topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Uma guerra que começa perdida Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Qui, 25 de Setembro de 2014
Recomendar

 

 

Na campanha presidencial de 2008, Barack Obama prometeu acabar com as intervenções militares estadunidenses no exterior. Até ganhou o Nobel da Paz por isso.

 

Na verdade, ele as espalhou por outros países. Saiu do Iraque, sim, mas foi nos termos de um acordo fechado por Bush com o governo local.

 

Obama até tentou prolongar a permanência de soldados norte-americanos. Queria manter 10 mil assessores e militares das forças especiais, os quais só não ficaram porque o governo do Iraque insistiu em que eles deveriam se submeter à justiça local.

 

A retirada no Afeganistão virá no fim do ano, 13 anos depois da invasão. Não será total, uns 10 mil treinadores militares e soldados das forças especiais continuarão no país. O governo afegão mostrou-se mais submisso do que o do Iraque.

 

Além disso, Obama levou a guerra também ao Paquistão, Iêmen e Somália. Nesses países, os drones operados pela CIA e pelo Pentágono já mataram muitas centenas de civis ao serem lançados contra alvos do Taliban e da al Qaeda.

 

As guerras do Iraque e do Afeganistão cobraram um pesado preço: quase 6 mil soldados mortos, quase 100 mil feridos e 635 mil voltando aos EUA com doenças físicas e psicológicas, além de cerca de dois trilhões de dólares que saíram dos bolsos do povo norte-americano.

 

E fizeram muita falta na crise que ainda assola o país. Estas guerras, mais os ataques dos drones, custaram uma aceleração do antiamericanismo em todo o Oriente Médio e levaram legiões de jovens indignados a se alistarem nas organizações jihadistas.

 

Diante de perdas tão consideráveis, os norte-americanos pouco ou nada ganharam. É certo que eliminaram o regime do ditador Saddam Hussein, o qual, aliás, não ameaçava os EUA.

 

Mas a Al-Qaeda, que antes da guerra praticamente não existia no Iraque, cresceu de forma desmesurada, graças à sua aura de paladino do Islã contra o invasor infiel, tornando-se uma potência.

 

Diz Richard Clarke, ex-assessor de antiterrorismo no governo Bush, que Bin Laden queria a invasão do Iraque porque assim mais muçulmanos tomariam armas contra os EUA, por estarem destruindo sua terra e seu povo. De fato, só as guerras do Iraque e do Afeganistão vitimaram mais de 500 mil civis.

 

Fortalecida, a Al-Qaeda iraquiana teve recursos para enviar tropas de milicianos à Síria, que se tornaram a força mais poderosa na revolução contra o governo Assad. Foram membros desse grupo que acabaram criando o ISIS e o Estado Islâmico.

 

No Afeganistão, os maus resultados se repetem. Os EUA, apoiados pela OTAN, derrubaram o governo Taliban e fundaram um regime razoavelmente democrático. Mas os talibans continuam controlando boa parte do país.

 

No fim do ano, os EUA e a OTAN retiram-se, deixando o Afeganistão seriamente ameaçado pelos milicianos fundamentalistas. E agora, apesar das frustrantes experiências bélicas recentes, Obama lança os EUA em mais uma guerra no Oriente Médio.

 

Ele jura que se limitará a bombardeios aéreos no Estado Islâmico e o aniquilará, sem jamais usar forças terrestres. Quem lutará em terra serão os curdos, o exército do Iraque e os rebeldes moderados sírios, armados e treinados pelos EUA.

 

Realistas, os generais Dempsey, chefe do Estado Maior das Forças Armadas, e Odierno, Comandante do Exército, já afirmaram que a aviação sozinha não ganha guerras: os EUA teriam de enviar tropas terrestres. Claramente eles não acreditam que os combatentes locais deem conta do recado.

 

De fato, os iraquianos têm demonstrado fraqueza diante dos aguerridos milicianos do Estado Islâmico. E os curdos mal podem defender seus territórios contra esses terríveis adversários.

 

Ainda assim, o exército do Iraque pode por em ação um grande número de soldados e os curdos têm se revelado bons guerreiros.

 

Bem armados pelos EUA e contando com um provável apoio militar do Irã, eles poderão encarar o ISIS e até reduzir o califado a posições engastadas nas montanhas.

 

Já na Síria a coisa é outra.

 

Os moderados pró-Ocidente, o chamado Exército Sírio Livre, a quem Obama confere o papel principal na coalizão anti-ISIL, não são nada confiáveis.

 

Ao anunciar todo apoio a esses rebeldes para formarem uma força terrestre capaz de destruir o inimigo, ele se contradiz. Em agosto, havia declarado em entrevista que armá-los seria “uma fantasia”, nunca fora considerada uma estratégia viável...

 

No New York Times, de 19 de setembro, o correspondente de guerra Ben Hubbard os descreveu como “um grupo muito assediado, longe de se tornar uma força que possa enfrentar os combatentes fanáticos e agressivos do Estado Islâmico”.

 

Ele cita declarações de Bayyoush, líder da brigada moderada Fursan al-haq, bem comprometedoras: “Nós os estimulamos (o ISIS), na verdade. E se eles precisam de veículos, nós fornecemos”.

 

Por sua vez, o ex-congressista republicano Ron Paul afirma em Anti-war de 23 de setembro que, em julho, uma brigada inteira de um grupo apoiado pelos EUA uniu-se ao ISIS, levando consigo seus armamentos.

 

Lembre-se ainda que os moderados sírios já deixaram claro que não estão motivados a atacar os milicianos do Estado Islâmico; seu alvo é o regime Assad. O que faz acreditar que a coalizão montada por Obama só poderá contar da parte deles com algo parecido a uma colaboração part-time.

 

Para torná-los uma força à altura dos desafios da guerra, Obama irá treinar cinco mil rebeldes moderados e equipá-los com armas modernas, até mesmo pesadas.

 

O general Dempsey informou que essa tropa só poderá entrar em ação depois de um ano de treinamentos.

 

Enquanto isso, a luta em terras da Síria contra o ISIS ficará a cargo do grupo frágil, não confiável e focado principalmente nos ataques a Assad, isto é, o atual e moderado Exército Sírio Livre.

 

Não são muito boas as perspectivas da cruzada pregada pelo presidente Obama.

 

Seriam melhores se ele deixasse de lado o desejo de agradar a Arábia Saudita e os países do Golfo, inimigos de Assad, e convocasse também a Síria para integrar a frente anti-ISIS.

 

Afinal, o regime de Damasco conta com um exército organizado e bem armado, capaz de vibrar duros golpes no ISIS, ainda mais se apoiado pela força aérea norte-americana.

 

Além de recusar a colaboração de Assad, Obama ainda está bombardeando território sírio sem autorização do seu presidente, numa clara violação da soberania do país.

 

E para garantir a participação dos moderados na coalizão anti-ISIS, ele reafirmou sua disposição de continuar ajudando a combater Assad.

 

Com isso, vejamos o que está acontecendo no front sírio: os EUA lutam contra o ISIS e contra Assad; os moderados lutam contra o ISIS e eventualmente aliam-se com eles contra Assad; Assad luta contra os moderados e contra o ISIS.

 

Nesta exótica confusão, quem sai ganhando é o ISIS, que vê seus inimigos lutando entre si e até se aliando aos sanguinários terroristas.

 

No Iraque, o predomínio das razões políticas estadunidenses também pesa a favor do ISIS. Ali, os EUA se recusam a agir em coordenação com os iranianos para evitar atritos com Israel.

 

É claro que, sendo vizinhos do Iraque, e muçulmanos xiitas como eles, o Irã poderia enviar tropas para território iraquiano, sem problemas com seu povo.

 

No entanto, por enquanto, o governo Obama acha Assad e o Irã dispensáveis. Ele prefere adotar as soluções norte-americanas tradicionais no Oriente Médio: o apelo às armas. Não tem dado certo.

 

Pode, como a história tem provado, obter sucessos militares, na verdade, ilusórios.

 

Os EUA participaram da coalizão do Ocidente e aliados que vitaminou a revolução contra Kadafi. Com sua vitória, a Líbia se tornou uma anarquia, dominada por facções radicais, autoras de assassinatos de autoridades, inclusive do embaixador dos EUA.

 

Dos grupos armados pelos EUA que expulsaram os comunistas do Afeganistão saíram os talibans e a Al Qaeda. Responsáveis por muitas vidas perdidas de soldados e civis estadunidenses.

 

E a derrubada de Saddam Hussein gerou a forte Al-Qaeda iraquiana, que gerou o ISIS, que certamente vai gerar algo pior. Que, aliás, já se encontra em final de gestação: o Khorasan, movimento formado com o objetivo maior de promover atentados nos EUA e países ocidentais aliados.

 

E, agora, mais uma vez, os EUA estão tratando das consequências e não das causas das crises no Oriente Médio.

 

E a causa é a política externa dos EUA. Seu apoio desmedido a Israel, que massacra e humilha o povo palestino, e aos regimes ditatoriais do Oriente Médio. Tudo isso gera um profundo antiamericanismo entre os muçulmanos.

 

Cada intervenção militar intensifica esse ódio, potencializado pela incapacidade (ou fraqueza) dos governos árabes de se oporem à hegemonia americana.

 

Bombas não vão destruir o antiamericanismo. Só mesmo uma mudança de rumos. A política internacional dos EUA teria de passar a ser neutra, norteada pela justiça, o respeito às leis internacionais e aos direitos humanos.

 

Os muçulmanos os olhariam melhor se usassem de seu poder para pressionar Israel a aceitar uma Palestina independente e viável. E a Arábia Saudita e outras ditaduras da região a se comportarem de acordo com as normas da civilização.

 

Haveria fortes reações nos EUA contrárias a essa linha de ação, com argumentos aparentemente sólidos.

 

De fato, agindo assim, os EUA estariam desagradando fiéis aliados, até preferenciais, como Israel e, em nível inferior, a Arábia Saudita. Além de favorecer alguns críticos e até adversários de hoje (Irã, Hamas, Assad).

 

Um dos pais da independência norte-americana deu sua opinião sobre esta questão, no discurso de despedida da presidência.

 

George Washington: “Nada é mais essencial do que excluir antipatias permanentes e inveteradas contra certas nações e relações fixas com outras”.

 

Leia também:

Impactos na coalizão anti-ISIS

IS: uma variante fundamentalista fora de controle ou um elemento da estratégia do Ocidente no Oriente Médio?

Como os EUA destroem o Iraque e a Síria

 

Luiz Eça é jornalista.

Website: Olhar o Mundo.


Recomendar
Última atualização em Terça, 30 de Setembro de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates