topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Estados Unidos e Brasil – a infecunda reunião do G-20 de 2009 Imprimir E-mail
Escrito por Virgílio Arraes   
Sexta, 20 de Fevereiro de 2015
Recomendar

 

 

A última crise econômica, a despeito dos deletérios efeitos em vigor, não suscita entre as grandes potências a vontade de reformar de fato as instituições globais. Nem mesmo no alvorecer da quebra, houve manifestação favorável à modificação do sistema, com o objetivo de fixar maior regulamentação financeira e dificultar novos contratempos.

 

Em abril de 2009, o G-20 reuniu-se em Londres, uma das praças negociosas mais tradicionais da Europa. A importância do grupo decorria do fato de agregar cerca de 4/5 do produto interno bruto planetário. Sem indicações à vista de alterações profundas, a meta imediata do grupo era a de ampliar a quantia com a qual o Fundo Monetário Internacional (FMI) pudesse emprestar aos países mais abatidos.

 

De início, seria aumentar o estoque de cerca de 250 bilhões de dólares da organização até quatro vezes, desde que voltado de maneira prioritária ao auxílio aos ‘emergentes’, floreio verbal para os territórios subdesenvolvidos.

 

O Brasil aprovou a medida, mesmo sem figurar entre os principais contribuintes, como Japão ou União Europeia – os próprios Estados Unidos e China não comunicaram o quanto forneceriam.

 

Detentor de menos de dois por cento e meio das cotas, o Planalto ofereceu-se para emprestar recursos ao FMI, ao propor investir nos títulos da instituição, não obstante ser um dos menos robustos membros do G-20, ao lado da Indonésia, Índia e África do Sul. Na América Latina, o México seria um dos primeiros candidatos à nova ajuda.

 

Mais uma vez, quando do despontar da crise, os bancos foram alvo da preocupação maior dos governos – impedi-los de falir, malgrado a retórica neoliberal da auto-sustentação perene, a fim de que não houvesse o chamado efeito dominó internamente, sem se importar muito quanto aos custos sociais e à contrapartida adequada do setor privado.

 

Por exemplo, não se evocou naquela cimeira a necessidade de se debater a continuidade dos paraísos fiscais, mas apenas a de puni-los de forma eventual; de se aperfeiçoarem os mecanismos conjuntos de fiscalização, algo aspirado pela França, ou de se fiscalizarem as agências de avaliação de risco, apesar de o anfitrião do encontro, o primeiro-ministro Gordon Brown, ter afirmado que era o fim do chamado ‘consenso de Washington’.

 

Ao cabo, em função daquele momento bastante conturbado, nenhum governo, nem entre os do 3º Mundo, ousou discordar da inexistência de ações mais ousadas para conter os desdobramentos negativos da quebra. A falta de medidas incisivas ocorreria devido à justificativa de autorização dos parlamentos nacionais, para a qual não houve tempo de consulta.

 

Embora o Brasil aguardasse maior apoio financeiro direto aos países em desenvolvimento, ele concordou com a concentração dos recursos no Fundo Monetário, o que ia ao encontro das aspirações dos Estados Unidos, principal cotista da organização.

 

Marcante na cúpula londrina no relacionamento amero-brasileiro, ainda que sem desenrolamento prático e com caráter quiçá folclórico, foi a manifestação de modo aparentemente espontânea do presidente Barack Obama sobre Lula: É este o cara! - http://www.huffingtonpost.com/2009/04/02/obama-lula-is-most-popula_n_182433.html. O dirigente brasileiro logo retribuiria os elogios ao seu correspondente norte-americano.

 

Duas semanas depois, ocorreria a Cúpula das Américas, em Trinidad e Tobago, momento em que o Brasil esforçar-se-ia em servir de mediador político entre Caracas e Washington, mesmo com a atenção deste centrada em Havana, em face da antiguidade do contencioso ideológico e da importância eleitoral perante um dos seus estados mais importantes, a Flórida.

 

Leia Também:

Estados Unidos: a frustrada viagem de Lula

 

Virgílio Arraes é doutor em História das Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e professor colaborador do Instituto de Relações Internacionais da mesma instituição. http://bit.ly/1AMf0qg

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates