topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Irã sem bombas: o acordo garante? Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Quarta, 08 de Abril de 2015
Recomendar

 

 

“Chamberlain conseguiu um melhor acordo que Hitler”, foi a opinião do senador republicano Mark Kirk. Referia-se ao acordo de Munique, quando o primeiro-ministro inglês cedeu de bandeja a Tchecoslováquia ao ditador nazista.

 

Já o presidente do Conselho Americano-Iraniano pensa exatamente o contrário. Ele declarou que os EUA conseguiram um acordo “absolutamente incrível” com o Irã, recebendo tudo o que queriam.

 

Quem acompanhou o noticiário sobre os 18 meses de debates entre o Irã e os P+5 (EUA, Reino Unido, França, China, Alemanha e Rússia) fica impressionado com as principais concessões que Teerã fez às grandes potências.

 

Concordou em enriquecer urânio no máximo a 3,67% (uma bomba nuclear exige 90%) durante pelo menos 15 anos.

 

Das quase 20 mil centrífugas instaladas nas usinas de enriquecimento, o Irã aceitou conservar em operação apenas 5 mil.

 

Haverá uma grande redução no estoque de urânio de baixo enriquecimento, com a diluição ou exportação de ao menos 8 toneladas, deixando no país apenas 300 quilos.

 

Nenhuma unidade de enriquecimento será construída durante os próximos 15 anos. O Irã se obriga a remover o núcleo do seu reator de água pesada de Arak, tornando-o inoperável.

 

Um reator em planejamento será reconstruído de forma a não poder produzir plutônio em grau de armas nucleares.

 

O país se submeterá a uma severa inspeção de sua cadeia de suprimento de combustível nuclear.

 

Para avaliar o volume e a qualidade dessas condições, o jornal The Sacramento Bee ouviu a opinião de uma série de experts na matéria.

 

Todos eles se declararam impressionados de forma muito positiva. Greg Theilman, da ”Associação de Controle de Armas” e ex-oficial sênior do birô de inteligência do “Departamento de Estado”: “estou agradavelmente surpreendido porque alguns desses itens representam até mais do que se esperava”.

 

Jeffrey Lewis, do Middlebury Institute of International Studies, de Monterrey, Califórnia: “o canal de aquisição é uma ideia muito boa que uma porção de pessoas tinha. Mas eu fiquei espantado quando eles (os iranianos) a aceitaram”.

 

Explicando: o acordo estabelece que compras iranianas de quaisquer materiais relacionados à energia nuclear terão de ser feitas através de um “canal de aquisição” aprovado pelas Nações Unidas.

 

Com isso, seria eliminada a possibilidade de o Irã burlar as sanções, realizando em segredo compras de equipamentos através de empresas estrangeiras.

 

Cheryl Rofer, ex-químico no Laboratório Nacional de Los Alamos, onde se projetaram as bombas nucleares norte-americanas: “São salvaguardas que cobrem todos os aspectos do ciclo de combustível nuclear. Se eles tivessem concordado com metade delas, já seria um grande passo”.

 

A opinião geral é que o objetivo central do acordo será cumprido. Com sua implementação, o Irã precisaria de um ano para construir uma bomba nuclear, tempo suficiente para as grandes potências descobrirem e tomarem providências preventivas.

 

O próprio primeiro-ministro israelense parou de criticar as medidas previstas, passando a clamar que os iranianos enganariam o Ocidente, descumprindo-as. E tratariam de produzir sua bomba, sem que ninguém percebesse.

 

Mas os experts acham que o Irã aceitou um regime de vigilância nuclear de uma intromissão jamais vista.

 

Frank von Hippel, do “Programa de Ciência e Segurança Internacional”, da Universidade de Princeton, depois de se dizer surpreso com o alcance das cláusulas do acordo, afirmou ao “The Sacramento Bee”: “em matéria de transparência, parece que eles foram muito longe.”

 

Como disse o presidente Obama: “Se o Irã tentar enganar, o mundo inteiro ficará sabendo”.

 

De fato, os inspetores da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) terão acesso livre a todos os setores relacionados à área nuclear, incluindo as minas de onde o Irã extrai minério de urânio e os moinhos nos quais produz o yellow cake, um concentrado de urânio.

 

Segundo Philip Hammond, secretário do Exterior do Reino Unido, o Irã será sujeito a um monitoramento completo: “Haverá uma transparência muito rigorosa e um sistema de inspeções diárias através de inspetores internacionais, segurança high-tech de todas as instalações, câmeras de TV, selos eletrônicos nos equipamentos – de modo a ficarmos a par de tudo”.

 

Essa severíssima inspeção da cadeia de suprimento de combustível nuclear permanecerá em operação durante 25 anos.

 

As sanções contra o Irã só começarão a ser retiradas depois de implementados todos os itens previstos no acordo. Estima-se que deverá levar mais de seis meses.

 

Antes disso, até fins de junho, o acordo definitivo, incluindo todos os detalhes técnicos, deverá ser assinado pelas partes.

 

O primeiro-ministro de Israel, Benjamim Netanyahu, não desistiu de acabar com ele. Conta com o Partido Republicano dos EUA, cujos membros estão totalmente a seu serviço.

 

Durante as últimas semanas das negociações do acordo nuclear, John Boehner, presidente da Casa de Representantes (Câmera Federal), e Mitch McConnel, líder da maioria no Senado, viajaram a Telavive para conspirar com Netanyahu.

 

Com apoio dos milhões de dólares da AIPAC (maior lobby pró-Israel) e de poderosas cadeias de imprensa, como a Fox News, os republicanos já tentaram várias cartadas para destruir o acordo no Legislativo.

 

A última é uma lei exigindo que os parlamentares tenham a palavra final na decisão sobre o acordo. Sem seu ok, Obama não poderia assiná-lo.

 

Com maioria republicana nas duas casas do parlamento, esta lei será fatalmente aprovada. Obama já afirmou que a vetará.

 

Para derrubar seu veto, os republicanos precisarão de 12 votos de democratas. O presidente está fazendo de tudo para convencer os membros de sua bancada a não cederem aos apelos dos defensores do Israel, first.

 

Mesmo que mais esta barreira seja vencida, nem assim a partida poderá ser considerada ganha.

 

Na semana passada, Netanyahu ainda tentou criar novos problemas, exigindo que, como parte do acordo, Teerã reconhecesse o regime sionista de Israel.

 

Não pegou. A porta voz do governo Obama respondeu de maneira óbvia: o objetivo do acordo é específico: resolver a questão nuclear iraniana.

 

Nada mais.

 

Mas até a data de assinatura final do acordo, o líder israelense terá ainda quase três meses para lançar novas provocações tentando jogar a opinião pública contra o Irã. É de se crer que não conseguirá.

 

No mundo inteiro, a notícia do acordo, enfim alcançado, foi recebida com uma imensa sensação de alívio. A paz parece salva.

 

Não dá para acreditar que a posição belicista de uns poucos possa prevalecer.

 

 

Luiz Eça é jornalista

Website: Olhar o Mundo.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 10 de Abril de 2015
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates