topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Jacob Gorender e o caráter da Ditadura Militar de 1964-85
Escrito por Mário Maestri   
Qui, 09 de Outubro de 2014
Recomendar

 

 

 

Combate nas trevas: a esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada, de Jacob Gorender, foi lançado em 1987 pela Editora Ática, dois anos após a entrega da presidência pelo último ditador. Compreende-se seu rápido e enorme sucesso. Por primeira vez, realizava-se interpretação estrutural sintética do golpe militar de 1964 e, o que era totalmente novo, apresentação orgânica do surgimento e da agonia das organizações armadas de esquerda, até a resistência derradeira no Araguaia, em inícios de 1974. (GORENDER: 1964, 233-43).

 

O livro conheceu diversas reimpressões e uma edição revisada e atualizada, em 1998.

 

A seguir, como o trabalho maior de Gorender, o clássico O escravismo colonial (GORENDER: 1978), Combate nas trevas deixou de ser oferecido pela editora que detinha os direitos de publicação, objeto de compras sucessivas por grandes grupos nacionais e mundiais da editoria. Os dois clássicos passaram a ser oferecidos, por sebos, como espécies de raridade bibliográfica, a preços especulativos.

 

Em 2011, a Fundação Perseu Abramo disponibilizou O escravismo colonial em primorosa edição, saudada com alegria pelo autor, que, debilitado, já se despedia de sua longa e produtiva vida. Jacob Gorender faleceria dois anos mais tarde, aos noventa anos. No contexto do transcurso do cinquentenário do golpe de 1964, aquela fundação e a Editora Expressão Popular apresentaram mais do que oportuna reimpressão da quinta edição de 1998 de Combate nas trevas. Pequenos hiatos de revisão, de índice etc. não comprometem minimamente essa meritória iniciativa.

 

A usura do tempo

 

Sobretudo na historiografia, os livros tendem em geral a envelhecer, ao igual que seus autores. Novos pesquisadores, a partir de novas fontes, novas questões e nova bibliografia, retomam velhos temas para perscrutá-los em forma mais acabada. Aqui e ali, em espécie de analogia do assassinato freudiano do pai pelo filho, jeunes loups da historiografia apresentam suas novas leituras e interpretações, sem sequer se referir aos autores em que se apoiaram.alt

 

Passadas praticamente três décadas da publicação, Combate nas trevas segue como trabalho incontornável. Porém, seu caráter referencial deslocou-se fortemente da pioneira e valiosa reconstituição do nascimento e da morte das organizações armadas no Brasil e das origens político-ideológicas daquelas organizações, questões enriquecidas nos últimos tempos por novos trabalhos biográficos, historiográficos, memorialistas etc.

 

Ao contrário, cresceu o valor de Combate nas trevas como interpretação das raízes, trajetórias e sentidos do regime ditatorial, temas abordados pelo autor quase como um pano de fundo necessário à apresentação do assunto central do livro, a resistência armada à ditadura militar. De certo modo, a biografia de Jacob Gorender já circunscrevia o caráter singular e poli-facetado da sua interpretação sobre o golpe militar de 1964.

 

Uma vida pela revolução

 

Filho de operário judeu ucraniano marxista, que aportou na Bahia após a derrota da Revolução de 1905, Jacob Gorender cresceu nos bairros humildes de Salvador, ingressando em célula universitária comunista quando do Estado Novo, em 1943. Integrou a FEB como voluntário (1943-45), abandonou o curso de Direito, transformou-se em militante profissional. Galgou postos de crescente responsabilidade no PCB, até romper com aquela organização para fundar, a seguir, em abril de 1968, o PCBR (GORENDER, 2014: 113-8; MAESTRI, 04/2004).

 

Jacob Gorender testemunhou, em forma interessada e participante, as décadas que separaram a deposição de Getúlio Vargas, em 1945, e o golpe militar, de 31 de março de 1964. Entretanto, o valor de seu depoimento não se deve apenas a ter assistido sobretudo aos momentos conclusivos daqueles sucessos, do posto de observação privilegiado que constituía a direção do PCB, organização de esquerda enraizada em todo o Brasil. O mesmo ocorreu com muitos de seus mais próximos camaradas, como Mário Álves, Apolônio de Carvalho, Carlos Marighella, Manoel Jover Telles etc.

 

A singularidade desse homem de corpo franzido e reflexão acerada foi a importância que deu à sua formação teórica, potenciada por inteligência e memória admiráveis. Repetindo a proposta trajetória da gênese do marxismo, estudou sistematicamente a filosofia clássica, a economia política e a historiografia, quando possível, nos textos originais, já que dominava o alemão, o inglês, o idiche, o francês, o italiano, o espanhol, o russo. Uma formação engessada e castrada por longos anos pela redução estalinista do marxismo, como ele próprio reconheceria.

 

Uma visão global

 

As dificuldades postas pelo questionamento de Caio Prado Júnior às interpretações do PCB estalinista sobre o Brasil e, após 1964, a compreensão de que o rompimento com o pacifismo e o colaboracionismo de classe não seriam superados apenas pela mera opção armada levaram Jacob Gorender a empreender uma longa pesquisa sobre as raízes e desenvolvimento da formação social brasileira.

 

Sua investigação encontrava-se em desenvolvimento quando foi preso, em 20 de janeiro de 1970, e prosseguiu na prisão, onde apresentou por primeira vez sua visão de uma formação escravista – e não feudal ou capitalista – em forma estruturada, a companheiros de cela, em longo curso sobre a história do Brasil. (GORENDER: 2014, 204-5.) Essa reflexão seria concluída após a libertação, em 1971, quando redigiu e publicou a erudita tese O escravismo colonial e os livros e ensaios que se seguiriam a ela.

 

Em O escravismo colonial, Jacob Gorender discorreu sobre a economia política do modo de produção escravista colonial, visto como historicamente novo, em relação ao escravismo antigo. Na tese, definia as leis tendenciais do modo de produção dominante, quando da antiga formação social brasileira, base singular da transição no país em direção à produção capitalista. O trabalho apresenta igualmente uma crítica sistemática das grandes interpretações da sociedade brasileira.

 

Publicada em 1979, quando da “abertura”, a tese despertou enorme interesse nos acadêmicos e total estranheza na militância de esquerda, que pouco compreendeu seu sentido e raramente a leu (MAESTRI, 04/2004). Em 1981, Jacob Gorender estenderia sinteticamente a interpretação da gênese do capitalismo no Brasil, até os anos finais da ditadura, em A burguesia brasileira, que segue sendo editado até hoje (GORENDER, 1981). Em 1980, publicara conferência sobre a “Gênese e desenvolvimento do capitalismo no campo brasileiro” (GORENDER: 1987).

 

Combate nas Trevas

 

O objetivo assinalado de Combate nas trevas era abordar o mergulho da esquerda brasileira na luta armada. Tratava-se, porém, de leitura que procurava explicar politicamente aquele fenômeno, em superação substancial de apresentação meramente genealógica do surgimento e dissolução das organizações armadas, sobretudo a partir do esfarelamento do PCB, da POLOP, do nacionalismo pequeno-burguês radicalizado.

 

Os capítulos iniciais do livro abordam os anos – e os grandes protagonistas da esquerda – que precederam o golpe militar de 1964, retomando-se comumente questões desenvolvidas nos trabalhos anteriores. A seguir, associa-se a descrição da gênese e agonia das organizações armadas, cegas ou indiferentes em sua ação à retomada da expansão econômica, à discussão das razões que levaram uma enorme parcela da esquerda a optar pelo militarismo.

 

Privilegiando o eixo São Paulo-Rio de Janeiro, coração daqueles embates, o relato é entremeado de referências às experiências do autor, sem cair jamais no biografismo. Em entrevista dada em 9 de outubro de 1987, em Milão, quando o livro era lançado no Brasil, Gorender foi enfático: “O grande protagonista do ensaio é a esquerda. Não se trata de um trabalho memorialista. Apenas uns 15% referem-se a depoimentos pessoais do autor. E, nessas passagens, me documentei e não me apoiei apenas em minha memória” (MAESTRI, 9/10/1987).

 

O livro constitui igualmente, como veremos, avaliação autocrítica, sobretudo, da esquerda pecebista que, influenciada pelo avanço mundial da luta de classes e golpeada pela derrota inglória do colaboracionismo e etapismo, em 31 de março, lançou-se à luta armada incondicional pelo poder. Porém, ao contrário do que se tornaria corrente, o balanço não rejeitava a disputa armada do poder, abraçando tardiamente o que o autor definiria como democratismo pequeno-burguês. Criticava, isto sim, o momento em que a opção armada se deu.

 

Ousar lutar, ousar vencer

 

Jacob Gorender propõe que não se deveria ter combatido militarmente a ditadura e a ordem burguesa, após a derrota de 1964. Na entrevista de outubro de 1987, propõe: “O milagre econômico e o isolamento do movimento de massas tornavam impossível uma vitória”.  Para ele, ao contrário, deveria ter se lutado, de armas em punho, em março de 1964, quando, como precisou, haveria “possibilidade de vitória”. Lembrava, igualmente, não ser  “verdade que a CGT e os sindicatos não tivessem força” (MAESTRI, 9/10/1987).

 

Uma avaliação que parte de clara opção pela revolução socialista e apoia-se na análise da realidade a partir de categorias do marxismo revolucionário em geral totalmente estranhas aos estudiosos atuais daqueles sucessos. No livro, propõe que o Brasil vivera, nos anos 1960, “período pré-revolucionário” que desembocara em “situação revolucionária”. Ou seja, o advento de situação social em que oprimidos e opressores se defrontavam, em forma mais ou menos consciente, em disputa direta e inevitável pelo poder.

 

Essa proposta fulcral tem levado autores contemporâneos a apresentarem indevidamente Gorender como defensor, desde a esquerda, da tese, de direita, das duas conspirações golpistas antidemocráticas – a da direita e a da esquerda, a dos militares e a de João Goulart! (GASPARI: 2002, 51). Nada mais incorreto. O pensador marxista apenas constatava que, naquele momento, para além dos sucessos singulares – Assembleia dos Sargentos no Automóvel Club; Comício da Central do Brasil etc. -, cuja importância costuma ser extrapolada pela historiografia neofactualista, defrontavam-se inevitavelmente a contrarrevolução das classes burguesas e a revolução das classes trabalhadoras e populares.

 

Sem deixar de lado o papel dos protagonistas excelentes - João Goulart, Francisco Julião, Leonel Brizola, Miguel Arraes, Luís Carlos Prestes etc. -, Gorender procura descrever e definir categorialmente as razões profundas do devir e desenlace dos sucessos em questão, jamais pré-estabelecidos, já que, para ele, a vitória dos grandes proprietários foi assegurada pelo abandono da luta pelas classes subalternizadas. “Defendo (em Combate nas trevas) que a derrota de 64 deve-se ao fato de o Partidão (PCB) ter entregado a chefia do movimento a Jango” - explicaria em forma sintética, na entrevista de outubro de 1987 (MAESTRI, 9/10/1987)

 

Uma démarche analítica que lhe permite definir o sentido elementar do 31 de março-1º de abril de 1964, superando, avant les faits, as polêmicas posteriores sobre o caráter do golpe e da ditadura – militar, cívico-militar, primeiro cívico-militar e após apenas militar etc. (MELO: 2014, 95 et seq.). Nesse sentido, retoma a tradição de interpretação dos fenômenos a partir das tendências profundas dos processos sociais, econômicos, políticos, no contexto da luta de classes, no mesmo sentido de analistas como R. A. Dreifuss, Caio Prado Junior, Emília Viotti da Costa, Octávio Ianni, Moniz Bandeira, etc.

 

Nem civil, nem militar: burguês

 

Para Jacob Gorender, em um sentido estrutural, o golpe materializou a ruptura final da “associação íntima entre trabalhismo e projeto de industrialização”, apoiada no capital e no mercado internos. Aliança desenvolvida no contexto da hegemonia político-ideológica do populismo, que garantira à burguesia brasileira a conquista, “em elevado grau, do consenso da classe operária para a construção da nação burguesa” (GORENDER, 2014: 18.).

 

Um populismo, fortemente autoritário durante o Estado Novo, dialeticamente minado pelo impulso que a industrialização encetou no peso e na autonomia tendencial dos trabalhadores. A direção do PCB, em geral, e Luis Carlos Prestes, em especial, teriam sido fortemente responsáveis pela frustração da tomada de consciência dos trabalhadores, ao atrelá-los às propostas de colaboração de classe e de revolução por etapas, antes e após o golpe (GORENDER: 2014, 27).

 

Fortalecidos desde a Greve dos 300 mil, de março-abril de 1953, e pela derrota do golpe em 1961, os trabalhadores teriam conhecido nos anos pré-golpe o momento de maior força na história do Brasil. No contexto da crise recessiva de 1962-65, registro da maturidade capitalista do país, o golpe respondera às necessidades profundas da burguesia de abandonar as instituições democrático-burguesas e o populismo, pelo controle coercitivo extremado dos trabalhadores.

 

Para tal, as grandes classes proprietárias, lideradas pela burguesia industrial, renunciaram à administração direta do país, concedendo aos militares privilégios corporativistas. Um rompimento que, lembra o autor, iniciara quando do defenestramento de Getúlio Vargas, em 1945, reapresentou-se na tentativa putchista de Jânio e na impugnação da presidência de Jango, em 1961. (GORENDER: 2014, 18, 48, 81). Tratava-se de uma tendência, portanto, de sentido profundo e estrutural, que se expressou através dos sucessos conjunturais.

 

Em defesa do passado


No processo de oposição ao oficialismo pecebista, Jacob Gorender empreendeu radical processo de autossuperação político-ideológica, que lhe permitiu romper com o estalinismo e com as propostas etapistas e pacifistas da revolução. Orientação que se tornara política pecebista oficial após a Declaração de Março de 1958, da qual Gorender fora um dos principais redatores! (GORENDER, 2014: 34; MAESTRI, 9/10/1987) Nesse processo, Jacob gorender manteve, inevitavelmente, laços com o passado que rejeitava. Fenômeno certamente facilitado pela maré contrarrevolucionária que se abateria sobre o Brasil, após 1964, e que se mantém até hoje, superado o avanço do movimento social de fins da década de 1970.

 

Combate nas trevas destaca-se e valoriza-se igualmente como arrazoado conclusivo de defesa tardia da ação política da esquerda pecebista, sobretudo nos anos anteriores ao golpe. Orientação que se expressara através de militantes comunistas de destaque de esquerda, derrotados na luta contra a equipe prestista pelo controle da direção do PCB - Câmara Ferreira, Mario Álves, Apolônio de Carvalho, Manoel Joves Telles, Jacob Gorender, etc. Fracasso que levou parte daqueles militantes a fundarem o PCBR, de curta vida, ou a abandonarem totalmente a tradição organizacional leninista, ao lançarem a ALN. (GORENDER, 2014: 105-12)

 

Jacob Gorender critica o calaboracionismo, o reboquismo e o etapismo pecebista. Entretanto, valoriza o programa de aliança com a direção populista-burguesa, ou seja, a luta pelas “reformas de base”. Para ele, esse programa teria garantido o avanço popular e o crescimento do PCB nos anos 1960 (GORENDER, 2014: 35, 42.). Não explica por que os trabalhadores se encontraram, em 1964, em todos os sentidos, desarmados, ao seguirem aquelas consignas. Reconhece, porém, que a esquerda pecebista, da qual fazia parte, propunha, às vésperas do golpe, mais radicalização, sem qualquer superação essencial da aliança colaboracionista.

 

Uma questão nacional

 

O autor desanca igualmente a imitação dos modelos exteriores, ou seja, a obediência à direção da URSS. Mas critica duramente a POLOP e a “estreiteza obreirista do trotskismo” pela incapacidade de “se expressar com habilidade na política concreta” (GORENDER: 2014, 41). Entretanto, POLOP e trotskistas defendiam, desde sempre, o programa socialista e a autonomia operária que Jacob Gorender propõe como grandes déficits da ação do PCB antes do golpe.

 

Em Combate nas trevas praticamente não se aborda a influência, nos anos 1960 e 1970, no Brasil, da luta de classes mundial, à exceção do destaque dado ao surgimento dos grupos armados à sombra do prestígio e do apoio da direção cubana e, um pouco, da influência da China no PC do B e na AP (Ação Popular). É como se, também no Brasil, a revolução fosse questão de um só país! Os graves hiatos políticos do PCB são apresentados como ilusões, enganos, erros, sem raízes nas alianças de classe “(...) o PCB se iludiu (sic) pela aparente concórdia internacional reinante no breve lapso entre a derrota do eixo nazifascista e a deflagração da Guerra Fria” (GORENDER: 2014, 25.).

 

O colaboracionismo, o pacifismo, o etapismo pcbistas são compreendidos como questões essencialmente nacionais, jamais interpretadas a partir de suas raízes políticas, ideológicas e sociais. Aqueles desvios não são integrados na história do movimento comunista internacional. Fica difícil ao leitor contemporâneo compreender ações realizadas no contexto do avanço internacional da luta de classes. Atos, hoje, após décadas de descenso e enfraquecimento do movimento social, literalmente incompreensíveis. De certo modo, para Jacob Gorender, neste e em outros trabalhos, a esquerda organizada surge de interpretação subjetiva, intelectual, das classes trabalhadoras. Não se trata, portanto, do resultado da objetivação teórico e prática, em uma organização, das necessidades dos oprimidos.

 

Discussão necessária


Combate nas trevas: a esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada constitui estudo historiográfico singular das derrotas da esquerda e das classes populares, em 1964, quando teria havido possibilidade de vitória, e em 1967-1973, quando a vanguarda se lançou incondicionalmene ao assalto ao poder, sem possibilidade de vitória. Subjacente à reconstituição sintética e seletiva dos fatos, Combate nas trevas comporta uma tentativa de balanço político das duas derrotas, desde a ótica dos oprimidos e da revolução, para armar e preparar uma eventual vitória, ainda que distante.

 

Na forma e no conteúdo, trata-se de reflexão radicalmente oposta às autocríticas biográficas ou analíticas de ex-militantes, que já pipocavam e se multiplicariam nos anos seguintes. Ex-militantes que se debruçavam sobre aqueles sucessos para anatematizar ou desqualificar o próprio direito à luta das classes oprimidas: jamais houvera possibilidade de vitória; o projeto da esquerda era também totalitário etc. Trabalhos que serviram de passaportes para a melhor inserção possível na política institucional, na administração pública, no mundo acadêmico etc.

 

Jacob Gorender começou a preparar Combate nas trevas, ou seja, sua contribuição à “história da esquerda brasileira” no “pós-64”, imediatamente após a anistia, em 1979. Sempre em condições materiais fortemente precárias, sem qualquer financiamento ou ajuda, concentrou suas atividades no livro em meados de 1985. Considerava o trabalho um “dever (até doloroso) e um desafio”, que não pretendia “subestimar” e já previa o caráter revisionista de “teses em preparo nos meios acadêmicos” (MAESTRI, 04/2004; GORENDER, 10/09/1985; 29/11/1985; 18/03/1985).

 

Jacob Gorender empreendeu seu trabalho segundo o rigor das normas e métodos da ciência historiográfica, mas jamais o considerou como “reflexão acadêmica” (GORENDER, 10/09/1985). Escreveu para o grande público, visando igualmente o balanço necessário a dar-se no seio da esquerda marxista. Compreendia-o como parte de debate que paradoxalmente se deu em forma muito limitada, sobretudo devido ao enorme refluxo que se abateu sobre as classes populares, no Brasil e no mundo, após a vitória da contrarrevolução neoliberal nos anos 1990.

 

Refluxo que ensejou enfraquecimento mundial dos laços orgânicos e políticos da esquerda organizada com a classe trabalhadora, uma das características da história brasileira passada e presente, empobrecendo-a substancialmente. Nesse sentido, a reapresentação de Combate nas trevas constitui importante contribuição à historiografia e à reflexão essencial sobre aqueles sucessos, para melhor compreensão dos dias que vivemos.

 

 

Bibliografia citada

 

GASPARI, E. A ditadura envergonhada. são Paulo: Companhia das Letras, 2002. p.51.

 

GORENDER, Jacob. O escravismo colonial. São Paulo: Ática, 1978. (6 ed. São Paulo: Perseu Abramo, 2011.)

 

GORENDER, Jacob. A burguesia brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1981.

 

GORENDER, Jacob. Gênese e desenvolvimento do capitalismo no campo brasileiro. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.

 

GORENDER, Jacob. Cartas a Mário Maestri, São Paulo, 10/09/1985; 29/11/1985; 18/03/1985.

 

MELO, Damian B. de. O caráter de classe do Golpe de 1964 e a historiografia.  SILVA, Carla L. et al. Ditaduras e democracias: estudos sobre poder, hegemoni e regime políticos no Brasil (1945-2014). Porto Alegre: FCM, 2014. pp. 89-108.

 

MAESTRI, Mário. “Combate nas trevas”, de Jacob Gorender, há anos esgotado, é reeditado. Correio da Cidadania, 11 de julho de 2014. (Reprodução de entrevista a Jacob Gorender, em Milão, em 9 de outubro de 1987, publicado no Diário do Sul, Porto Alegre, XX outubro de 1987.

 

MAESTRI, Mário.O Escravismo Colonial: A revolução Copernicana de Jacob Gorender. Revista Espaço Acadêmico, nº 35 e 36, abril e maio de 2004. Mensal. ISSN 1519.6186. http://espacoacademico.com.br/035/35maestri.htm

 

Mario Maestri é historiador.

Recomendar
Última atualização em Segunda, 13 de Outubro de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates