Relações Cuba e EUA: discurso do método

0
0
0
s2sdefault

 

 

 

Mais de 1.000 jornalistas estrangeiros se encontram em Havana. A maioria vinda dos EUA. Cobrem o início do diálogo entre delegações cubana e estadunidense para o restabelecimento de relações, após 53 anos de bloqueio decretado pela Casa Branca.

 

Obama admitiu, em dezembro de 2014, e repetiu agora no discurso sobre o Estado da União, que o embargo “não funcionou”. Graças à mediação do papa Francisco, se iniciaram neste 22 de janeiro as conversações oficiais entre ambos os países.

 

Falei com vários cubanos. O sentimento predominante aqui, como me disse em “off” um ex-ministro, é que tão cedo “não serão normais as relações normais entre os dois países”. Os dois falam linguagens distintas: os EUA em FM; Cuba em AM.

 

Desde que os EUA ajudaram Cuba a se independentizar da Espanha, no fim do século 19, a Casa Branca julga que a Ilha é como uma filha resgatada pela mãe. Um dos preços da independência foi a perda de soberania de Cuba sobre a base naval de Guantánamo, tema espinhoso que ainda não entrou na pauta das conversações.

 

O governo cubano considera hipocrisia restabelecer relações apenas formais, sem o cancelamento da “lei de ajuste cubano”, que prevê cidadania estadunidense a todo cubano refugiado que pisar em solo dos EUA.

 

Cuba sabe – e teme – que flexibilizar a lei de migração trará anualmente, no mínimo, 3 milhões de turistas dos EUA e milhões de dólares a uma economia debilitada. E, na bagagem, uma cultura consumista que se chocará com a austeridade em que vive o povo de Cuba.

 

Mesmo empresários conservadores do país do Norte pressionam o Congresso para que suspenda o bloqueio o quanto antes, enquanto países como o Brasil e tantos outros já se adiantaram com parceiros do potencial de comércio representado pela geopolítica de Cuba, situada no centro do Caribe.

 

Obama deixou claro em seu último discurso: não está em jogo modificar os objetivos que regem a política externa usamericana, que considera seu modelo de democracia ideal para o mundo. Ele admite, cartesianamente, uma “mudança de método”. Mas Cuba insiste em saber com que objetivos.

 

 

Frei Betto é escritor, autor de “O que a vida me ensinou” (Saraiva), entre outros livros.

Website: http://www.freibetto.org/

Twitter: @freibetto.


Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados