise.

 

Os habitantes morrem antes do que deveriam morrer. Este plano sutil é ou não é um plano de extermínio? É ou não é um genocídio? Pode-se dizer que é um plano de cuja existência poucos sabem, e muitos o vivenciam na total ignorância, com seus destinos previamente traçados e em plena execução. Diversos países, hoje, seguem este receituário imposto pelo grande capital, países em que as populações não têm controle sobre as ações dos governantes.

 

Esta receita maximiza os ganhos do capital, que por isso a impõe. Obviamente, os primeiros a serem exterminados são os miseráveis do país, seguidos pelos mais pobres e assim por diante. Nos Estados Unidos, os maiores sofredores do modelo são chamados de “perdedores”, em um esforço para jogar a culpa do infortúnio só em cima dos próprios desventurados.

 

Por isso, quando vejo o ex-presidente Fernando Henrique escrevendo artigos em que desmerece o ex-presidente Lula, fico pensando como isso é possível. Ele aplicou o receituário à risca e o ex-presidente Lula salvou 36 milhões do extermínio eminente ao retirá-los da linha da miséria.

 

 

Paulo Metri é conselheiro do Clube de Engenharia e colunista do Correio da Cidadania.

Blog do autor: http://paulometri.blogspot.com.br/

 

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados