topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

O que você talvez não saiba Imprimir E-mail
Escrito por Paulo Metri   
Sexta, 27 de Março de 2015
Recomendar

 

 

Busco trazer uma réstia de luz sobre o desenrolar sombrio dos acontecimentos recentes do Brasil. Chegou às minhas mãos, por acaso, a versão mais atual do manual para formação de agentes do órgão de inteligência do país “que vocês sabem qual é”. Este manual, muito bem-vindo, não deveria, em hipótese alguma, ter saído do escritório central da instituição.

 

Vou direto ao capítulo sobre o Brasil. No preâmbulo, dizem que, apesar de o país ter vivido durante 21 anos em um regime de opressão, não existem grupos políticos com práticas violentas atuando no país. Lembram que há banditismo, mas sem conotação política. Continuam: “Grosso modo, a burguesia brasileira se coloca à inteira disposição para ajudar o ‘nosso’ projeto. A maioria está longe de ter algum rompante nacionalista. Não pretende se aliar à classe operária para construir uma sociedade com firme propósito de desenvolvimento. Só querem receber alguma compensação financeira de ‘nossa’ parte. A classe, sobre a qual devemos concentrar ‘nossas’ ações, é a classe média. Ela é totalmente desinformada, alienada, graças à competente influência da mídia convencional, com grande participação da televisão”.

 

A melhor conscientização que este documento acarreta é na seção sobre o papel da mídia no Brasil. Exatamente sobre a televisão, diz que: “há grupos no Brasil que são ‘nossos’. Recomendamos que ela se dedique bastante ao entretenimento, com forte participação de ‘nossos’ filmes e seriados para que ‘nossos’ valores e ilusões se tornem universais, o que facilita o processo de dominação. As produções exportadas nunca contêm análises de dramas sociais, nem propostas fora do capitalismo. Também produções locais podem ser absorvidas, se for isto que a população quer, pois o importante é que sejam atingidos altos índices de audiência do entretenimento. Por displicência, o cidadão comum deixa a televisão ligada no mesmo canal do entretenimento para assistir às notícias. É, exatamente neste instante, que o cidadão é fisgado para as versões dos fatos que queremos divulgar. Os fatos, como realmente ocorrem, só esporadicamente coincidem com o que é divulgado. A televisão é difusora de um mundo de ficção. Assim, pode-se criar a realidade virtual que melhor atende aos ‘nossos’ interesses políticos e econômicos. As agências de notícias internacionais são ‘nossas’ e as notícias externas já chegam filtradas. Chamamos isto, com escárnio, de ‘liberdade de imprensa’”.

 

Sobre a política, continua dizendo: “Foi criado um pensamento ideológico de sustentação da dominação, o neoliberalismo, e ‘nossas’ agências internacionais de controle, o FMI e o Banco Mundial, o aplicam. Além disso, ‘nossas’ agências classificadoras de risco empurram os países recalcitrantes para o caminho da obediência. ‘Nossos’ políticos dentro dos países dominados devem atuar conforme previamente combinado com eles, com alguma flexibilidade para absorver as suas especificidades, mas estes não devem se lançar em total discordância ao combinado. ‘Nossa’ compensação aos políticos é a facilitação das suas eleições. Pagaremos marqueteiros, cabos eleitorais ‘donos de votos’, militância assalariada e o que mais for preciso para eles serem eleitos. A mídia irá ajudar, nos noticiários, a quem está neste grande teatro em que a sociedade representa o ator completamente perdido no meio do palco. Os eleitos serão os executores locais da ‘nossa’ dominação, que resultará em muitos recursos naturais, lucros, juros e dividendos sendo remetidos do país dominado para os donos de capital em nosso país”.

 

Às vezes, políticos não cooptados chegam ao mais alto cargo do poder executivo, em um regime presidencialista, e nos trazem muita dor-de-cabeça, pois demoram a ser corrompidos ou derrubados. À medida que eles não querem ser ‘nossos’, só resta serem expulsos. Para atingir tal objetivo, qualquer iniciativa é válida, inclusive as desprovidas de ética. O objetivo último é garantir a continuidade do fluxo de riquezas em direção ao norte. Quem prejudicar este objetivo é ‘nosso’ inimigo. Tudo deve ser feito para expurgá-lo. Com o povo pouco politizado, fica mais fácil conseguirmos. Conseguimos contra Getúlio Vargas e João Goulart”.


Mentiras, calunias e difamações devem ser feitas sem pena e sem dó. Precisam ser bastante replicadas, através dos nossos blogueiros, twitteros e articulistas como ‘informações de cocheira’. Coberturas pesadas devem aparecer nos noticiários da TV. Filósofos, economistas, professores, sociólogos e outros profissionais adeptos da ‘nossa’ causa devem corroborar a ficção lançada, de forma que, para a grande massa, seja algo bem real. A ficção deve mexer, principalmente, com os temores da classe média. Por exemplo, no passado, consistia em dizer que a pessoa a ser enxovalhada era comunista comedora de criancinha. Hoje, se espalha que o mandatário vai meter a mão nos depósitos da poupança, seja isto possível ou não”.


A maioria do Congresso brasileiro é ‘nossa’ e, em grande parte, graças aos ‘nossos’ esforços durante as eleições. Podemos criar enormes dificuldades para a presidente governar, via Congresso, se ela não seguir ‘nossas’ determinações, como a abertura do Pré-Sal para ‘nossas’ empresas. Só que esta chantagem não pode ser muito escancarada para a opinião pública não ficar contra o Congresso. Alguns juízes e membros da Polícia Federal têm que atender a ‘nossos’ interesses. Corromper totalmente as duas classes é impossível e também desnecessário. Basta uns poucos ‘nossos’ terem a cobertura correta de políticos e da mídia e eles cuidarão das ‘nossas’ causas. Com esta estrutura, frequentemente, montamos ‘realidades’ cheias de ficção que a população entende como verdade absoluta”.


“Alguns eventos ocorridos no Brasil recentemente são aqui citados para servirem ao propósito didático deste manual. Alguns funcionários de uma estatal, com a conivência de empresas contratadas por ela, roubaram a estatal através de superfaturamentos, o que permitiu quantias substanciais irem para muitos políticos de alguns partidos e em diversas épocas. Conseguimos transformar esta realidade em uma acusação a basicamente um único partido. E mais, em uma acusação à totalidade dos membros deste partido, como se todos tivessem se locupletado”.


”Outro exemplo de virtualidade transformada em realidade foi a cobertura de TV, que inicialmente mais parecia uma convocação ou convite para uma manifestação com inúmeros motes. A TV mostrava, desde cedo, manifestantes na rua com um ângulo de captação da imagem bem fechado, não se podendo saber quantas pessoas participavam. Os blogueiros e twitteros remunerados mencionavam com antecedência, que o protesto seria contra a corrupção, os políticos em geral, a favor do retorno dos militares ao poder, a ética na política, contra os médicos cubanos, a catraca nos ônibus, o governo atual e, por aí, vai. Entretanto, resumidamente, o âncora do jornal noticioso das 20 horas declarou: ‘Na manifestação de hoje a favor do impeachment da presidente, estiveram presentes um milhão de pessoas’. Aliás, um milhão este que um jornal local dissidente disse que eram 210.000 pessoas”.


Assim, as sociedades não decidem nada em muitos países. Elas são levadas para a decisão que nós as induzimos a tomar. Isto é a ‘democracia de poucos’, recomendada por Edward Bernays. Na dominação através dos militares, que nós também patrocinamos, a sociedade sofria dos percalços sabidos e, em compensação, ela conhecia exatamente quais eram e onde estavam os opressores. Hoje, o opressor se esconde em reuniões de pauta dos noticiários, em gabinetes de políticos e de poderosos. No Brasil, neste momento, com argumentos do tipo ‘a Petrobras está endividada até o pescoço’, que é uma mentira deslavada, nós queremos retirá-la das atividades petrolíferas extremamente rentáveis e, se possível, comprá-la a preço de banana, em um processo de privatização”.


Usei uma arma poderosa para me comunicar, que consistiu de contar uma ficção que se encaixa como uma luva em todos os acontecimentos. Sem a certeza apoteótica com que Deus – eu imagino – proferiu a expressão “fiat lux”, ao terminar este artigo, usando um expediente inusitado, pergunto com dúvidas: “fez-se alguma luz?

Leia também:

Tratado sobre roubos

 

 

Paulo Metri é conselheiro do Clube de Engenharia e colunista do Correio da Cidadania.

Blog do autor: http://paulometri.blogspot.com.br/

Recomendar
Última atualização em Sexta, 27 de Março de 2015
 

Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates