topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Dilma e o ingresso no Conselho de Segurança da ONU Imprimir E-mail
Escrito por Virgílio Arraes   
Sexta, 12 de Setembro de 2014
Recomendar

 

 

Discursos de posse de autoridades costumeiramente anunciam as intenções do mandato ou às vezes até chegam a apresentar planos mais bem delineados das áreas em que o futuro dirigente tem mais inclinação ou experiência.

 

No caso da presidência da República, em vista do tempo da locução ao público e da abrangência da responsabilidade política, a fala é assaz genérica, de maneira que se possam recordar os principais pontos da campanha na vindoura administração.

 

No caso de Dilma Rousseff, a expectativa do eleitorado dirigia-se ao segmento de energia, onde ela havia-se destacado aos olhos da gestão predecessora.

 

Nesse sentido, apontava ela que em termos de pesquisa, inovação e preocupação ambiental “o grande agente desta política é a Petrobrás, símbolo histórico da soberania brasileira na produção energética” - http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-o-planalto/discursos/discursos-da-presidenta/discurso-da-presidenta-da-republica-dilma-rousseff-durante-compromisso-constitucional-perante-o-congresso-nacional

 

No tocante à política externa, a presidente indicava que o Brasil manteria o norte ‘clássico’, ou seja, a autodeterminação dos povos, a promoção da paz, a defesa dos direitos humanos e a valorização do multilateralismo, o que implicava dedicar-se ao robustecimento de instituições regionais como Mercosul e Unasul.

 

Relativamente aos organismos mundiais, Rousseff manifestava a necessidade de reforma deles, notadamente a do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, estruturado logo depois da Segunda Guerra Mundial.

 

Diante disso, ensejar-se-ia de fato a inevitabilidade de nova composição dos assentos permanentes, em função do atual quadro contemporâneo, em que potências tradicionais convivem mais com as chamadas emergentes.

 

Não se negaria a imperatividade da reconfiguração do organismo onusiano, haja vista a composição de equilíbrio de poder nas relações internacionais ser sempre conjuntural, mas isto não implicaria a participação fixa do Brasil naquele importante conselho.

 

A razão seria a insuficiência de predicados essencialmente militares e econômicos. Mesmo assim, isto não desestimulou o governo a desistir da questão ou ao menos a suspender temporariamente o desejo, a não ser a partir do momento em que a adversidade financeira interna se fortaleceu.

 

Durante os primeiros dias de governo, correta foi a decisão de planejar a visita a países próximos comercial ou politicamente. Deste modo, relacionaram-se futuras viagens aos Estados Unidos e China bem como à Argentina e Uruguai.

 

O pleito de participação frequente do Conselho de Segurança não foi posto de lado por um dos mais significativos aliados do Brasil: Portugal, segundo país visitado por Rousseff durante sua gestão – março de 2011.

 

Combalido financeiramente, a pequena nação atlântica afirmou o apoio irrestrito à aspiração brasileira tanto na data da posse, via primeiro-ministro José Sócrates, como na viagem a Lisboa, através do presidente Cavaco e Silva.

 

Especulou-se que a aproximação teria como uma possível contrapartida a aquisição de títulos lusos da dívida pública, ofertados ainda no final da administração Lula. Ao cabo, nem um, a candidatura à vaga eventual, nem outro, a compra dos títulos, prosperou.

 

Leia também:

Brasil: redefinir a política externa

 

Virgílio Arraes é doutor em História das Relações Internacionais pela Universidade de Brasília e professor colaborador do Instituto de Relações Internacionais da mesma instituição.

Recomendar
Última atualização em Segunda, 15 de Setembro de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates