O Syriza está falando sério

0
0
0
s2sdefault

 

 

Depois da vitória eleitoral de domingo, o Syriza ficou obrigado a negociar um acordo de governo para viabilizar a sua política, naquilo que ela tem de mais central: a restruturação da dívida. Sem uma restruturação da dívida que imponha perdas substanciais aos credores, incluindo os credores institucionais que detêm, de longe, a maior fatia da dívida grega, qualquer discurso sobre o fim da austeridade é conversa.

 

Nesse sentido, temos já duas boas notícias: o acordo de governo com o Anel e a nomeação de Yanis Varoufakis como ministro das Finanças. Sobre esta segunda notícia, a escolha parece-me incontroversa. Varoufakis tem sido um incansável e qualificado defensor da restruturação da dívida e o homem certo para conduzir o que será um processo dificílimo, do ponto de vista técnico e político.

 

Já a escolha do Anel como parceiro para um acordo de governo tem animado um debate esclarecedor entre a esquerda portuguesa. Não é surpreendente: este partido é conhecido por ter posições contra a imigração e os homossexuais que o colocam nas antípodas de um partido como o Syriza. A esse respeito, são relevantes duas notas: (1) a posição do Anel sobre imigração é semelhante à das grandes famílias europeias (PPE e socialistas) e, portanto, compará-lo à Frente Nacional (na França) ou à Aurora Dourada é um exagero que só pode ter propósitos propagandísticos (2).

 

O acordo Syriza-Anel incidirá sobre as questões econômicas e da dívida, deixando de fora qualquer compromisso sobre direitos individuais, área em que as posições são antagônicas e o Syriza tem parceiros bem mais frequentáveis. Era melhor que o Syriza tivesse tido maioria absoluta para dispensar más companhias? Era. Mas não teve.

 

Seria melhor o Syriza ter privilegiado outros parceiros? Quais, então? O Partido Comunista Grego aceitou se reunir com o Syriza, mas apressou-se em adiantar que não faria qualquer acordo de governo, em coerência, aliás, com o que já tinha feito na sequência das anteriores eleições. O Pasok defende o memorando e o “respeito pelos compromissos do Estado grego”. Os compromissos com os credores, bem entendido, porque com os cidadãos não há compromissos relevantes. O partido de Papandreou não entrou no Parlamento, tal como o Dimar, reduzido à total irrelevância.

 

Restaria o Potami, um partido de centro, euro-entusiasta, que se tornou a esperança de vários comentadores para “moderar” o Syriza na sua relação com as instituições europeias. O Potami é um partido com o qual o Syriza tem pontos de convergência em muitas áreas e com o qual terá, com toda a probabilidade, muitas alianças pontuais. Tem um pequeno inconveniente: não é um aliado fiável para a condução de um processo de confronto com as instituições europeias sobre a questão da dívida. E esse confronto é decisivo.

 

Defender a restruturação da dívida não é achar que era uma ótima ideia se toda a gente se pusesse de acordo sobre o assunto: Merkel, Tsipras, Juncker, Draghi etc. Quem governar a Grécia tem de ter uma posição de força. Se essa posição depender de um acordo com quem andou destruindo a Grécia, então esse governo não estará negociando. Estará pedindo batatinhas. E terá o mesmo sucesso que tiveram os pedintes anteriores.

 

Ao contrário do Potami, o Anel mostrou-se disponível para esse confronto. O que resulta desse acordo é o que se poderia classificar como um governo de unidade patriótica. Esse governo, se honrar o seu compromisso, terá um apoio social esmagador. E precisa dele para enfrentar dificuldades tremendas. Não sabemos se o Anel se aguentará a bronca. Sabemos, sim, que se o Syriza se amarrasse a um parceiro cuja primeira preocupação é entender-se com as instituições europeias, seu governo do Syriza não duraria três meses. Nem um. Cairia na primeira chantagem, na primeira retaliação. E haverá muitas.

 

Estou naturalmente a excluir o cenário louco-furioso de rejeitar qualquer acordo de governo e provocar novas eleições, exigindo uma maioria absoluta. Semelhante disparate deixaria o Syriza politicamente isolado e ainda mais distante da maioria absoluta, ou mesmo da relativa.

 

Naturalmente, está quase tudo por fazer. As dificuldades que o Syriza enfrentou até agora são uma brincadeira, comparadas com o que agora os espera. Era bem mais fácil enfrentá-las com uma maioria absoluta. Os gregos não quiseram assim. Resta esperar que o Syriza consiga apoios sólidos no Parlamento. E saiba manter os apoios que possui na rua.

 

Jorge Gusmão é economista e dirigente do Bloco de Esquerda de Portugal.

Artigo publicado em Ladrões de Bicicletas

Comentários   

0 #1 Algumas perguntas intempestivasvander resende 29-01-2015 18:00
Algumas perguntas intempestivas sobre alguém que quer entender a Grécia atual. Um partido da esquerda radical, Syriza, conquista 149 cadeiras de 300 no parlamento grego, em janeiro de 2015.
Quais as possíveis consequências para a Comunidade Europeia, já que os líderes do Syriza, em alguns momentos, pregaram a saída da Grécia da zona do Euro?
O futuro governo irá reverter as políticas de austeridade (que de 2008 até 2014 acompanharam uma queda do PIB de $ 341 bilhões para $ 241 Bilhões, ou seja uma queda do PIB de mais de 30%)?
O líder do Syriza, nas últimas semanas, ao demonstrar disposição para não romper com a União Européia e com a Zona do Euro, não estaria dando os primeiros passos para seguir um caminho não de esquerda radical, mas social-democrata, com isso traindo eleitores que migraram para o Syriza devido à sua proposta de reforma radical e independência nacional?
O que se pode inferir de um dos primeiros atos do Syriza, pós vitória eleitora, ser se aliar a um partido da Direita Nacionalista?
...
Veja algumas outras questões intempestivas em https://www.facebook.com/vander.resende.9
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados