topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

As ruas: poemas e reflexões pedestres, de Mauro Iasi
Escrito por Demetrio Cherobini   
Qui, 13 de Novembro de 2014
Recomendar

 

“Quero que a pena se equipare à baioneta.”
Maiakovski

 

A luta socialista segue e com ela a exigência de fazermos o inventário preciso da sociedade que nos cerca, a fim de delinearmos a estratégia correta para a sua superação. Nesse sentido, a coletânea de Mauro Iasi As ruas: poemas e reflexões pedestres traz uma importante contribuição, materializada num conjunto de escritos constituído de variadas formas de expressão: crônicas, artigos de opinião, ensaios curtos, prosa poética, poesia.

 

Os temas são diversos, mas todos de alguma maneira entrelaçados em torno da questão comum que envolve a realização do projeto da emancipação humana. Dos assuntos abordados, destacam-se: a análise da opressão e da exploração capitalistas, a história da luta pela emancipação feminina, a questão palestina, a tradição revolucionária dos trabalhadores do mundo, a experiência política do poder popular, a Copa do Mundo e os lucros do capital, a violência contra a comunidade do Pinheirinho, entre outros.

 

Os conceitos utilizados estão entre os mais fecundos da teoria marxista. Sublinhamos apenas alguns: a alienação, isto é, quando “o produto de nossa objetivação social e histórica se volta contra nós de maneira hostil e estranhada (por exemplo, na forma mercadoria)” (p. 20); a ideologia, que opera “por meio de mecanismos como a inversão, o ocultamento, a naturalização, a justificativa e a apresentação do particular como se fosse universal” (p. 162); o conceito de classe social, “como uma síntese de determinações que, partindo da posição econômica, devem se somar à ação política, consciência de classe e outros aspectos” (p. 179); o transformismo, que ocorre quando “um setor da classe trabalhadora, ainda que partindo originalmente deste pertencimento, em sua ação política e intencionalidade, afirma outro projeto societário que não aquele que nossa experiência histórica constitui como meta” (p. 180).

 

No interior de tais coordenadas teóricas, talvez se possa considerar como ponto alto do livro a análise da experiência dos governos petistas, acompanhada da sua consequente crítica e desmistificação. Segundo Iasi, o PT, ao abandonar a perspectiva histórica da alternativa socialista, acabou por constituir “um governo de pacto social que, partindo de um programa e uma concepção pequeno-burguesa, crê ser possível manter a acumulação de capitais, o que leva a uma brutal concentração de renda e riqueza nas mãos de um pequeno grupo, ao mesmo tempo em que, pouco a pouco e muito lentamente, apresenta a limitada intenção de diminuir a pobreza absoluta e incluir os trabalhadores na sociedade via capacidade de consumo (bolsas, salário e crédito etc.)” (p. 186).

 

Desse modo, compreende-se que “o pacto social com os setores da grande burguesia monopolista e a pequena burguesia que sequestrou a representação da classe trabalhadora implica limites à ação de governo, isto é, impede o ‘reformismo forte’ e impõe um ‘reformismo fraco’. Para atender às exigências da acumulação de capitais dos diversos segmentos da burguesia monopolista, as demandas dos trabalhadores têm que ser contingenciadas, focalizadas, gotejadas, compensatórias” (p. 183).

 

Assim, constata-se que, em razão do transformismo, o PT, organização surgida no interior da classe trabalhadora, tornou-se refém da hegemonia burguesa e passou a realizar o projeto societário daquela que era originalmente (e continua sendo) a sua classe social antagônica. A conciliação de classes torna-se, aqui, uma exigência fundamental.

 

É interessante observar, nesse contexto, que, segundo Iasi, ainda que os conteúdos dos programas políticos veiculados por PT e PSDB, nos últimos tempos, tenham lá as suas diferenças, a análise histórica permite revelar o fundamental, a sua oculta identidade, no sentido de que ambos visam assegurar as melhores condições para a produção e a reprodução do capital no interior da dinâmica das suas inevitáveis crises cíclicas. Esses partidos, na visão do autor, não passariam de “duas versões distintas disputando a direção do projeto burguês no Brasil” (p. 185). Ou, como disse Iasi, recentemente, em outro lugar: “A classe dominante apoia as duas alternativas, fato que fica evidente na distribuição dos financiamentos de campanha”(1).alt

 

Dessa maneira, a despeito da ideologia generalizada exaustivamente, que procura acentuar as superficiais discrepâncias entre essas duas agremiações, põe-se em relevo o elemento que assegura a sua unidade essencial: o caráter sumamente capitalista representado por seus respectivos projetos. Nesse sentido, pode-se concluir que, apesar das supostas e tão propaladas “melhorias sociais” dos últimos anos, o fundamental, do ponto de vista da emancipação humana, não foi realizado: a superação da alienação, ou seja, da condição que faz com que homens e mulheres sejam controlados e confrontados de modo hostil por formas sociais que eles mesmos produziram. Em relação à transcendência de tal condição, de fato, pode-se afirmar que as assim chamadas “políticas públicas” não foram (e nem poderiam ser) capazes de dar um passo sequer. Pois a superação da alienação não é algo concedido pelo Estado, e sim uma conquista que se obtém por meio de uma ação coletiva autoconsciente dos explorados e oprimidos, isto é, uma revolução social.

 

A crítica efetivada por Iasi permite, assim, combater uma série de noções que foram reproduzidas ad nauseam durante as últimas eleições: 1) a mistificação da eventual “polarização” existente entre os projetos políticos representados por PT e PSDB; 2) a mistificação do “acúmulo de forças” e do “avanço aos poucos”, efetuada mediante as “melhorias” das assim chamadas “políticas públicas”; 3) a mistificação do Estado e da democracia burgueses como instituições autônomas e acima das determinações do capital; 4) a mistificação da necessidade de ter que escolher entre o partido “menos ruim” dentro de um sistema em que as relações socioeconômicas têm preponderância e comandam as ações estatais; 5) a mistificação de que as mediações do sistema do capital podem, de alguma maneira, contribuir para a emancipação humana; 6) a mistificação da legitimação do processo político burguês, de ter que sempre escolher entre alternativas que não foram postas por nós mesmos, quando o que importa é justamente o contrário: recusar o conjunto de alternativas não determinadas conscientemente pelos trabalhadores.

 

O que permite a Iasi ir além do ponto de vista comum e ver a unidade por trás das aparências é a perspectiva estratégica que coloca a superação do capital (e não apenas a do “odioso neoliberalismo”) como objetivo final a ser perseguido pelas organizações revolucionárias. Por tal razão, seus escritos, frutos de anos de reflexão e de prática de enfrentamento à ordem do capital, interessam, e muito, aos esforços políticos dos trabalhadores. Estes saberão dar o devido reconhecimento a esse precioso contributo quando da chegada do momento oportuno, aquele que a antiga canção partigian assinala como a conquista da primavera vermelha na qual surge o sol do futuro.

Nota:

(1) Conforme IASI, Mauro. O sexto turno. 2014. Em http://blogdaboitempo.com.br/2014/10/15/o-sexto-turno/.

 

Ficha Técnica

Título: As ruas: poemas e reflexões pedestres

Autor: Mauro Iasi

Editora: Instituto Caio Prado Jr.

Ano: 2014

Número de páginas: 198

Preço: 25 reais

 

Demetrio Cherobini é doutorando em Educação (UFSC).

Recomendar
Última atualização em Qui, 13 de Novembro de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates