Edição 991

  • ‘Belo Monte é muito criminoso, chocante e indignante’

    Antônia Melo, militante de longa data contra Belo Monte, acabou de perder sua casa para a truculência do Consórcio construtor e concedeu uma entrevista carregada de emoção ao Correio da Cidadania

  • Greve em Porto Alegre mostrou que governos e sindicatos abandonaram os trabalhadores

    “A greve se deu por conta de uma questão de segurança bastante complicada, sob a ocorrência de vários assaltos, em níveis absurdos neste ano. O governo gaúcho corta parcela dos salários dos servidores e criou uma série de impostos. Porém, logo após a aprovação da nova carga tributária já atrasou o pagamento de setembro.

  • Rússia no Oriente Médio: dilema para os países norte-atlânticos

    Com a inesperada vinda à confrontação da França e da Grã-Bretanha, por mais opaca que seja a atuação até o momento, os Estados Unidos terão de redefinir sua postura naquela vasta área.

  • Obama em más companhias

    Dezenas, talvez centenas de políticos, estão sempre prontos a serem convencidos por argumentos impressos em dólar. Além dos muitos políticos que são war mongerings por convicção. Um bando deles circula ao redor do presidente.

  • As recentes manifestações do condomínio do poder

     

    altTanto a direita de oposição quanto o governo de direita fracassaram em levar pessoas às ruas. O jogo do impeachment será jogado nos palácios e não nas ruas. As ruas rejeitaram o jogo.

     

  • O silêncio ruralista diante da crise da água

     

    altAqui no vale do São Francisco há uma guerra surda entre os vários setores da produção pelo que resta de água. Entretanto, é um rio dependente do Cerrado. Sem os aquíferos do Cerrado, particularmente o Urucuia, não existe São Francisco. Então, senadora, a equação não fecha.

  • Mães de Maio denunciam perseguição da PM de SP contra familiares de vítimas de grupo de extermínio

    altPolicial militar ameaçou prender por tráfico de drogas avó de jovem assassinado em 2010. Procurado, o Comando-Geral da PM de SP não se manifestou. Já a cabeleireira Vera Lúcia dos Santos sabe o que é ser vítima de criminalização por lutar por Justiça.

  • “Fernando Haddad é tão higienista quanto Gilberto Kassab”

    A população de rua da cidade de São Paulo está estimada em cerca de 16 mil pessoas e nos atentamos ao que acontece especificamente na Avenida Radial Leste, debaixo dos viadutos Bresser e Alcântara Machado.

  • Para moradores de rua, “a constante é o desrespeito, a insensibilidade e a desumanização da cidade”

    O centro da cidade de São Paulo é um dos melhores termômetros para se sentir as carências e desigualdades sociais que vivemos. E nesta entrevista falamos com uma das figuras que mais estende a mão a sem tetos, imigrantes, viciados, dentre outras pessoas em situação de vulnerabilidade: Padre Júlio Lancellotti.

  • Cunhando sem nenhuma culpa

    altÉ aí que mora o perigo: o perigo da identificação: “se ele pode, eu também posso”. E isso a mídia adestrada coloca com toda força no jornal, na televisão, na internet. O perigo é virar uma epidemia. Crianças e adolescentes são alvos fáceis, os mais suscetíveis. A ideia é formar uma nova geração de adultos dóceis e colonizáveis, usando a máquina de alienação e regressão.

  • Apreensões e advertências

     

    alt“A CNBB levanta sua voz para colaborar, fazendo chegar aos responsáveis o grito de dor desta nação atribulada, a fim de cessarem as hostilidades e não se permitir qualquer risco de desrespeito à ordem constitucional”.

  • Após rebeliões populares de 2013, classe política brasileira acelera desconstrução da democracia

    Esses três breves eventos (manifestações de 2013, eleições de 2014 e campanha do impeachment de 2015) evidenciam, na conjuntura do triênio 2013-2015, uma questão política e social em ebulição, provavelmente não incorporada ao repertório convencional do sistema político.

  • O boteco do PT

     

    altA crise brasileira é a crise da democracia virtual que predomina no Ocidente. Desde quando se introduziu o sufrágio universal, a suposta democracia política jamais coincidiu com efetiva democracia econômica.