Bispo Edir Macedo: a canonização jornalística

 

 

O subtítulo do livro O bispo, de Douglas Tavolaro e Christina Lemos, é: A história revelada de Edir Macedo. Nada inocente trocadilho com a idéia de Revelação divina. Essas revelações biográficas são todas encaminhadas para um acerto de contas entre o biografado e a mídia/opinião pública. A própria capa (Edir entre as grades, lendo a Bíblia com total concentração) advoga a favor do líder (mártir) religioso mais amado e mais odiado no Brasil, conforme o livro-reportagem faz questão de insistir.

 

A Larousse do Brasil conseguiu o contrato da publicação (a incrível cifra de 700 mil exemplares nesta primeira edição), vencendo concorrentes do porte de uma Ediouro e de uma Planeta. A Editora Larousse é a mesma que acaba de lançar O empreendedor, do empresário Roberto Justus. Parece que Deus abençoou essa editora abundantemente...

 

Como obra reveladora, a biografia foi organizada a partir de entrevistas em que Macedo tem liberdade para contar e explicar. A “guerra santa” contra a Rede Globo ganha especial destaque. A concessão da Record deve-se à bênção divina, associada a um calvário que deixou cicatrizes. O episódio do chute na imagem de Nossa Senhora, percalço hoje totalmente superado. A prisão e os processos pertencem ao passado de um homem de fé inabalável. “Tudo é para o bem daquele que ama a Deus”, cita as Escrituras.

 

O livro faz parte das comemorações dos 30 anos da Igreja Universal. Fundada em 1977, ocupou espaços religiosos que, historicamente, pertenciam ao catolicismo. Só não foi mais longe porque surgiu um Pe. Marcelo Rossi e a reação católica se fez sentir: Rede Vida, Rede Canção Nova, TV Século 21.

 

Edir Macedo posiciona-se claramente contra a Igreja católica. Acusando-a de ser mera instituição política, e opressora. Edir Macedo defende o uso da camisinha (há distribuição de preservativos nos seus templos, particularmente na África), é a favor da vasectomia, do aborto, e contrário a que as famílias tenham filhos atualmente: “Se eu casasse hoje, jamais teria filhos. Inclusive aconselho os membros e os pastores a não terem filhos” (p. 230).

 

Segundo Edir Macedo, precisamos ter fé para “investir em Deus”. Deus concede prosperidade econômica a quem nEle confia. Este dogma está na base do sucesso material (e, portanto, espiritual...) de seus seguidores.

 

A biografia tem um objetivo claro: canonizar o biografado. Mostrar que o bispo Edir Macedo venceu.

 

 

Gabriel Perissé é Doutor em Educação pela USP e escritor.

Web Site: www.perisse.com.br

 

Para comentar este artigo, clique {ln:comente 'aqui}.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados