A montanha que devemos conquistar

 

 

“A difícil questão para nós é: quanto tempo pode a perversa normalidade de uma ordem socioeconômica e política antagônica, com sua irreprimível tendência de afirmação global de seu domínio, manter sua dominação sem destruir a própria humanidade? Esse é o tamanho da montanha que devemos escalar e conquistar.”

|

 

Em A montanha que devemos conquistar, o filósofo húngaro Istvan Mészáros aborda um tema que tem tradição no pensamento marxista: o Estado. Partindo de Platão e Aristóteles e fazendo de Hobbes e, especialmente, Hegel, seus principais interlocutores, o autor discorr

e não apenas sobre o Estado e o campo político em disputa, mas também sobre a sociabilidade capitalista numa época em que o sistema tornou-se efetivamente global. “As crises do capitalismo recolocaram o papel do Estado no centro do debate teórico. Em tempos de reflexões acadêmicas minimalistas e ultra-específicas, István Mészáros emerge como um pensador fundamental”, afirma Ivana Jinkings, diretora editorial da Boitempo, no prefácio. “Seu trabalho dialoga criticamente com toda a produção relevante dos últimos 150 anos e navega dos clássicos aos contemporâneos com rigor e criatividade notáveis”.

alt


 

Em sete breves capítulos mais introdução e conclusão, Mészáros afirma que o Estado, tal como constituído historicamente, em vez de resolver, agrava os problemas sociais. O autor discute a possibilidade de novas formas de organização social, que, segundo ele, necessitam superar os antagonismos enraizados na ordem social do capital para surgir de modo coordenado e cooperativamente estruturado, desde seus menores meios de socialização até seus processos abrangentes de tomadas de decisão. A densidade e o alcance de sua crítica da ordem social vigente representam uma consistente base teórica para a construção de alternativas.

 

As contribuições de Mészáros para a análise da teoria marxiana da alienação, da crise estrutural do capitalismo e da dissolução das sociedades soviéticas pós-revolucionárias fazem dele um dos estudiosos mais importantes do século. Para o jurista e professor de filosofia do direito da USP, Alysson Leandro Mascaro, que assina o texto das orelhas, “este livro trata de grandes problemas. Isto porque as contradições do capitalismo contemporâneo já não conseguem mais obter respostas eficientes por parte do Estado. Disso decorre que não é possível mais ler a política do mesmo modo como a história até os dias atuais a tem tratado”.

 

A pedido do autor, A montanha que devemos conquistar traz dois apêndices: o capítulo “Como poderia o Estado fenecer?”, de Para além do capital, e uma entrevista concedida pelo filósofo à jornalista Eleonora de Lucena, da Folha de S. Paulo, em 2013.

 

Ficha técnica

Título: A montanha que devemos conquistar - reflexões sobre o Estado

Título original: The mountain we must conquer: reflections on the State

Autor: István Mészáros

Tradução: Maria Izabel Lagoa

Prefácio: Ivana Jinkings

Orelha: Alysson Leandro Mascaro

Páginas: 192

ISBN: 978-85-7559-397-4

Preço: R$35,00

Ano: 2014

Editora: Boitempo

 

Sobre o autor:

Autor de extensa obra, ganhador de prêmios como o Attila József, em 1951, o Deutscher Memorial Prize, em 1970, e o Premio Libertador al Pensamiento Crítico, em 2008, István Mészáros se afirma como um dos mais importantes pensadores da atualidade. Nasceu no ano de 1930, em Budapeste, Hungria, onde se graduou em filosofia e se tornou discípulo de György Lukács no Instituto de Estética. Deixou o Leste Europeu após o levante de outubro de 1956 e exilou-se na Itália. Ministrou aulas em diversas universidades, na Europa e na América Latina, e recebeu o título de Professor Emérito de Filosofia pela Universidade de Sussex em 1991. Entre seus livros, destacam-se Para além do capital – rumo a uma teoria da transição (2002), O desafio e o fardo do tempo histórico (2007) e A crise estrutural do capital (2009), publicados pela Boitempo.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados