topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O massacre dos estudantes de Ayotzinapa: terrorismo de Estado mexicano Imprimir E-mail
Escrito por Diógenes Moura Breda   
Quarta, 22 de Outubro de 2014
Recomendar

 

 

O dia 26 de setembro de 2014 já está gravado na história do México como símbolo da dura realidade em que vive seu povo atualmente, tal como o massacre de Tlatelolco em 68 – lembrado a cada ano nas manifestações de 2 de outubro – simboliza o início de um período de repressão aos movimentos populares da década de 70. O massacre dos estudantes de Ayotzinapa não é apenas a demonstração do poder do narcotráfico e de seus vínculos com os partidos da ordem, mas a expressão do terrorismo de Estado mexicano em pleno funcionamento, onde as vozes dissidentes são caladas com mortes, torturas e desaparições.

 

O massacre de Iguala

 

Naquele 26 de setembro, em Iguala, uma pequena cidade do estado de Guerrero, estudantes da Escuela Rural Normal de Ayotzinapa regressavam de un boteo, atividade de arrecadação de fundos com o objetivo de financiar seu translado à Cidade do México para a manifestação de 2 de outubro, em memória ao massacre de Tlatelolco. Após o fim da atividade, como de praxe, haviam conversado com motoristas de ônibus para que os levassem de graça de volta à sua escola, que fica na zona rural. No momento em que saíam da cidade em 3 ônibus, por volta das 20h30, efetivos da polícia municipal lhes fecharam o caminho. Dois estudantes desceram do primeiro ônibus para tentar conversar e explicar a situação.

 

Foram baleados tão logo apareceram na mira dos policiais. Iniciou-se, então, um ataque de meia-hora aos ônibus em que os estudantes, todos desarmados, tentavam se proteger dentro do que pouco a pouco se convertia em uma peneira, tantos eram os buracos causados pelas balas dos fuzis AR-15 dos policiais. Percebendo que dentro daquele espaço não teriam chances de sobreviver, decidiram sair dos ônibus e correr em qualquer direção, pelas ruas de uma cidade que sequer conheciam. Aproveitavam o momento em que os policiais recarregavam suas armas. Enquanto estudantes dos dois primeiros ônibus corriam para salvar suas vidas, os que vinham no terceiro, por último, foram obrigados pelos policiais a descer do ônibus e a subir nas camionetes oficiais. Foram levados não se sabe pra onde, estão até este momento desaparecidos.

 

Algumas horas depois do ataque dos policiais, os estudantes começaram a sair das casas onde tinham sido escondidos solidariamente pela população de Iguala. Caminharam até o local do ataque para resgatar os corpos de seus companheiros e registrar os rastros de balas e de sangue. Convocaram outras organizações e chamaram meios de comunicação. Após a conferencia de prensa – em que deram a conhecer os fatos ocorridos, o número de feridos, mortos e desaparecidos –, por volta da 00h30, madrugada do dia 27, chegaram ao local da conferencia camionetes com civis armados e iniciaram o segundo ataque. Novamente, cada estudante buscou desesperadamente se esconder pela cidade, dando início a uma caça a “qualquer um que parecesse estudante” que durou várias horas daquela madrugada. Dos dois ataques resultaram em 6 mortos – um dos quais brutalmente torturado: arrancaram-lhe os olhos e a pele da face ainda em vida –, cerca de 20 feridos e 43 estudantes desaparecidos.

 

O relato desse episódio brutal não saiu de nenhum jornal sensacionalista, mas da boca dos próprios estudantes sobreviventes. Suas vozes de denúncia se espalharam por todo o país e correram o mundo. Uma mescla de raiva e impotência tomou conta dos mexicanos nestes dias posteriores aos massacre. O sentimento, no entanto, não é “contra o poder e a impunidade do narcotráfico, que penetra em todos os poros da política mexicana”, tal como replicam os grandes meios de comunicação. Não, o que o ocorre no México é algo pior: é o funcionamento pleno de um Estado terrorista que se utiliza de métodos legais e ilegais - onde o narcotráfico é apenas mais um “sócio” – com igual naturalidade para reprimir qualquer voz questionadora do povo organizado e semear o medo na população ainda desorganizada, para que saibam dos riscos de questionar o modelo econômico e político vigente no país.

 

É nesse sentido que o massacre dos estudantes de Iguala não pode ser entendido como um fato isolado, mas como um crime de Estado, expressão de uma guerra de contra-insurgência de caráter preventivo, cujo objetivo é garantir o funcionamento de um modelo de exploração do povo e do território mexicano sem paralelo na história moderna do país.

 

A interminável noite neoliberal mexicana

 

Os ventos de transformação que varreram a América Latina nos últimos 20 anos não sopraram por aqui. As classes dominantes e o imperialismo gringo trataram de impedi-lo. As tentativas eleitorais do candidato mais à esquerda, Andrés Manuel Lopez Obrador, foram bloqueadas por duas fraudes, em 2006 e 2012, e as organizações populares mais radicais foram duramente reprimidas – como a APPO, a Asamblea Popular de los Pueblos de Oaxaca, em 2006 – ou se encontram sob duro cerco, a exemplo do EZLN. O México, portanto, está longe de ser “um país zapatista” e a luta de Pancho Villa e Emiliano Zapata há muito não guia a construção desta nação. A “longa noite neoliberal” segue plena e o amanhecer ainda não aponta no horizonte.

 

Enquanto, em 1994, Chávez saía da prisão para ganhar as eleições venezuelanas 3 anos depois, o México assinava o TLCAN, Tratado de Livre Comércio da América do Norte. Antes, em 1988, outra fraude eleitoral impediu a eleição de Cuauhtémoc Cárdenas, filho de Lázaro Cárdenas, e deu a presidência a Carlos Salinas de Gortari, considerado por muitos como o primeiro presidente neoliberal do país. Desde então, pôs-se em marcha um projeto de subordinação completa aos interesses do imperialismo estadunidense, que se concretizou na assinatura do TLCAN, com a participação das classes dominantes, políticos de alto escalão, sindicatos vinculados ao Estado, alguns setores empresariais beneficiados pelas políticas de privatização e, claro, os empresários do narcotráfico.

 

Podemos resumir o projeto neoliberal mexicano que se inicia naquele momento em torno a três eixos: a intensificação da super-exploração dos trabalhadores por parte do capital estrangeiro e associado com a generalização das indústrias maquiladoras; o despojo territorial das comunidades camponesas e indígenas para exploração de recursos naturais; e privatização de um patrimônio estatal nada desprezível construído durante os governos nacionalistas. O narcotráfico, neste esquema, não é um setor à margem da economia, mas participa dela tanto na produção – e, portanto, na exploração dos trabalhadores, inclusive em setores como a mineração –, como no despojo das comunidades para a produção de drogas, ou para abrir passo a entrada de empresas estrangeiras. Sem falar na “economia formal” que esse setor movimenta por meio da lavagem de dinheiro na construção civil, nos bancos, etc.

 

Seja como for, o projeto neoliberal dilacerou o país nos últimos 20 anos. O México ostenta atualmente salários menores que os praticados na China e um dos menores da América Latina. O poder aquisitivo real do salário mínimo caiu 78% desde 1987, segundo dados do Centro de Análise Multidisciplinar da Faculdade de Economia da UNAM, e 60% dos trabalhadores estão na informalidade. As cifras sobre a pobreza também assustam: 50% dos mexicanos estão abaixo da linha da pobreza segundo a CEPAL, número que tem crescido nos últimos anos (se reconhecemos os limites dos critérios de medição da ONU, podemos afirmar que, na realidade, a pobreza é ainda maior). Poderíamos seguir com a crise alimentar, que conjuga os maiores índices mundiais de obesidade adulta e infantil com a desnutrição crônica, e faz do país o maior importador mundial de milho – triste destino dos povos que criaram o milho, las civilizaciones del maíz, e têm neste grão a base de sua alimentação e cultura – ; com a violência contra mulheres e jovens gerada por tamanha decomposição social; com a crise migratória mexicana e centro-americana...

 

“Pienso, luego me desaparecen”

 

Não é difícil perceber que tamanha violação da vida das maiorias só poderia ter sido imposta por meio da violência. Ainda mais no México, país onde a capacidade combativa do povo remete à luta contra o invasor espanhol e ao projeto de construção nacional, popular e democrática da Revolução Mexicana. E assim ocorreu. A cada impugnação popular ao avanços do projeto neoliberal, repressão e massacre. Em 1995, o massacre de Aguas Blancas, Guerrero. Em 1997, o massacre de Acteal, Chiapas. Em 2006, o massacre de Atenco, Estado de México. Em 26 de setembro de 2014, massacre de Iguala, Guerrero. E, entre esses massacres que circularam amplamente nos meios de comunicação por sua dimensão, estão as mortes e as desaparições silenciosas de milhares de líderes comunitários, trabalhadores, estudantes, jornalistas ou, simplesmente, de pessoas que levantam sua voz contra a opressão que sofriam cotidianamente.

 

A dimensão da violência e a regularidade com que foi e segue sendo cometida não permite afirmar que se trata de fatos isolados, de abuso de poder das autoridades policiais, prefeitos e governadores. Pelo contrário, há uma estratégia, pelo menos desde a década de 80, que emana do Palácio Presidencial e conta com a participação material e intelectual do Departamento de Estado estadunidense, cujo objetivo é evitar a ascensão de qualquer movimento que questione as bases da economia mexicana e o papel do imperialismo dos Estados Unidos na região, ao mesmo tempo que abre o país para os investimentos estrangeiros e o roubo dos recursos do país, tão importantes para elevar a taxa de lucro dos monopólios internacionais em tempos de crise capitalista mundial. Pouco a pouco, cada massacre tinha como complemento o aprofundamento da dependência e do subdesenvolvimento do país. Foi assim que, na década de 90, se pôde colocar em marcha o saqueio quase completo do patrimônio estatal mexicano: privatizou-se praticamente todo o setor bancário, siderúrgico, químico, de telecomunicações e de transportes.

 

alt


A “Guerra contra o narcotráfico”, iniciada em 2006 com Felipe Calderón e aplicada cabalmente pelo atual presidente Enrique Peña Nieto, é a culminação desta estratégia – já bem conhecida na Colômbia – em que a repressão aberta, as mortes, as torturas e as desaparições são mecanismos habituais para garantir a “paz social”, que neste caso não significa outra coisa que a acumulação de capital sem travas. Sob o argumento de combater a “delinquência organizada” – que, na verdade, foi um reordenamento de poder entre os principais cartéis, em favor daqueles apoiados pelo governo –, somam-se nos últimos seis anos 80 mil mortes e 20 mil desaparições. Praticamente todos os crimes permanecem impunes. É por isso que não podemos falar senão de um terrorismo de Estado que articula governos federal, estaduais e municipais, as Forças Armadas, grupos paramilitares e cartéis de drogas.

 

O mais triste, porém, é reconhecer que o projeto das classes dominantes foi e segue sendo bem sucedido. Não se pode explicar a facilidade com que se aprovaram em 2013 as Reformas Trabalhista e Educativa, nem como se aprovou a privatização de todo setor energético – que envolve eletricidade, petróleo e gás – neste ano sem levar em consideração a eficácia da estratégia repressiva do Estado mexicano sobre os movimentos e organizações populares na última década.

 

O massacre dos estudantes rurais de Ayotzinapa não escapa a este panorama de violência estatal conscientemente aplicada. Eles, como a maioria dos estudantes das Escolas Normais Rurais do país, fazem parte dos que nunca se calaram frente ao avanço do capital sobre os direitos do povo mexicano, dos que nunca se curvaram aos poderosos. As Escolas Normais Rurais, criadas na década de 1920, na esteira das conquistas da Revolução Mexicana pela universalização da educação, são um semillero histórico de lutadores sociais. Da própria Normal Rural de Ayotzinapa surgiu Lucio Cabañas, um dos mais destacados líderes guerrilheiros dos anos 70. Aqueles estudantes eram, pois, uma ameaça ao modelo econômico excludente que vigora no país. Lutavam contra a precarização da educação rural, sabiam da importância destas escolas como a única possibilidade de educação para a juventude mais pobre do país. Como filhos de agricultores, eram também solidários e marchavam juntos com os movimentos camponeses e indígenas de sua região contra o despojo de suas terras. Por esses motivos foram, assim como milhares de outros lutadores sociais, alvos do terrorismo de Estado mexicano.

 

alt
Fonte: observadorglobal.com

 

A participação direta da polícia municipal de Iguala juntamente com o grupo paramilitar Guerreros Unidos está comprovada. O exército e a marinha, que têm bases de operação no município, e as polícias estaduais e federais em nenhum momento apareceram para proteger os estudantes. Foram coniventes com o crime. O prefeito de Iguala, do PRD, fugiu. O governador do estado, também daquele partido, e o presidente Peña Nieto, do PRI, afirmam que o ataque foi um ato isolado e sequer responsabilizam seus altos mandos militares. Enfim, o povo sabe que todos são culpados, que se trata de um crime de Estado. No entanto, há uma impressão generalizada de que, uma vez mais, as investigações não levarão a lugar algum.

Solidariedade aos estudantes: uma nova ascensão das lutas populares?

 

O massacre aos estudantes normalistas despertou imediatamente a solidariedade de todos os movimentos e organizações da esquerda mexicana. No dia 8 de outubro uma manifestação de 20 mil pessoas lotou as ruas do centro de cidade do México, e dezenas de atos ocorreram em outras cidades importantes do país exigindo a punição dos culpados e a aparição com vida dos 43 estudantes desaparecidos. A semana do dia 13 de outubro esteve marcada pela paralisação de 30 das maiores universidades mexicanas e vários atos estão marcados para as próximas semanas. A exigência imediata é o aparecimento com vida dos 43 estudantes desaparecidos e a punição dos responsáveis materiais e intelectuais da matança. “Vivos se los llevaron, vivos los queremos”, gritam os mexicanos em todo país.

 

alt
Cidade do México. Manifestação em repúdio ao 
massacre de Iguala, 8 de outubro de 2014
Fonte: http://www.masde131.com

 

Mas em espaços menores já se fala em aproveitar o momento para reconstruir a unidade entre as organizações populares – tão numerosas quanto dispersas – e partir para uma ofensiva contra o governo. Os principais disseminadores deste discurso são os próprios companheiros de aula e familiares dos estudantes desaparecidos. Eles sabem da importância de encontrá-los com vida, mas também sabem que, se não avançarem na construção de outro projeto de país, outros massacres seguirão ocorrendo impunemente. No curto prazo, porém, parece remota a possibilidade de uma nova ascensão de lutas populares generalizadas. Outras “explosões sociais” ocorrerão, certamente, devido à própria natureza perversa do capitalismo dependente mexicano, mas a tarefa que a conjuntura mexicana impõe à esquerda é uma das mais difíceis de todo o continente e requer muito mais do que denúncias aos atos terroristas dos governos em turno. Mesmo as resistências locais se mostraram incapazes de impedir a privatização e o roubo dos recursos estratégicos do povo mexicano.

 

Só resta, portanto, a saída mais difícil, porém a única efetiva: a construção de um projeto nacional de maiorias que logre acumular força para combater as classes dominantes – nas quais se inclui o narcotráfico – e bloquear a penetração do imperialismo estadunidense, que faz de tudo para que México siga sendo seu quintal. O PRD, partido que há alguns anos aparecia como alternativa, já está imerso no projeto dominante e não será um aliado nesta tarefa. Tampouco o novo partido criado por Andrés Manuel Lopez Obrador, o MORENA, aparenta uma saída pela esquerda, dada sua fixação pela via eleitoral e seu desdém pelo trabalho de base.

 

O povo só tem a si mesmo, e só das suas mãos humildes pode nascer um projeto de otro México posible. Que em suas veias volte a pulsar o sangue de Villa e Zapata.

 

Veja o depoimento de um dos estudantes que sobreviveram ao ataque:

 

https://www.youtube.com/watch?list=PLfk71Rp386qjb5A38Bpatldih9vuX-EpE&v=W2yBb-4B5FI

 

Diógenes Moura Breda, economista, é mestrando em Estudos Latino-americanos na UNAM - Universidade Nacional Autônoma do México.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 24 de Outubro de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates