Edição 978

  • Reflexões sobre o programa de desinvestimentos da Petrobrás

    altEntendo não haver momento mais inoportuno para a venda de ativos. Crise econômica mundial. Recessão e inflação no Brasil. Preços do petróleo deprimidos, enfraquecimento do real, desvalorizando os ativos. Compradores, conhecendo as dificuldades da Companhia, procurarão tirar proveito desta situação.

  • Sugestões para um projeto nacional

    altÉ nas cidades que vivem hoje mais de 84% da população, em grande parte massacrada por serviços precários. A política de reforma da infraestrutura urbana pode e deve ser, assim, uma indutora da política industrial.

  • Parece que foi ontem

    altFoi uma campanha extraordinária, nunca repetida pelos partidecos que surgiram após. Precedentes, possivelmente, só na campanha que reorganizou o PCB após derrota do nazi-fascismo na II Guerra Mundial. Foi uma campanha, enfim, que fervilhava nas ruas e praças das grandes capitais.

  • “A esquerda europeia representada pelos partidos reformistas e revisionistas está acabada” (1)

    altA crise sistêmica ocasionou nos países da União Europeia situações econômicas anacrônicas e paradoxais do ponto de vista político. É sobre esse e muitos outros aspectos que entrevistamos Luciano Vasapollo, economista e professor da Universidade La Sapienza, em Roma, em entrevista que será apresentada em duas partes.

     

  • “Não vamos deixar o agronegócio tomar o nosso país”

    altPor um lado, o governo Dilma – o que menos demarcou terras desde a redemocratização – mantém as demarcações paralisadas. Por outro, a bancada ruralista avança com as tentativas de retirada de direitos dos povos indígenas. Babau Tupinambá, uma das lideranças ativas no processo de retomada de terras, concedeu a entrevista a seguir.

  • Refugiados: toda a miséria do mundo

    altQue imagem escolher para mostrar o tremendo drama que se está vivendo agora mesmo na Europa? O cru ou o sugerido? A foto do bebê morto é mais forte do que a das roupas expostas das outras 11 pessoas que se afogaram com ele?

  • Bordel virtual

    altO mundo seria bem melhor se todos nós estivéssemos convencidos de que a solidariedade é a melhor receita para fazer bem ao próximo, e também a si mesmo. O Ashley Madison faturou bilhões de dólares em cima das fantasias libidinosas de 33 milhões de usuários. Recursos que poderiam ter sido canalizados para boas causas.

  • Fuga de capitais: riscos e ameaças

    altO caminho escolhido pelo PT, ao que tudo indica, do pragmatismo imediatista, em nada contribui para mudar a situação de dependência. Pelo contrário, contribui para continuar a reforçar e agravar a dependência da economia brasileira.

  • 342 aristocratas para cassar 54,5 milhões de plebeus

    altSe vivêssemos em uma democracia, valeria o voto dos plebeus, ou a vontade de os 54,5 milhões de eleitores que escolheram seu candidato nas eleições. Mas nas aristocracias o voto da plebe não tem valor. Então, importam os dados do DataFolha sobre a popularidade atual da presidente.

  • Jogos ocultos em torno do governo Dilma

    altHá dois fatos públicos, relacionadas ao direito social do trabalho livre e do acesso a alimentos saudáveis e seguros, conquanto fortemente apoiados em argumentos éticos, técnicos e jurídicos, que não passam pelo crivo político da base ruralista do governo. O governo Dilma revela-se totalmente refém neste, como em inúmeros outros casos da sua (in)governabilidade.