topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Para assinar o boletim de notícias preencha o formulário abaixo:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...

Resenha

Paraguai: fala-se muito, sabe-se pouco

Imagem

  Paraguai: A República Camponesa: 1810-1865, de Mario Maestri, 250 págs, Ano 2014  
Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2014   Jan
SMTWTFS
   1  2  3  4  5  6
  7  8  910111213
14151617181920
21222324252627
28293031 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Às vésperas dos Jogos, Londres “limpa” área do parque olímpico de pobres e indesejados Imprimir E-mail
Sexta, 18 de Maio de 2012
Recomendar

 

Ativistas e ex-moradores do leste da capital britânica criticam especulação imobiliária e despejos em virtude dos Jogos Olímpicos.

 

Faltam pouco mais de dois meses para o início da Olimpíada de Londres. A tocha, que já foi acesa na Grécia, vai percorrer o mundo e circular pelas ruas da capital britânica até acender a pira no Parque Olímpico de Stratford, zona leste da cidade. Dentro do estádio, 80.000 pessoas vão vibrar com a cerimônia de abertura enquanto, do lado de fora, moradores, ex-moradores e ativistas vão denunciar a “limpeza” da área, uma das mais empobrecidas do país, feita à base de políticas agressivas de coerção e remoção de pessoas em favor do “benefício econômico”.

 

Dois exemplos recentes, retratados pelo jornal britânico The Guardian e pela rede estatal BBC, mostram como políticas públicas, aliadas à especulação imobiliária, desfiguraram a zona leste de Londres. O primeiro revelou os efeitos perniciosos da criação de “zonas de dispersão”, com o intuito de facilitar abordagens e remoção de pessoas com “comportamento anti-social” da área do Parque Olímpico. O segundo expôs a alta dos aluguéis na região e o conseqüente aumento no número de despejos praticados por proprietários ávidos pelo “dinheiro olímpico”.

 

Todos os dados expostos pela imprensa britânica têm como fonte o Games Monitor (www.gamesmonitor.co.uk), ONG responsável por investigar e apresentar relatórios sobre as conseqüências dos Jogos Olímpicos para a cidade. A iniciativa, comparável à do Movimento Nossa São Paulo, já demonstrou em documentos bastante detalhados, compilados por voluntários, estudantes e especialistas, o crescimento no valor dos imóveis do leste de Londres, a explosão nos preços dos aluguéis e a prática de despejo.

Chama a atenção, de acordo com a ONG, como as práticas atravessam todo o espectro político britânico desde que Londres foi selecionada para sediar a Olimpíada. Novos Trabalhistas, liderados por Tony Blair, iniciaram o processo, agora assumido e levado a cabo pelo conservadorismo de David Cameron. Ambos sempre exaltaram os “benefícios” que a Olimpíada traria ao Reino Unido.

 

Regeneração ou gentrificação?

 

A zona leste de Londres, uma das áreas mais pobres do país, já foi laboratório de pesquisa para o escritor Jack London, que resultou no best-seller O povo do abismo, e para o sociólogo Friedrich Engels, que ainda em sua juventude visitou o East End para escrever A condição da classe operária na Inglaterra. Ambos são retratos do início do século 20 que, com nova dose de alarmismo dos distúrbios do verão passado, povoam o imaginário londrino e engendram o movimento de “regeneração” da área, encampado por governo e proprietários.

 

“Para mim, a gentrificação (processo de exclusão econômica) é liderada pelos proprietários, mas facilitada por planejadores e tomadores de decisão. Comumente, em círculos de ativistas, ‘regeneração’ é tratada como ‘gentrificação patrocinada pelo Estado’. A explosão do preço das propriedades na cidade Olímpica/Stratford, no leste de Londres, parece ser um exemplo de ambas as coisas”, afirmou ao Opera Mundi a pesquisadora Carolyn Smith, colaboradora do Games Monitor.

 

Carolyn dá como exemplo documento elaborado pela Subprefeitura de Hackney, que administra os distritos mais afetados pelos Jogos. Intitulado “Convergence Strategic Regeneration Framework” (Modelo de Regeneração e Convergência Estratégica), ele impõe uma política que estimula a “mistura social” para nivelar as oportunidades na capital britânica.

 

“O documento essencialmente ignora a situação da população do leste de Londres – ele nos trata como um grupo problemático, dependente de auxílio-desemprego, aluguel social, salários baixos e que se mudam demais”, disse a pesquisadora, avessa à “tecnocracia perniciosa”. “Há nesse caso um privilégio de classe bastante definido, uma preferência por classes mais ricas e uma falta de comprometimento em diminuir as verdadeiras polarizações sociais.”

 

O leste de Londres é recipiente de ondas de imigrações desde o século 17. Já se estabeleceram ali franceses huguenotes, irlandeses, judeus e, desde a década de 1960, tornou-se lar para migrantes de Bangladesh. O distrito de Tower Hamlets e Newham, no sudoeste, é lar para a maior comunidade muçulmana da capital britânica. Eles são os principais afetados pela construção do Parque Olímpico.

 

“As pessoas são informadas sobre as mudanças, e não consultadas para moldá-las. Governos sob todas as administrações e em todos os níveis parecem ignorar as críticas sobre suas políticas urbanas. Nesse caso, elas (moradoras do leste de Londres) foram caladas pela falta de uma organização que lhes desse voz”, disse Carolyn.

 

‘O governo mente desde o primeiro dia’

 

A irritação com as medidas do governo britânica é evidente em Julian Cheyne. Ex-morador de um condomínio social, o Clays Lane Peabody Centre, em Stratford, ele foi despejado e o conjunto demolido para dar lugar ao Parque Olímpico. O Clays Lane, construído em 1977 e composto por 57 casas, era conhecido como a maior cooperativa de moradores do Reino Unido e a segunda maior da Europa. Todos foram removidos para outras áreas.

 

“A Olimpíada de Londres mostra como o governo mente desde o primeiro dia. Eles classificam todo tipo de coisa como ‘benefício’, mas são coisas que nada têm a ver com a Olimpíada”, afirmou Cheyne ao Ópera Mundi. “Despejos são característicos de megaeventos como a Olimpíada, e isso resulta em comunidades pobres desabrigadas e em desvantagem. O comércio pequeno e local não vai conseguir nada com a Olimpíada. Estamos falando de poder das corporações, que se beneficiam”, continuou.

 

Para Cheyne, o Rio de Janeiro, palco para os próximos Jogos, em 2016, precisa estar alerta ou “será tarde demais”. “O discurso de que a Olimpíada traz ‘benefícios’ será apresentado como um assunto de importância nacional, atropelando todas outras quaisquer considerações. Infelizmente, é provável que a maioria dos brasileiros aceite esse argumento e que seja difícil de persuadi-los do contrário. Isso até o momento em que as pessoas vejam o que realmente está acontecendo e passem pela grande dor de cabeça que é a Olimpíada”, afirmou.

 

Roberto Almeida, Ópera Mundi.

 

Recomendar
 

Editorial

2014: um museu de grandes novidades


    2014, o décimo segundo ano dos mandatos petistas à frente da República, e o último da primeira gestão de Dilma Rousseff, termina melancólico. Na política, na economia e no meio ambiente. O ano que começou sob signos tão emblemáticos como a reedição em solo pátrio do máximo acontecimento futebolístico mundial e a realização de eleições presidenciais chega ao final com conturbações que sintetizam os paradoxos de um modelo de “desenvolvimento” que aponta sinais de esgotamento.  

Leia mais...

Vídeos

Entre a cheia e o vazio

Imagem

A cheia histórica do rio Madeira em 2014 e seus nexos com as UHEs Santo Antônio e Jirau.  
Leia mais...

A Ordem na Mídia

‘Esperamos que o governo avance um novo marco regulatório para as comunicações’


“Enquanto a imensa maioria do espectro radiofônico é controlada por grupos empresariais que visam o lucro, as emissoras comunitárias carecem de apoio, quando não são criminalizadas. O acesso à internet ainda é excludente. O exercício da liberdade de expressão é praticado por quem detém a propriedade”, resumiu a jornalista Bia Barbosa.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates