topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Torcida e criminalização do povo Imprimir E-mail
Escrito por Givanildo Manoel   
Qui, 26 de Fevereiro de 2015
Recomendar

 

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento. Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem”. Bertolt Brecht.

 

Não posso me reivindicar um especialista sobre o tema, mas a minha vontade de palpitar em questões sobre futebol, sem ter de me preocupar com a história, as táticas ou estatísticas, e tampouco em conhecer os jogadores dos times (inclusive do meu – o Corinthians) – me faz retornar a escrever apenas como alguém que gosta deste esporte, do bom futebol, claro!

 

Digo do “bom futebol” pois há coisa que nem com toda passividade do mundo é possível achar bonito ou não ter nenhuma autocrítica, como foi o caso do 7x1 que a seleção brasileira sofreu da Alemanha na Copa de 2014.

 

Sei que o desastre daquele 8 de julho, no estádio do Mineirão, marcou em definitivo a história do futebol brasileiro, assim como os 2x1 sofridos do Uruguai na Copa de 1950, no Maracanã, que, até hoje, mesmo sem muitos de nós o termos vivido, lembramos dolorosamente. Imaginem o sofrimento que as futuras gerações, que nem saberão quem eram os jogadores da atualidade, ou mesmo o que acontecia no Brasil e o quanto custou a Copa de 2014, sofrerão ao lembrar dessa histórica goleada.

 

Tamanha goleada não aconteceu naqueles 90 minutos. A derrota do Brasil já vinha e vem acontecendo há muito tempo: desde os calendários mal organizados, a evasão de recursos de vendas de jogadores, as eternas dívidas previdenciárias dos clubes, o processo crescente de mercantilização do futebol e o estímulo à violência por parte dos clubes e das “autoridades”.

 

É necessário afirmarmos que não é possível naturalizar a violência nos campos e jogar sobre a torcida a responsabilidade de algo que teve início exatamente com a ação dos times, ocorrido desde 1950, quando depois da inauguração do Maracanã foi dado o direito ao campeão do ano anterior – Vasco – de escolher o lado da sua torcida. Isso passou a ser quase uma regra, ainda que sem o rigor de hoje, havendo, na época, espaços comuns para os amigos e amigas de times rivais que desejassem assistir a um jogo juntos.

 

Quero acreditar que essa ação era uma tática dos clubes, uma tática de pressão contra o time adversário, pois no primeiro tempo a sua torcida o incentivava na busca do gol e no segundo tempo pressionava o adversário atrás do gol. Ou mudava de lado para continuar vendo os ataques do seu time, dado que não havia toda a setorização dos estádios de hoje.

 

Essa ação “ingênua”, ao longo do tempo, desencadeou um processo de rivalidade, com o qual os clubes e as “autoridades” pouco se importaram, nem ao menos reviram sua decisão equivocada de separar as torcidas, impedindo que pessoas queridas frequentassem juntas os estádios. Esta separação gerou uma escalada de violência e ódio. E na década de 90 a separação total entre torcidas aconteceu, expulsando ainda mais torcedores dos estádios.

 

Agora, diante da mais recente escalada da violência em torno do futebol, novamente segue-se o caminho mais “fácil”: criminalizar a torcida. Uma ação política, cujo objetivo concreto é afastar os pobres dos estádios, assunto do qual tratarei em outro artigo. Este caminho “fácil”, aparentemente, resolverá os problemas da violência, mas é uma tentativa clara de dizer que é um momento diferenciado, apartado da sociedade naquele momento em que 22 homens perseguem a redonda para consagrá-la entre as redes.

 

O Estado e clubes se negam, fecham os olhos para o fato de o Brasil matar 57 mil pessoas por ano (Mapa da Violência 2013), em sua maioria jovens, provavelmente muitos torcedores. Isso nos coloca na condição de matar mais do que 12 países em guerra no mundo. Logo, circunscrever a violência que ocorre no país aos estádios é negar a tragédia que acontece diariamente nos bairros do Brasil, em que o Estado só encontra resposta à violência com mais violência. E demonstra sua ineficiência, pois, ano a ano, o quadro só piora.

 

É fácil atribuir a culpa de tudo àqueles que têm no futebol uma das suas únicas possibilidades de espaço e lazer frente a uma sociedade que massacra e oprime diariamente, desde o momento que acordamos, ao pegarmos o ônibus, até as longas e precarizadas jornadas de trabalho.

 

Não se faz uma profunda reflexão sobre o processo sócio-histórico e nem mesmo buscam-se soluções que alterem a cultura da violência construída, propondo ações que levem a outro tipo de sociabilidade nos estádios. Evidentemente, essa disputa pela ampliação da criminalização cumprirá o papel que atende aos interesses de um pequeno grupo, que quer ver afastados dos estádios-shoppings aqueles que sempre foram jogados à margem da sociedade, em sua maioria negros, indígenas e deserdados de toda sorte.

 

Leia também:

Futebol: a polêmica dos ingressos

Após a bonança, a tempestade

Um futebol sem torcedores

 

Givanildo M. da Silva, o Giva, é membro do Tribunal Popular, Comitê pela Desmilitarização da Policia e da Política, Terra Livre e Amparar.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates