topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
No futuro, o que vou dizer lá em casa? Imprimir E-mail
Escrito por Rafael Fortes   
Segunda, 29 de Outubro de 2007
Recomendar

 

Embora a comparação de períodos históricos e de países seja complexa e difícil, certas observações gerais podem ajudar a compreensão de processos atualmente em curso. Em outros momentos da história, no Brasil e em outras nações, terror, tortura e morte foram impostos a setores da população por parte de outros setores, ou, pior ainda, pelo Estado. Passados os anos e mudado o regime político – sempre através de luta –, a construção da democracia passa, necessariamente, pela discussão e pelo acerto de contas com o passado (tarefa, de resto, ainda a ser realizada, no caso do passado brasileiro recente). Neste momento, muitos se isentam de responsabilidade – fosse por apoio, omissão ou conivência – em relação às práticas antes vigentes, afirmando que nada sabiam, que não tinham essas informações, que as mesmas eram omitidas ou censuradas pelas autoridades etc.

Pois bem, hoje, no Rio de Janeiro (e não só nele), o poder público eleito (e não só ele), que a todos governa e que lhes deve garantir os direitos, aterroriza, tortura e mata parcelas da população. O poder executivo estadual de fato combate a pobreza – matando pobres – e executa, no pior sentido do termo.

 

Em outros momentos de nossa história recente, uma parte dos funcionários públicos que praticava chacinas o fazia à paisana; na calada da noite ou da madrugada; anonimamente; e fora do horário de trabalho. Estas práticas eram ilegais, condenáveis e inadmissíveis. As matanças (ou chacinas) de Vigário Geral (1993), Candelária (1993) e Baixada Fluminense (2004) são exemplos famosos e recentes, embora, infelizmente, não tenham sido exceção, pois similares com menos repercussão midiática aconteciam e acontecem a cada dia.

 

A hipótese que levanto neste artigo é de que, em 2007, algo mudou. Agora a matança se faz durante o dia; com convocação antecipada, apoio e legitimação das câmeras e da mídia gorda; de farda; e com ordens e aplausos das autoridades estaduais e federais (e sem que se pronunciem os partidos até pouco tempo atrás de esquerda que fazem parte da base destes governos; o prefeito pefelista não chega a reclamar cada vez que morre um pobre) e da “sociedade”. As megaoperações no Alemão e em Senador Camará são exemplos.

 

Ficamos mais cínicos? Tornamo-nos indiferentes? Ou ambos? Se, daqui a dez, vinte ou trinta anos, o Brasil tiver avançado rumo à democracia, igualdade e Estado Democrático de Direito efetivos, o que vamos declarar às novas gerações em relação ao genocídio de hoje? Vamos dizer que “não sabíamos”, tal qual outros – no Brasil e em certos países – fizeram?

 

Rafael Fortes é professor, historiador e jornalista.

 

Para comentar este artigo, clique aqui.

 

Recomendar
Última atualização em Qui, 29 de Novembro de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates