Edição 980

  • Enquanto isso, longe de Marte...

    altDescobriram água em Marte. Um passo gigantesco para comprovar que existem outras formas de vida, longe da Terra. Seria fantástico conhecer habitantes dos outros planetas, não é mesmo? Enquanto isso, a vida humana na terra é cada vez mais desprezível.

  • Guilherme Boulos: “Não há saída mágica, é preciso retomar as ruas e o trabalho de base”

    alt“O caminho para a retomada de um novo ciclo de mobilizações é o aprofundamento e a radicalização do trabalho de base. É o que nós acreditamos e vemos a Frente Povo Sem Medo como um instrumento para atingir esse objetivo”, afirma Guilherme Boulos, em entrevista concedida ao Correio da Cidadania.

  • Sobre a vida em Cuba: resposta a Milton Temer

    altÉ preciso viajar nos escassos e péssimos ônibus que cruzam com enormes dificuldades a ilha, morar com o campesino oprimido, com o pescador explorado, com o universitário ansioso, com o homossexual abusado, entediado; é preciso ficar bêbado numa roda de salsa para se compreender o que de fato acontece ali, longe das surradas cantilenas romantizadas.

  • Migração e evasão de cérebros

    altSó têm alguma chance de integração em um país mais rico as pessoas com uma capacidade de trabalho minimamente sofisticada. Em resumo, migram, em especial para os países industrialmente desenvolvidos, as pessoas melhor escolarizadas.

  • O estrebuchar da classe média

    altEssa classe média é estúpida porque sai às ruas agredindo moralmente aqueles que lutam por um país melhor; aqueles que se ocupam de questões coletivas, como as injustiças sociais, a destruição ambiental, a saúde pública, a educação pública, a questão indígena, a discriminação, a crise dos refugiados ou a opressão em geral.

  • Um sínodo, um pontificado

     

    altNeste domingo, 4 de outubro, dia de São Francisco, começa em Roma o aguardado sínodo sobre a família. Ele se prolongará até o dia 25. Será seguido de perto, não só pela Igreja Católica, mas por muita gente que intuiu este sínodo servirá para a definição do pontificado do papa.

  • Repisando “narrativas”: mudar para sair da crise

    altO documento "Mudar para Sair da Crise, Alternativas para o Brasil Voltar a Crescer”, é uma clara contestação aos movimentos reacionários que procuram destruir não só os avanços sociais dos governos petistas, mas também as conquistas democráticas da Constituição de 1988.

  • A volta do trabalhismo inglês para a esquerda

    altA luta de Jeremy Corbyn, em 30 anos, tem objetivos bem modernos. Seu principal alvo é combater o tipo de austeridade financeira que busca o equilíbrio às custas dos sacrifícios das classes trabalhadoras e do Estado do Bem Estar Social. Pode ser considerado um esquerdista moderno, como os líderes do Syriza e Podemos.

     

  • A notícia viva em Mytilene

    altO jornalismo não poderia ficar preso a um único tema por tanto tempo. Realidades vivas passam a ser camufladas e desconsideradas como temas relevantes. Enquanto isso, milhares seguem fazendo uma travessia bem sucedida diariamente à ilha de Lesvos e outras ilhas gregas.

  • Ações ao redor do mundo relembram um ano do massacre de Ayotzinapa

    altPara além das cidades mexicanas, a solidariedade à luta de Ayotzinapa se espalhou pelo mundo, fazendo valer a ideia de que “se eles globalizam a barbárie, nós globalizamos a resistência”.

  • Movimento pendular das decisões do setor de petróleo

    altCom as mudanças na lei que regula a atividade petrolífera, ou as petrolíferas estrangeiras ganham ou a sociedade brasileira ganha. Não há a hipótese de ambas ganharem com uma mesma mudança.

  • Corrupção + nuclear = mistura explosiva

    altEm maio de 2010, Angra 3 foi indevidamente licenciada. Para coroar, conseguiu-se arquivar uma Ação Civil Pública do MPF pela nulidade da licença concedida. Agora se sabe que propinas foram pagas desde 2009, antes mesmo da outorga da licença.

  • Estados Unidos e Santa Sé: a presença franciscana

    altEm comum, a despeito de divergências sobre a intensidade, o entendimento de Cuba com os Estados Unidos, a regularização do programa nuclear do Irã, a apreensão com a progressiva mudança climática e a inquietação com a imigração mediterrânea, uma crise humanitária de larga escala.

  • Os povos indígenas, os fazendeiros e o governador de Mato Grosso do Sul

    altAs autoridades estaduais querem passar distante do problema criado pelas elites regionais. Agem para não sofrerem qualquer desgaste em suas bases eleitorais e, ao mesmo tempo, aproximarem-se dos ricos produtores rurais em busca do financiamento. Trata-se de um problema cujas origens remontam ao século 19.

  • Tsipras está destinado a fracassar: os verdadeiros vencedores na Grécia são os agiotas

    altA redução da dívida chegará, mas não será uma medida terapêutica. Mas já existe um acordo sobre um pacote ainda mais severo de austeridade – absurdos superávits primários de 3,5% do PIB, a partir de 2018 – que desencoraja qualquer investidor sensato.

  • De qual crise estamos falando?

    altA “crise brasileira” é imediata e precisa ser compreendida em todas as suas dimensões para não incorrermos em erros que favorecem exatamente os já aquinhoados. Aqui pelo sertão há 35 anos, a gente acaba aprendendo a linguagem do povo, particularmente da população do Semiárido.

  • Francisco reacende a fé em Cuba

    altAo encerrar sua visita a Cuba, papa Francisco declarou, em Santiago de Cuba: “me senti em casa, em família”. De fato, tinha motivos para comemorar. Atualmente, são excelentes as relações entre a Igreja Católica e o governo cubano, após décadas de conflitos.

  • ‘Ou se rompe totalmente com o PT ou seremos engolidos pela onda conservadora’

    altO Brasil continua observando a crise política que a cada dia parece imobilizar mais o governo Dilma. Ao lado disso, mais de 260 petistas eleitos se desfiliam do partido e começam a configurar um novo cenário. Sobre o complexo quadro político, conversamos com o sociólogo carioca Marcelo Castañeda.