topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Água Imprimir E-mail
Escrito por Otto Filgueiras   
Sexta, 20 de Fevereiro de 2015
Recomendar

 

 

Os tucanos e o governador Geraldo Alckmin são dissimulados, mas responsáveis pela falta de água em São Paulo.

 

Durante a eleição, o Picolé de chuchu escondeu o problema para ser eleito ainda no primeiro turno.

 

É a mais grave crise hídrica que a população de São Paulo enfrenta e a vida das pessoas, principalmente as dos bairros pobres, está virando um caos.

 

O governador tucano é responsável em São Paulo pela precariedade dos serviços públicos, como saneamento, transporte, saúde e educação. Criminoso pela forma como a sua Polícia Militar reprime com truculência as manifestações populares, matando pobres e negros da periferia.

 

Embora não tenha responsabilidade com a falta d’água em São Paulo, o governo social liberal de Dilma Rousseff, de petistas e aliados da direita, é responsável pelo caos no Brasil, pela exploração capitalista de novo tipo, particularmente porque a crise econômica internacional está chegando ao Brasil.

 

Mas não só. Tem muito gente que não entende que a falta d’água, os problemas da precariedade dos serviços de transporte, da saúde, educação, da agressão às mulheres, a homofobia e a matança de pobres negros nas periferias vão continuar e que não basta somente o discurso ético e democrático, por uma sociedade idealista nas cabeças dos que protestam pela avenida Paulista, como se fossem garças desfilando em passarelas da fama.

 

Também de pouco adianta se auto-intitular comunista, mas se sentir cansado na primeira refrega e se apresentar com cartões de visita, nos quais está escrito que, além de membro de Comitê Central de Partido Comunista, é doutor. Na nossa Bahia, trabalhadoras e trabalhadores dizem que “doutor” é pinico. Para onde vai a merda e outros dejetos humanos.

 

Ou entendemos que a luta de classes comanda a vida das pessoas, incluindo a de casais, pais e filhos, ou teremos de deixar de lado a bandeira da luta pelo socialismo, contra a exploração cada vez mais perversa do capitalismo.

 

Nunca teremos os direitos das mulheres, e outros mais, respeitados sem muita luta e sacrifício.

 

Só mesmo o PT chapa branca acredita que os facínoras torturadores de ontem capitularão apenas com o discurso de que as atrocidades que cometeram não respeitaram os direitos humanos.

 

Para não pedir água, precisamos de política revolucionária e dar exemplo de integridade revolucionária ao povo trabalhador. Foi assim no passado e será assim nos dias atuais. Estão aí os casos de Marx, Engels, Lenine, Trotsky, Rosa Luxemburgo, Mao Tse Tung, Jair Ferreira de Sá, Honestino Guimarães, Paulo Stuart Wright e tantos outros comunistas que dedicaram suas vidas à causa socialista.

 

Leia Também:

Crise hídrica de São Paulo passa pelo agronegócio, desperdício e privatização da água

 

 

Otto Filgueiras é jornalista e está lançando o livro Revolucionários sem rosto: uma história da Ação Popular.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 25 de Fevereiro de 2015
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates