Debate presidenciável

0
0
0
s2sdefault

 

 

Debate entre candidatos a presidente da República iniciar às 10h da noite e terminar a 1h da madrugada? Não deve ser recomendável a crianças e idosos, nem a quem cedo madruga para a labuta diária.

 

Fosse às 8h da noite, a nação, desperta, ficaria atenta ao que diz e promete seu futuro governante.

 

Quem sabe a censura, em sua sabedoria, tenha previsto a troca de ofensas e decidido retardar o debate! Segundo o Aulete, chamar um candidato de “leviano” é tachá-lo de “irrefletido”, “não maduro no pensar e no proceder”. Pior ainda é aplicar o adjetivo a uma candidata, “mulher namoradeira e mal comportada”.

 

Se não elucida programas de governo, ao menos o debate tem o mérito de obrigar quem ocupa a presidência da República a descer do pedestal. Em que outra ocasião, durante os quatro anos de mandato, o presidente pode ser questionado cara a cara, sem constrangimento? Infelizmente, em nenhuma.

 

Os ministros, que deveriam ser os interlocutores do chefe, se pelam de medo de, como os peixes, morrerem pela boca. A oposição diz o que pensa, mas jamais olho no olho.

 

O debate aponta, portanto, os vícios de nossa institucionalidade política. Presidente deveria ser obrigado a se licenciar do cargo em campanha eleitoral. Quem consegue separar o chefe de Estado do candidato?

 

A liturgia do debate lembra tiro aos bonecos em parque de diversões. Todos miram no adversário com intenção de acertar o alvo e derrubá-lo. Como a retórica gerou um filho leviano, o sofisma, logo se recorre a ele para responder a qualquer questionamento.

 

A impressão que se tem é de que são todos candidatos a ditadores. O presidente pode tudo: com uma canetada, reduzir o número de ministérios; domar a inflação; diminuir os juros; estatizar o que é privado ou privatizar o que é público. Sem nenhuma mediação das instituições democráticas. A vontade do rei é lei!

 

O saldo do debate é evidente: urgência de reforma política! Para isso, devemos dar o nosso apoio à proposta de Coalizão pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas, promovida por várias entidades e movimentos sociais. E participar do Plebiscito da Semana da Pátria.

 

Curioso é que, no debate, ninguém tenha mencionado a redução do número de partidos políticos e o fim do financiamento de campanhas por pessoas jurídicas.

 

As grandes ausentes do debate foram a proteção ambiental e a base da democracia – o fortalecimento da sociedade civil.

 

 

Frei Betto é escritor, autor de “Calendário do Poder” (Rocco), entre outros livros.


Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados