topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Crônica de uma assembleia no estádio Imprimir E-mail
Escrito por Bernardo Pilotto   
Sexta, 06 de Março de 2015
Recomendar

 

 

Para quem já leu alguma coisa sobre nossa história contemporânea ou sobre a história das lutas sindicais em nosso país, certamente são marcantes as cenas das assembleias realizadas pelos metalúrgicos do ABC Paulista, no final dos anos 1970, que foram capazes de lotar o estádio da Vila Euclides em São Bernardo do Campo. Para quem nasceu depois dessa época, as assembleias de trabalhadores capazes de lotar um estádio pareciam destinadas aos livros e filmes.

 

Pareciam… Nesta quarta-feira, 04 de março, cerca de 20.000 professores e funcionários de escola do Paraná se reuniram no estádio Durival de Britto e Silva, a Vila Capanema, em Curitiba. A votação foi quase unânime pela manutenção da greve, que desde o dia 09 de fevereiro vem sacudindo o Paraná e o Brasil.

 

Tinha arquibancada lotada, venda de espetinho e isopor de refrigerante. O clima era de decisão. Mas não era futebol. O que acontecia ali era a Assembleia Estadual da APP-Sindicato!

 

Mas o simbolismo do momento não se deu apenas pela lembrança das assembleias que fizeram nascer uma nova forma de sindicalismo no Brasil e que foram fundamentais para a derrocada da ditadura civil-militar de 1964. A Vila Capanema também tem as suas histórias: o Paraná Clube, time que hoje usa o estádio, foi formado pela fusão do Pinheiros e do Colorado, que por sua vez tinha sido a fusão do Britânia, do Palestra Itália e do Ferroviário.

 

Pois bem, o Clube Atlético Ferroviário, fundado em 1930, foi o time formado pelos trabalhadores da Rede Ferroviária Federal, que tinha sua sede, no Paraná, ao lado de onde está construído o Vila Capanema (inaugurada em 1947). Era um time humilde, de trabalhadores, que conseguiu ser campeão paranaense por 8 vezes.

 

Também é nesta região da cidade que se formou a primeira escola de samba do estado, a Colorado. Comandados por Maé da Cuíca, os bambas da Vila Tassi (local que ficava na região do estádio e que foi destruída pela especulação imobiliária) fizeram história na cidade e foram um símbolo de resistência cultural. Muitos trabalhadores e torcedores do Ferroviário eram também membros da Colorado.

 

E é essa força de resistência, dos trabalhadores das assembleias da Vila Euclides e dos ferroviários e bambas da Vila Capanema e da Vila Tassi, que parece estar presente na greve dos educadores do Paraná desde o seu início. Foi assim que eles derrotaram uma “base parlamentar aliada invencível”, ocupando a Assembleia Legislativa por 2 vezes. É essa força que os faz enfrentar atualmente a decisão da (in)justiça que decretou a greve ilegal.

 

Com a manutenção de quase 100% das escolas paradas, o governo estadual começa a sinalizar que vai reabrir a mesa de negociação. Muitas coisas estão pendentes, como o pagamento de progressões e promoções que estão atrasadas, em muitos casos há mais de 1 ano. E, além das escolas, também permanecem paralisadas as 7 universidades estaduais (UEM, UEM, UEPG, Unespar, UENP, Unioeste e Unicentro) e o Detran. Até o momento, apenas a greve dos servidores da Defensoria Pública foi encerrada, neste caso com vitória para os trabalhadores.

 

Parece-nos que a força das greves paranaenses tem contagiado os trabalhadores de outros estados brasileiros. Porque a dificuldade que vivemos por aqui, com atrasos de salário, calotes do governo e ameaças de retirada de direitos, é uma realidade nacional.

 

Também nos fica evidente que a greve “extrapolou” suas pautas. Além das reivindicações mais específicas da educação, os trabalhadores conseguiram derrotar o método da “comissão geral” na Assembleia Legislativa, o popular tratoraço. Esse método permitia que um projeto fosse votado de um dia para o outro, sem passar pelas comissões e pelo rito normal de tramitação. Depois dos protestos, o tratoraço foi retirado do regimento da ALEP, por unanimidade. Outra pauta que também entrou em cena é a democratização das comunicações, fruto especialmente do fato de que o SBT local (a Rede Massa) tem como dono o apresentador Ratinho, pai de Ratinho Jr., deputado estadual licenciado e Secretário Estadual de Desenvolvimento Urbano.

 

O dia 04 de março foi histórico. Pra quem estava acostumado a ir a jogos de futebol em Curitiba ver o seu time tomar goleadas (sim, o Flamengo tem muito azar por aqui), a assembleia de hoje certamente vai trazer um novo significado sobre o que é sair vitorioso de um estádio de futebol.

 

Leia Também:

Paraná: uma vitória que é apenas o começo

 

 

Bernardo Pilotto, sociólogo e técnico-administrativo da UFPR, foi candidato a governador do Paraná em 2014 pelo PSOL.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 11 de Março de 2015
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates