Delatores não são heróis

 

 

Delatores não são heróis e nem profetas. Delator é parte do grupo e do esquema que ele mesmo denuncia.

 

Assim também são os 15 delatores do caso Petrobras. Eles eram corruptos ou corruptores do esquema. Alguns, inclusive, vêm desde o governo FHC, passando pelo governo Lula e entrando no governo Dilma. Então, para salvar o próprio pescoço, entregam seus antigos comparsas para as malhas da polícia ou da justiça.

 

Agora se diz que vão pagar cinco milhões, vão cumprir prisão em suas casas. Quem pode pagar essa quantia não vive de salário. Portanto, palavra de delator só tem alguma confiabilidade se materialmente comprovada.

 

Parece que o mundo da especulação financeira e da corrupção é um útero de delatores. Quem já viu o filme “O Lobo de Wall Street” sabe que, quando o esquema de lavagem de dinheiro foi descoberto, “velhos amigos” não tiveram nenhuma piedade de entregar seus comparsas para salvar a própria pele.

 

Portanto, delator não é um herói. O herói é capaz de denunciar também seu próprio grupo, mas para o bem maior do povo o qual defende, não para salvar a própria pele.

 

Também não é um profeta, que denuncia também seu próprio grupo – ou autoridades, ou o próprio povo, como no caso dos profetas bíblicos -, mas para salvar a causa maior da justiça. Os profetas pagavam na própria pele o preço de suas denúncias, tantas vezes presos, tantas vezes assassinados por aqueles que eles denunciavam.

 

Todo ser humano pode mudar para melhor, também os delatores. Mas, não parece ser  o caso na Lava Jato.

 

O povo brasileiro há muito está cansado da corrupção. É preciso relembrar sempre que a KPMG calcula uma sangria de 160 bilhões de reais por ano no Brasil em função da corrupção. Mas aí entra a sonegação, superfaturamento de obras, o “dízimo” dos contratos, daí pra fora Portanto, o caso Petrobras é parte ínfima do grande ralo.

 

Alguns especialistas nos dizem que, sem mudar a Lei de Licitações e a de Falências, jamais vamos diminuir as brechas legais da corrupção.

 

Países da Europa, como Alemanha e França, arraigadamente capitalistas, controlam o uso do dinheiro público de forma rigorosa através das instituições, não de delatores.

 

Convenhamos, “delação premiada” é uma honra ao mérito do crime organizado. Triste do país que tem instituições frágeis e precisa de delatores para expurgar as imundícies de suas entranhas.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais. Atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados