topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Estados Unidos e Brasil: rumo a uma pauta comum Imprimir E-mail
Escrito por Virgilio Arraes   
Quarta, 03 de Dezembro de 2014
Recomendar

 

 

Tradicionalmente, o discurso oficial norte-americano recomenda aos governos a adoção do livre-comércio. Herdeiro de certa forma da pregação liberal britânica do século 19, o país esposa esta postura em virtude da primazia industrial diante da maior parte do globo, mesmo dos ‘euro-ocidentais’ e japoneses.

 

Nos poucos segmentos em que não pode superar as demais sociedades, Washington advoga sem restrição alguma a proteção àqueles, sem incomodar-se com a contradição retórica. Após o advento da crise de 2008, a Casa Branca ampliou as medidas restritivas, através de um projeto de lei, a produtos estrangeiros, especialmente ferro e aço – a iniciativa seria denominada de ‘Buy American’.

 

Em março de 2009, o Brasil registrou sua insatisfação no tocante à nova lei, em reunião entre as duas chancelarias. De todo modo, a crítica teria alcance limitado, dado que na administração estadunidense duas pastas ocupam-se da política exterior: a de Estado, com o componente político, e a de Comércio Exterior, com o econômico naturalmente.

 

Naquela altura, o Senado não havia ainda aprovado o nome de Ronald Kirk, substituto de Susan Schwab, que deixara o cargo em janeiro do mesmo ano, quando da posse do presidente Barack Obama. Assim, as negociações ficavam na prática suspensas.

 

Todavia, poucos dias depois do encontro entre o titular do Ministério das Relações Exteriores, Celso Amorim, e a do Departamento de Estado, Hillary Clinton, Kirk seria ratificado quase de forma unânime, porém, sem significar no curto prazo avanço nos debates.

 

Na pauta política, interessava a Brasília que Washington abrandasse a má vontade em direção a três governos: com Havana, um resquício injustificável da Guerra Fria, seria necessário rever a Lei da Liberdade de Cuba e Solidariedade Democrática – mais conhecida como Helms-Burton - de março de 1996, responsável por robustecer o longevo embargo, ao situar entre a cruz e a espada as corporações exportadoras que deveriam escolher se comerciariam com Cuba ou com os Estados Unidos.

 

Com Caracas, em decorrência do mal-aventurado socialismo do século 21, e com La Paz, em função de retaliação na importação de têxteis por causa da expulsão de Philip Goldberg, embaixador estadunidense, em setembro de 2008.

 

Além do mais, a Bolívia defenestraria ao longo de várias semanas todos os agentes do Departamento de Combate às Drogas, algo inédito em um acordo de cooperação bilateral iniciado na década de 70. A medida foi uma resposta ao cancelamento da certificação do país no tocante ao controle das drogas, ainda que não tivesse perdido o auxílio financeiro.

 

Washington não vislumbrava a exequibilidade da separação entre o cultivo da coca, o terceiro maior do planeta, e a produção da cocaína. Nesse sentido, os servidores expulsos seriam deslocados para áreas fronteiriças com a Bolívia.

 

Paralelamente ao encaminhamento de problemas de aliados regionais, o Brasil desejava dos Estados Unidos a elaboração de uma política de desenvolvimento para toda a região. Enfim, mais atenção à economia, menos ao policiamento, por conta da preocupação com o narcotráfico.

 

Naquele momento, o objetivo do Planalto era a eliminação do imposto de importação de pouco mais de 14 centavos de dólar por litro de etanol da cana de açúcar. De maneira involuntária, a aspiração brasileira ia de encontro à venezuelana, dado que podia opor grandes produtores de combustíveis distintos.

 

Destarte, os norte-americanos ficavam em situação confortável para barganhar com cada um dos dois, sem deixar de lado as implicações políticas desta movimentação.

 

Virgílio Arraes é doutor em História das Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e professor colaborador do Instituto de Relações Internacionais da mesma instituição.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 05 de Dezembro de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates