Edição 958

  • A conciliação de classes e a lei das terceirizações

    altPara a maior parte da população já ficou evidente que o PT e seus governos não se distinguem sensivelmente dos demais, nem no projeto sociopolítico, nem nas maneiras de fazer política ou de gerir o Estado. E esse foi o pior desastre causado pela experiência do lulismo.

  • 'Índios e camponeses ficaram em segundo plano na Comissão da Verdade'

    altEntrevista com Marcelo Zelic, presidente do Grupo Tortura Nunca Mais e colaborador da Comissão da Verdade.

  • ‘Para os índios, só resta retomar as terras por conta própria’

    altA causa indígena brasileira encontra-se num ponto culminante de sua história. Dentro de tal contexto, conversamos com Sassá Tupinambá, ativista da causa indígena e dos direitos humanos, a respeito da recém-encerrada Semana Nacional de Mobilização Indígena.

  • Neste 1º de maio de 2015, o que iremos celebrar?

    altFelizmente, em várias cidades do Brasil, ainda restam sindicatos e sindicalistas que não aceitam o roubo e não se venderam aos interesses dos exploradores. Somados à força das Pastorais Sociais da Igreja Católica, organizam a celebração do 1º DE MAIO independente e de verdadeira resistência.

  • ‘O descaso e até o escárnio do governo brasileiro com os direitos constitucionais dos povos indígenas é assustador’

    altEssa postura arrogante estimula a perseguição e as violências contra os povos indígenas”, afirma D. Erwin Kräutler, bispo do Xingu e presidente do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), em pronunciamento feito na Assembleia Nacional da CNBB.

  • A decadência econômica do rio São Francisco

    altO Velho Chico definha a olhos vistos. Agora, os que se beneficiam do rio – setor elétrico, irrigação, agro e hidro negócios etc. – começam a sentir na pele o resultado do processo destrutivo. O futuro dessas atividades econômicas está atrelado inexoravelmente ao futuro do rio.

  • Sinais de fumaça no ar do Brasil!

    altSó pela violência a democracia vem tentando controlar as lutas. E para isso uma ditadura nos moldes de 64 não tem se mostrado assim tão necessária, pois, para grande parte da população brasileira, a violência do Estado é uma realidade.

  • Primeiro passo

    altO governo formalmente dirigido pelo PT ingressou, sem ouvir sua base social e política de apoio, e sem ouvir o próprio partido, no caminho de um “ajuste fiscal”. Este penaliza principalmente aos trabalhadores e aos setores sociais intermediários, e premia o sistema financeiro.

  • Ontem: Golpe, Impeachment, Renúncia; hoje: Manipulação e Despolitização

    altHoje, o Golpe de Estado, o impeachment e a renúncia não são necessários, porque não existe uma conjuntura “pré-insurrecional”, ou de descontrole institucional, que obriguem o mercado e o Império a tomar decisões excepcionais. Por isso, cabe à “grande Mídia” desarmar ideologicamente o movimento popular e os setores de esquerda mais legalistas.

  • Igor Fuser: 'A Globo é o principal agente da imbecilização da sociedade brasileira'

    A Rede Globo de Televisão está completando 50 anos de existência em abril de 2015. Este instrumento de manipulação da burguesia opera como o principal agente da imbecilização da sociedade brasileira no plano cultural, na opinião de Igor Fuser, jornalista e professor de Relações Internacionais na Universidade Federal do ABC (UFABC).

  • Liquidez, Liquidificador, Liquidação

    altAparentemente, o que teria uma coisa a ver com outra? Liquidez, liquidificador, liquidação? E se sua combinação fosse um ritmo musical, ou parte de uma poesia, ou uma brincadeira de crianças? Que bom se assim fosse...

  • Bancada da Jaula: os interesses e doações milionárias por trás da redução

    altO deputado federal Silas Câmara (PSD-AM) é o caso mais escancarado dos interesses econômicos que permeiam a discussão sobre a redução da maioridade penal. Nas eleições de 2014, ele recebeu R$ 200 mil de uma empresa chamada Umanizzare, que gere presídios privatizados.

  • Brasil, modelo esgotado

    altEmbora 36 milhões de pessoas tenham saído da miséria, nada indica que, com o atual ajuste fiscal, número igual de brasileiros não resvalará para a carência extrema, sobretudo impelidos pelo desemprego.

  • Proteção integral é direito

    altOs adolescentes que praticam ato infracional querem estudar e possuem sonhos, mas é preciso adotar métodos mais eficazes de ressocialização para além dos limites da internação, conforme diretriz do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase).