Voltar às origens ou agir no presente com olhar no futuro?

 

 

Há uma discussão recente no PT em razão dos desgastes recentes do governo e do partido, que tem a tarefa de liderar a base de sustentação política e parlamentar. Há quem insista no retorno do PT às origens e outros que falam em refundação do partido.

 

É fundamental resgatar valores, mas o novo vai além do partido. O passado serve de exemplo, mas não volta. É preciso compreender o mundo de hoje com olhar no futuro. A pauta não é socialista, mas é democrática, social e nacional, cujas palavras de ordem são reforma política, participação, desenvolvimento, equidade, sustentabilidade e soberania.

 

Incorporar os beneficiários das políticas sociais e a nova classe trabalhadora à política, já que estes segmentos sociais não têm vínculos sindicais e partidários, ao contrário do novo sindicalismo, dos anos 1970/1980, que deu origem ao PT e à CUT. É preciso também se debruçar sobre os interesses da classe média nos dias atuais. Nas eleições de 2002 a 2010, juntaram-se aos segmentos populares, contribuindo de forma decisiva para as vitórias petistas em âmbito nacional. Hoje, a classe média está ampliada com setores que saíram da classe C, que também se alterou com a redução da pobreza e exigem cada vez mais qualidade nos serviços públicos.

 

Na crise atual, não se pode desprezar a exploração seletiva na mídia dos casos de corrupção, ainda que estes estejam sendo apurados, com apoio do governo federal, por instituições republicanas como o Ministério Público Federal e a Polícia Federal. Ao contrário do passado, não muito distante, dos governos tucanos, quando os processos eram engavetados. Nesta conjuntura de dificuldades econômicas e políticas, está havendo um cerco político planejado pelas forças de oposição (PSDB, DEM, PPS e SD), com apoio da velha grande mídia e dos setores reacionários e golpistas.

 

A irresponsabilidade das forças derrotadas nas eleições de 2014, no seu ódio ao PT e ao que ele representa de avanço social e democrático, na sua sanha de assalto ao poder, legalmente e democraticamente constituído, pode levar à radicalização política, que se sabe como começa, mas não quando e como acaba. Pode iniciar como em 1964, mas o fim é imprevisível: o PT, ao contrário do antigo PCB, é um partido de muitos e de ampla base social organizada, que não está na clandestinidade e nem na ilegalidade.

 

A hora é menos de repensar o partido e mais de uni-lo e agir para fora, de modo a mobilizar a sociedade e impedir a tentativa de golpe e o retrocesso. A hora é de recompor a base aliada democrática, se juntar às forças populares, partidos de esquerda, setores médios e organizações democráticas da sociedade civil (OAB, CNBB, entidades sindicais e estudantis, movimentos sociais, populares e religiosos).

 

A presidenta Dilma precisa dar respostas concretas e rápidas aos setores políticos e sociais que apoiam o governo e a outros que apoiavam, mas estão insatisfeitos diante dos problemas atuais. A economia precisa ser recuperada, mas sem recuar de direitos e do projeto de desenvolvimento com equidade social. É também preciso sinalizar aos setores de esquerda que não estão no governo, mas que foram fundamentais no segundo turno das eleições de 2014, não vacilando diante da possibilidade de retrocesso.

 

As Forças Armadas cumprem os seus deveres profissionais e a sua missão estabelecida na Constituição Brasileira. Não partem dos militares da ativa as ações golpistas de setores minoritários saudosos da ditadura. Eles sabem o custo político que atingiu os militares, que foram buscados na caserna para deflagrar um golpe engendrado pela direita civil inescrupulosa e corrupta, que dividiu a Nação nas décadas de 1960 e 1970. E que, agora, em tempos de dificuldades que passarão, tenta, com ódio, dividir a Pátria.

 

O governo está retomando a inciativa e precisa cuidar com maestria e responsabilidade da comunicação social. Não deve aceitar chantagem da mídia e nem vacilar em cumprir a lei contra as mentiras e o golpismo. Deve também apurar todos os casos de violações de direitos e de atos contra a liberdade de organização e informação e, sobretudo, de ações para sobrestar a Democracia e romper com o Estado Democrático de Direito.

 

É preciso enfrentar os desafios, corrigir rumos e fazer política com princípios, diálogo e determinação. O PT – direção e militância - precisa agir e organizar a sua inserção nesta complexa conjuntura social e política. O passado inspira, mas o presente e o futuro do Brasil precisam de todos nós – do PT e de uma frente política e social mais ampla.

 

 

Osvaldo Russo, ex-secretário agrário nacional do PT, é conselheiro da Associação Brasileira de Reforma Agrária (Abra).

Comentários   

0 #1 RE: Voltar às origens ou agir no presente com olhar no futuro?dirlene marques 02-04-2015 18:01
Oswaldo Russo
Estou no PT desde antes de ele existir. Joguei minha vida e militancia em sua construçao. Saí logo que o Lula assume e redefine a nossa pauta historica. Tendo uma conjuntura economica favorável, foi possivel viabilizar o "Bolsa familia e a Bolsa de valores"sendo que, obviamente,, para a bolsa de valores, bilhoes e algumas migalhas para o bolsa familia. Mas, o PT passou a ser o Partido do Lula e tendo como objetivo a manutençao do poder a qualquer custo. Minha avaliacao é que nao tem mais a minima chance de mudar por dentro. Temos que descolar do Partido do Lula, reconstruir os movimentos sociais de forma autonoma, e lutar novamente por nossos direitos que estao sendo perdidos com o governo do PT e do Lula.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados