topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Rejeição mundial à agressão dos Estados Unidos contra a Venezuela Imprimir E-mail
Escrito por Salim Lamrani   
Quarta, 25 de Março de 2015
Recomendar

 

 

Em 9 de março de 2015, Barack Obama assinou uma ordem executiva e decretou “estado de emergência” nos Estados Unidos devido à “ameaça inusitada e extraordinária” que representaria a Venezuela para a segurança nacional de seu país. Esta decisão, hostil com outra nação soberana, é sumariamente grave e foi acompanhada de novas sanções contra vários funcionários do governo da república latino-americana (1).

 

Para justificar semelhante medida, a Casa Branca evoca “a intimidação dos opositores políticos” na Venezuela, exige o “respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais” e ainda pede “a libertação de todos os presos políticos, incluindo dezenas de estudantes, o líder da oposição Leopoldo López, assim como os prefeitos Daniel Ceballos e Antonio Ledezma”... Mas não evoca nenhuma ameaça concreta aos Estados Unidos (2).

 

Washington não alude a nenhuma ameaça precisa contra sua segurança nem a eventuais armas estratégicas de um país – que não possui tais armas – que se encontra a milhares de quilômetros da sua costa e que jamais em sua história esteve em guerra contra os Estados Unidos e nem sequer agrediu qualquer outra nação. O governo estadunidense tampouco menciona ameaças em potencial.

 

Ao contrário, o presidente venezuelano Nicolás Maduro, democraticamente eleito em 2013 em processo eleitoral reconhecido por sua transparência por todos os organismos internacionais, desde a Organização dos Estados Americanos até a União Europeia, sempre declarou sua vontade de estabelecer relações pacíficas e de igual para igual com o vizinho do norte.

 

Para justificar sua decisão, Obama apenas fez referência a feitos que concernem à situação interna da Venezuela e que são de competência única e exclusiva do povo bolivariano, dando elementos que podem provar sua ingerência – contrária ao direito internacional – nos assuntos internos de uma nação soberana. (3)

 

Esta nova medida marca um recrudescimento da hostilidade dos Estados Unidos à democracia venezuelana. Com efeito, desde a chegada de Hugo Chávez ao poder em 1999 e o advento da Revolução Bolivariana, Washington não deixou de desestabilizar a Venezuela. Em 11 de abril de 2002, a administração Bush orquestrou um golpe de Estado contra o presidente Chávez e rompeu a ordem institucional. A intervenção massiva do povo conseguiu pôr um ponto final à ditadura militar mais curta da história da América Latina (48 horas).

 

Em dezembro do mesmo ano, Washington apoiou a sabotagem petroleira que custou mais de 10 bilhões à economia venezuelana. Desde então, os Estados Unidos não deixaram de apoiar a oposição antidemocrática e golpista, que não hesitou em usar a violência, como demonstrou a onda mortífera que golpeou o país em fevereiro de 2014, para conseguir pela força aquilo que foi incapaz de obter nas urnas. Vale lembrar que desde 1998 a direita venezuelana perdeu 19 dos 20 processos eleitorais – reconhecidos como transparentes por todas as instâncias internacionais – que foram levados a cabo sob a Revolução Bolivariana.

 

Caracas denunciou imediatamente uma tentativa de golpe de Estado contra seu governo. O anúncio de Washington ocorreu umas semanas depois de que a Venezuela revelou a existência de uma conspiração planejada pela oposição para derrocar a ordem institucional, que levou para a cadeia o prefeito de Caracas Antonio Ledezma e vários membros das forças armadas, entre outros (4).

 

Nicolás Maduro declarou que Barack Obama havia “decidido passar pessoalmente a cumprir a tarefa de derrotar o (seu) governo, intervir na Venezuela e controlá-la através do poder estadunidense (5)”. Trata-se da “maior ameaça em andamento contra a nação,” acrescentou, lembrando que “ninguém pode acreditar que a Venezuela seja uma ameaça contra os Estados Unidos(6)”. O objetivo é evidente, segundo Maduro: com as primeiras reservas de hidrocarbonetos do mundo, a Venezuela é uma prioridade estratégica para os Estados Unidos, que querem controlar seus recursos.

 

As medidas que os Estados Unidos tomaram contra a Venezuela suscitaram a rejeição unânime da comunidade internacional, incluindo seus mais fiéis aliados. A União Europeia declarou que estava fora de questão alinhar-se à política de Washington e que “não estava considerando” impor “medidas restritivas” contra Caracas. “A UE não tem nada a decidir” sobre a Venezuela, enfatizou José Manuel Garcia Margallo, chanceler espanhol (7).

 

Notas:

 

1-                Antonio María Delgado, «Obama aplica sanções e declara emergência nacional por ameaça da Venezuela», El Nuevo Herald, 10 de março de 2015.

 

2-                The White House, “Statement by the Press Secretary on Venezuela”, 9 de março de 2015. https://www.whitehouse.gov/the-press-office/2015/03/09/statement-press-secretary-venezuela (página consultada dia 13 de março de 2015).

 

3-                Ultimas Noticias, «Maduro: Le tiendo la mano al gobierno de EEUU”, 13 de marzo de 2015.

 

4-                Ignacio Ramonet, “La tentative du coup d’Etat contre le Venezuela”, Medelu, 10 de marzo de 2015.

 

5-                Fabiola Sánchez, “Maduro: EEUU asumió la tarea de derrocar a mi gobierno”, The Associated Press, 10 de marzo de 2015.

 

6-                Agencia Venezolana de Noticias, “Presidente llama a la unidad para vencer la amenaza más grave en la historia de Venezuela”, 11 de marzo de 2015.

 

7-                Agence France Presse, «La Unión Europea ‘no está considerando’ sanciones contra Venezuela», 10 de marzo de 2015.

 

 

Salim Lamrani é doutor em Estudos Ibéricos e Latino-americanos da Universidade Paris Sorbonne – Paris IV, professor titular da Universidad de la Reunión e jornalista.

Contato do autor: lamranisalim(0)yahoo.fr">lamranisalim(0)yahoo.fr, Salim.Lamrani(0)univ-reunion.fr">Salim.Lamrani(0)univ-reunion.fr

Traduzido por Raphael Sanz, do Correio da Cidadania.

Originalmente publicado no Al Mayadeen:

Recomendar
Última atualização em Sexta, 27 de Março de 2015
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates