topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A Indiscutível Resistência da Revolução Cubana Imprimir E-mail
Escrito por Mário Maestri   
Segunda, 12 de Janeiro de 2015
Recomendar

 

 

Qualquer balanço da Revolução Cubana, mesmo quando inicia sua agonia final, registra seu indiscutível sucesso histórico.

 

Em 1959, augurava-se vida breve aos guerrilheiros vitoriosos sobre Fulgencio Batista, o preposto yankee em Cuba. Eles eram poucos e não sabiam muito o que fazer com a vitória.

 

Piada cubana conta que, ao baixar da Serra, Fidel reuniu seus próximos e, sobre uma cadeira, gritou: - Quem é professor! O primeiro a dizer sim foi nomeado ministro da Educação. Ao perguntar quem era economista, no fundo da sala, Guevara levantou o braço, obtendo a direção da economia. Mais tarde, quanto Fidel lembrou que ele era médico e não economista, surpreso, o argentino respondeu: - Entendi que perguntavas quem era comunista!

 

A brincadeira registrava a improvisação inicial e a enorme estranheza dos guerrilheiros ao marxismo, fora as exceções como o Che. Então, Fidel declarou não ser comunista. Para não dizer mais.

 

Porém, em 1960, Cuba proclamava-se socialista! Explica-se essa aceleração como devida aos imediatos ataque USA e a solidariedade da URSS, maravilhada pelos feitos dos jovens  barbudos a 120 km do gigante imperialista!

 

A Revolução Cubana tem sido narrada como epopeia de  guerrilheiros que, desde as alturas da Serra, multiplicaram-se até a vitória. Tal relato causou terríveis estragos na esquerda latino-americana, ao tentar repetir a receita  milagrosa.

 

Difundida pela direção do 26 de Julho, a ótica da Serra minimizou o tufão revolucionário que abalou Cuba, fragilizando a ditadura e alimentando os combatentes. O relato facilitou o eterno monopólio do poder pela equipe fidelista.

 

Porém, a revolução venceu devido à população e a opção socialista foi o modo de obter tudo que exigia trabalho, educação, saúde, moradia, dignidade. Em 1976, a Constituição cubana sancionava a indissolúvel união da revolução e do socialismo, banindo a propriedade privada dos meios de produção.

 

A agressão sem fim do gigante imperialista não foi gratuita. Com a revolução avançando no mundo, necessitava aplastar Cuba, para que os ventos caribenhos não sublevassem a América humilhada.

 

Não se constrói o socialismo em um país e menos ainda em  ilha de escassos recursos naturais e população, ao pé do ogro capitalista. Cuba sobreviveu inserida na divisão internacional do trabalho orquestrada pela URSS, conhecendo as sequelas de gestão à margem da população mobilizada. Contexto que fortaleceu o monopólio do poder da direção restrita do MR 26 de Julho.

 

O que não avança, retrocede. O futuro da URSS e dos países socialistas burocratizados dependia do confronto mundial entre  capital e trabalho. A maré revolucionária de 1960-70 esmoreceu nos anos 1980 e foi abatida nos anos 1990 pela reação liberal-capitalista que destruiu os Estados de economia nacionalizada e planejada.

 

Cuba viveu golpe terrível com a vitória mundial contrarrevolucionária. Da noite para o dia, viu-se sem compradores de sua produção, sem fornecedores de combustível, sem repostos para a indústria.

 

Em inícios dos anos 1990, isolada no Caribe, sob o ataque crescente do governo USA, vaticinou-se a debacle imediata da revolução.

 

Mas Cuba seguiu avante, aprovando as medidas do Período Especial em Tempo de Paz, que reorganizaram duramente a produção e  consumo, protegendo-se velhos, doentes e crianças.

 

Porém, as consequências estratégicas das medidas ditas transitórias não foram discutidas pela população. Propostas como defesa da revolução, elas avançaram a restauração capitalista, aos moldes do Vietnã e da China.

 

Privilegiou-se o turismo mundial e as relações com o capital europeu. Iniciou-se abertura ao capital privado associado ao Estado e, logo, independente. Incentivou-se o trabalho por conta própria ("cuentapropismo"), criando base social pró-capitalista. A gestão das sociedades estatais e mistas foi entregue a altos funcionários e ao exército.

 

Foram criadas duas moedas, uma vinculada ao dólar e ao mercado privado,  a outra, à produção e emprego estatal. Um taxista privado recebe por   corrida o salário mensal de um professor universitário.

 

A Reforma constitucional de 1992 e a Lei 77, de “Inversões Estrangeiras", escancarou a economia aos capitais privados,  à exceção da saúde, educação e forças armadas.

 

As medidas não obtiveram os resultados almejados. Mesmo  com o arrocho dos salários públicos, o acesso à saúde, segurança, educação e moradia dificultava a formação de legião de trabalhadores empregando-se a preço vil, sob o açoite do desemprego. Para que o  capital chegasse aos borbotões e reorganizasse a ilha, era necessário a reconstrução do reino da necessidade.

 

Em abril de 2011, sob a  batuta de Raul Castro, o VI Congresso do Partido Comunista de Cuba aprovou burocraticamente  proposta de licenciamento de 500 mil trabalhadores e orientações privatizantes para a educação, saúde, pensões e propriedades estatais.

 

Porém, o desemprego maciço jamais se efetivou, privilegiando-se a erosão crescente da área pública em favor da privada. Sob a ameaça estadunidense, a burocracia cubana teme explosão social motivada pela liquidação abrupta do que resta da era revolucionária. Hoje, são enormes as diferenças sociais e mais de 20% da população vive em  condições de pobreza. A exploração e a acumulação capitalistas desembarcaram e aninharam-se na ilha.

 

O restabelecimento das relações USA-Cuba assinala que o governo yankee não aposta apenas na restauração explosiva do capitalismo, como na Europa Oriental. Membro do Partido Comunista Cubano, favorável à orientação privatista, segredou-me temer, não o grande capital USA, mas o desembarque de milhares de agressivos gusanos com dólares suficientes para  comprar meia ilha.

 

Artigo publicado no Caderno de Sábado do Correio do Povo, Porto Alegre, 10.01.2015.

Mário Maestri é historiador e professor do Programa de Pós-Graduação em História da UPF. E-mail: maestri(0)via-rs.net">maestri(0)via-rs.net

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates