topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
PT não pode ser um “partido eleitoral”, diz José Eduardo Cardozo Imprimir E-mail
Escrito por Mateus Alves   
Segunda, 29 de Outubro de 2007
Recomendar

 

 

O Correio da Cidadania entrevista, com exclusividade, o deputado federal José Eduardo Cardozo (PT/SP), candidato à presidência de seu partido pela chapa "Mensagem ao Partido" e um dos mais proeminentes parlamentares da legenda.

 

Segundo Cardozo, o intuito de sua candidatura no PED (Processo de Eleições Diretas do PT) é reaproximar o partido das bases e dos movimentos sociais, algo que considera ter sido deixado de lado por dirigentes do PT nos últimos anos. O deputado ainda coloca em pauta a questão da diferenciação entre o partido e o governo - cuja linha tênue precisa ser respeitada -, a obrigação da fidelidade partidária e analisa as críticas feitas por dissidentes petistas desde as eleições que levaram Lula ao poder, em 2002.

 

 

Correio da Cidadania: Qual análise você faria da conjuntura interna do PT nos dias atuais?

 

José Eduardo Cardozo: Há uma avaliação de que a forma de gestão do partido, da direção que o partido teve nos últimos anos, está totalmente exaurida e precisa ser modificada. Nós passamos por uma crise profunda, a qual, no entanto, não eliminou o acúmulo histórico do partido. Somos hoje o maior partido de esquerda que o país já teve, somos, indiscutivelmente, o partido que elegeu pela primeira vez uma pessoa oriunda da classe trabalhadora como presidente da República.

 

Há esse patrimônio adquirido na história do Brasil que é inegável, e só nos orgulha. De outro lado, a forma pelo qual o PT tem sido dirigido e os métodos da direção nos levaram a uma crise que exige uma renovação, uma nova direção partidária.

 

CC: Que acúmulo de forças internas levou à sua candidatura à presidência do partido?

 

JEC: A chapa "Mensagem ao Partido", de nossa candidatura, foi criada a partir da perspectiva que mencionei antes, e tem o apoio de pessoas que nunca atuaram juntas, antes, no PT, como os ministros Tarso Genro e Fernando Haddad, Olívio Dutra, Raul Pont, Miguel Rossetto e a governadora Anna Júlia Carepa.

 

Contamos também com a simpatia declarada do governador baiano Jacques Wagner, dos prefeitos João Paulo, de Recife, Luizianne Lins, de Fortaleza; são mais de 150 prefeitos em todo o país. Intelectuais como Marilena Chauí, Maria Victoria Benevides, Maria da Conceição Tavares, Paulo Singer e Mário Sérgio Cortella também estão ao nosso lado.

 

Toda essa conjugação de forças se dá exatamente em cima de uma reunião de idéias e de princípios em uma nova forma de gestão que queremos colocar para todo o Partido dos Trabalhadores e implementar no caso de sermos eleitos.

 

CC: Quais seriam os principais elementos dessa nova forma de gestão?

 

JEC: Em primeiro lugar, é necessária uma mudança na forma pela qual o PT trata a sua democracia interna. Não podemos deixar mais que um pequeno grupo de pessoas decida as políticas futuras do partido; é necessário que os militantes sejam respeitados, que as instâncias de base dos partidos voltem a funcionar, que os núcleos partidários sejam reativados. Também membros do partido, quando possuem posições divergentes, que não expressam a posição da direção, não podem ser massacrados, perseguidos, excluídos da vida partidária de fato.

 

Em segundo lugar, há a questão da ética. Colocamos a ética como pressuposto da ação partidária - mas sem colocá-la como foco de disputas políticas. É preciso que a ética seja um pressuposto na partida e um fim a ser alcançado por um partido que se propõe a construir a democracia e o socialismo no país; a criação de um código de ética que valha para todos os militantes, dirigentes e parlamentares é algo diferencial em nossas propostas.

 

Um terceiro ponto é a questão relativa à distinção entre partido e governo. Precisamos ter uma divisão muito clara nessa questão; dirigentes partidários não podem ser porta-voz do Planalto, o partido não pode ser pura e simplesmente uma caixa de homologação do Executivo. Temos que defender e apoiar nosso governo, mas também sempre propor políticas que, evidentemente, o direcione à construção daquilo que nos parece correto.

 

Finalmente, há a questão dos movimentos sociais. O PT é um partido que se afastou profundamente desses movimentos; precisamos voltar a apoiá-los, para que possam ter autonomia, para que possam atuar e até, quando necessário, nos criticar.

 

CC: O que responderia aos críticos do PT que, além de citar os pontos que você mencionou anteriormente como demonstrativos de abandono de bandeiras históricas, acusam, desde o processo que levou Lula à presidência em 2002, o partido de priorizar o caminho eleitoral?

 

JEC: Acredito que são críticas corretas. O PT não pode ser um partido que vive de eleições, mas sim um partido que deveria viver de seus militantes. E a militância não pode estar agregada apenas durante as disputas eleitorais, tem que ser chamada para discutir políticas, para participar do cotidiano partidário.

 

Por isso, uma de nossas propostas é a de retomar o PT como um partido militante, não um partido eleitoral.

 

CC: Qual a sua opinião sobre a questão da fidelidade partidária, recém imposta pelo STF?

 

JEC: Defendemos, sim, a fidelidade partidária. Sem sombra de dúvidas, a fidelidade é algo muito importante para a democracia no país. No entanto, é bem verdade que melhor teria sido que essa decisão tivesse vindo não do STF, mas sim de uma ação do Poder Legislativo.

 

 

Para comentar este artigo, clique comente.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 14 de Dezembro de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates