Lava-Jato, Zelotes e a essência autodestrutiva do capitalismo

 

 

Nesta escandalosa sonegação tributária por parte dos maiores bancos e grupos empresariais de grande prestígio, revelada pela Operação Zelotes, somando-se o que já vinha sendo destrinchado pela Lava-Jato contra a Petrobras, uma conclusão se impõe.

 

Corrupção de funcionários de todos os escalões do setor público não é ponto fora da linha na "ética" capitalista. É prática inerente ao regime; é mais um instrumento do "êxito empresarial", onde aumento de "produtividade", "redução de custos" e garantia de "lucros crescentes" são parâmetros a serem superados, por quaisquer que sejam os meios, na afirmação de empreendimentos “rentáveis”. É apenas um braço a mais no conjunto da obra, chegada à perfeição na predação especulativa do chamado “livre mercado”.

 

Ou seja; pela própria essência do regime, capitalista honesto, ou minimamente generoso na exploração da mais-valia, é capitalista derrotado, morto, na disputa da "competitividade".

 

Ponto fora da linha, isto sim, é a série de investigações dos órgãos do Estado, na medida em que este existe exatamente para defender, a partir de legislação elaborada por um dos seus poderes (hoje, aliás, conduzidos no Brasil por dois cidadãos eivados de graves suspeitas), os interesses e privilégios da classe dominante.

 

Mas está aí mais uma prova da atualidade das concepções de Gramsci, na sequência das conclusões de Marx, quanto à necessidade de os partidos revolucionários compreenderem que o caminho da construção do socialismo se inicia nos limites históricos do próprio capitalismo.

 

É na competente disputa de suas contradições, através da construção de alianças amplas e eficazes, e mesmo nos limites das instituições republicanas, que a vitória popular pode se concretizar.

 

Vai depender, é claro, da rapidez com que sujeitos transformadores sejam capazes de, pelo controle do subjetivo, assumirem a responsabilidade de darem consequência às condições objetivas que se apresentarem, sem deixar o cavalo da história se afastar por incompetência ou falta de coragem.

 

Rapidez que se impõe até para que a autodestrutividade inerente ao regime não se sobreponha, inclusive, à própria barbárie que ele inevitavelmente produzirá.

 

Milton Temer, ex-deputado federal (PT-RJ), é jornalista.

Comentários   

0 #2 Exemplos socialistasmarcos l 06-04-2015 16:00
Mobilização contra esses descalabros sim, mas também precisamos de divulgação de exemplos socialistas que deram certo. Estatizações e autogestões de empresas e cooperativas que deram certo.
Citar
0 #1 EMPRESAS CORRUPTASFelipe Luiz Gomes e 31-03-2015 14:43
CONCORDO !NO MODO DE PRODUÇÃO E DESTRUIÇÃO CAPITALISSTA AS LEIS EXISTEM PARA SEREM BURLADAS, ISTO É SABIDO. O LIVRE MERCADO TUDO PODE E O ESTADO ESTÁ APRISIONADO PELOS INTERESSES ECONÔMICOS DA BURGUESIA. A AUDITORIA CIDADÃ DA DÍVIDA PÚBLICA NÃO SERÁ FEITA SEM MUITO PRESSÃO POPULAR.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados