Edição 949

  • Greve do Paraná dá o sinal de radicalização social contra um ano de arrochos

    altUma das maiores greves registradas no Brasil recentemente já completa um mês, mobiliza dezenas de categorias de servidores públicos, coloca dezenas de milhares de pessoas nas ruas e quase não é noticiada país afora. Entrevista com o historiador Gilberto Calil.

  • A teoria da alienação em Marx, de István Mészáros

     

    alt

    A teoria da alienação em Marx, de István Mészáros, Editora Boitempo, Ano 2006, 293 págs

  • A crise avança

    altO melhor caminho seria aprofundar o controle público sobre a Petrobras e, especialmente, assumir uma diretriz estratégica que apontasse para a retomada do pleno controle acionário da empresa, hoje fragilizado pela alienação de quase 40% das ações na Bolsa de Nova York.

  • Momento decisivo

    altO momento é decisivo, pois exige resposta urgente da sociedade: aproxima-se o ponto da irreversibilidade do processo de exploração predatória do povo brasileiro e de seus recursos naturais. Nos últimos 60 anos, a oligarquia mundial tem regido sucessivos golpes – com e sem participação militar – para desnacionalizar a indústria e impedir o desenvolvimento tecnológico do Brasil.

  • Quanto à questão urbana

    altPermitam-me contribuir à abordagem dessa questão apresentando um texto de um camarada franco-suíço de saudosa memória, Claude Schnaidt, questionando o mito do Direito à Cidade apresentado num livro de Henry Lefèbvre.

  • Terrorismo de Estado

    altNada mais cínica do que a comissão de frente da marcha contra o atentado ao “Charlie Hebdo” e ao supermercado judaico. Ali estavam os representantes do terrorismo de Estado, da França, EUA e Reino Unido, que, agora, são obrigados a engolir que os combatentes antissírios se transformaram no Estado Islâmico.

  • O roubo da verdade

    alt“Falta informação e em algum lugar ela está. Não podemos jogar a toalha”, disse Tabaré Vázquez com expressão séria em frente às câmeras, ao anunciar a criação da Comissão da Verdade do Uruguai. A primeira tentativa terminou como tragédia, agora quem sabe vem a ser farsa.

  • Torcida e criminalização do povo

    altCircunscrever a violência que ocorre no país aos estádios é negar a tragédia que acontece diariamente nos bairros do Brasil, em que o Estado só encontra resposta à violência com mais violência. E demonstra sua ineficiência, pois, ano a ano, o quadro só piora.  

  • Ódio sem fim ao PT

    altNa encruzilhada, o PT hesita entre a debandada e outra revolta dos bagrinhos. Só que os bagrinhos de hoje estão nas ruas, ocupações, na educação popular, nos mesmos lugares em que apanham sob o olhar cúmplice de dirigentes que se calam para proteger seus glúteos recostados.

  • O céu tomado de assalto: o Paraná e a luta popular contra a austeridade

    altCom amplo apoio das categorias de funcionários da educação pública, inclusive das esferas federal e municipal, e também de outros estados, além da adesão crescente de categorias e parte da população em geral, a movimentação têm tomado contornos de greve geral.

  • Encontros que deixam marcas. Um relato sobre o ato da Maré

    altUm pouco mais recuperada do choque que tive ao acompanhar o ato da população em favor da vida, na Maré, em mais uma missão pela Comissão de Direitos Humanos da OAB/RJ, eis que me sinto no dever cidadão de contar o que testemunhei. Estou transbordando coisas que não cabem mais em mim.

  • Por uma educação protagonista

    altA educação crítica é o grande desafio nesse mundo hegemonizado pelo capitalismo neoliberal. Ela tem como princípio formar não apenas profissionais qualificados, mas cidadãos protagonistas de transformações sociais.

  • Observações sobre o golpe frustrado na Venezuela

    altJá não são aqueles paus mandados obscenos do império, tipo Leopoldo López, Maria Corina Machado ou Henrique Capriles que impulsionam a desestabilização e o caos, mas a própria Casa Branca.

  • Brasil de 200 bilhões de barris

    altO Brasil não chega a estar se tornando um país antagônico, como China, Rússia, Irã e Venezuela, mas está criando regras e tomando medidas hostis a este capital. Está-se no estágio da busca da cooptação dos poderes e do controle da população pela mídia do capital.

  • Voltando ao socialismo

    altEmbora a humanidade corra o perigo de ser destruída pela loucura do capital, o que vale a pena reafirmar é o fato de que o capitalismo gera socialismo e comunismo quanto mais se desenvolve.

  • No desespero, pouca esperança

    altEntregamos os pontos? Nem pensar. Vamos à luta, pois não há mal que sempre dure. Mas haja energia para saber que, mais do que nunca, é por nossos filhos mais jovens e nossos netos que estamos na rinha.

  • Ciência e mídia: como se juntam para defender seus interesses

    O estudo de caso aqui apresentado trata do editorial do jornal Folha de S. Paulo, de 17/2/15, intitulado "Ciência Brilhante". Aqui, queremos trazer à luz o que este editorial oculta. A Folha sempre apoia as soluções neoliberais para a sociedade/economia brasileira, como o fez com os "ajustes" do governo Dilma Rousseff. Agora, este jornal se manifesta contra os cortes no projeto Sirius, de R$1,3 bilhão de reais.

     

  • População pagará pela desastrosa gestão PT-PMDB no setor elétrico

    altO setor elétrico também começa a ganhar espaço nos temores da população a respeito de crises de abastecimento e aumentos tarifários. Para analisar esse complexo tema, o Correio da Cidadania entrevistou o engenheiro Célio Bermann, um dos principais especialistas do país em energia e sustentabilidade.