topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O estranho sumiço do saneamento básico no debate eleitoral Imprimir E-mail
Escrito por Afonso Capelas Jr.   
Quarta, 10 de Setembro de 2014
Recomendar

 

 

 

Saneamento básico é um mico para a maioria dos políticos brasileiros. Todo mundo sabe: obras de melhorias na coleta e tratamento de esgotos e na canalização de água potável ficam debaixo da terra, o eleitor não vê. Simplesmente não rende votos e custa caro. Então, pela lógica desses homens públicos, não vale a pena perder tempo com isso. A consequência: em pleno século 21, a maioria das grandes cidades brasileiras continua na lama, para não ser indelicado, com todos os seus efeitos colaterais.

 

É o que concluiu o “Ranking do Saneamento 2014” preparado pelo Instituto Trata Brasil, respeitadíssima organização não governamental especializada na questão. Cem maiores municípios foram analisados tomando-se como base os dados de 2012 do Sistema Nacional de Informação sobre Saneamento (SNIS) do Ministério das Cidades.

 

O ranking investigou, não somente a coleta e o tratamento de esgotos nas cidades com mais de 250 mil habitantes, como também a expansão da rede de abastecimento de água e as perdas provocadas por tubulações velhas e ligações clandestinas.

 

Logo de cara, algumas constatações gritantes: as duas cidades mais ricas do país – São Paulo e Rio de Janeiro – tratam apenas a metade de seus esgotos (São Paulo, 52,15%; e Rio, 50,2%). Enquanto isso, Franca, no interior paulista, consta como primeira no ranking de melhor cidade em termos de saneamento básico. Em 2012 promoveu a coleta de 100% de seus esgotos e fez 98,8% do seu devido tratamento.

 

Já a cidade de Santos, no litoral de São Paulo, também foi a única que nesse mesmo ano foi 100% em coleta e tratamento. Curitiba é a capital com os melhores serviços de abastecimento de água. A despeito desse bom desempenho, duas capitais – Porto Velho e Cuiabá – vergonhosamente não contam com nem um por cento de tratamento de esgotos. Aliás, as cidades do Norte e Nordeste brasileiro são as piores em saneamento básico. O Sudeste apresenta 16 das 20 cidades com melhores notas.

 

De todos os municípios brasileiros avaliados, 55 tratam só 40% dos esgotos. E 34 deles não têm seus Planos Municipais de Saneamento Básico (PMSB) definidos. Imagina-se a situação das cidades menores.

 

Determinado por uma lei federal de 2007, o Plano Municipal de Saneamento Básico tem como premissa universalizar os serviços de saneamento básico no país. Entretanto, de acordo com o ranking do Instituto Trata Brasil – e pelo andar dessa tartaruga manca –, o objetivo não será atingido nos próximos vinte anos, como estava previsto.

 

O resumo da ópera é este: diariamente o Brasil despeja no meio ambiente 2.959 piscinas de esgotos sem qualquer tratamento. Cada piscina tem capacidade para 2,5 milhões de litros. É muito. Além de contaminar os nossos recursos hídricos, esse monte de lama fétida pode ser responsável por casos de doenças como verminoses, hepatite A, dermatites e diarreias que entopem os hospitais.

 

Conclui o “Ranking do Saneamento 2014” (que pode ser acessado integralmente aqui): “…esta nova edição do ranking revela que os avanços nos serviços de água e esgotos, assim como na redução das perdas de água nas 100 maiores cidades, continuam lentos e que, a se manterem os mesmos níveis de avanços encontrados de 2008 a 2012, não ocorrerá a tão sonhada universalização dos serviços em 20 anos. Os resultados mostram a necessidade de haver um maior comprometimento dos governos federal, estaduais e municipais, se quisermos universalizar o saneamento em duas décadas”.

 

É bom lembrar disso na hora de ir às urnas.

 

 

Afonso Capelas Jr. é jornalista e escritor especializado em meio ambiente, ecologia e sustentabilidade.

Publicado por Outras Palavras - http://outras-palavras.net


Recomendar
Última atualização em Quarta, 10 de Setembro de 2014
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates