Edição 946

  • MPL: “A decisão de reajustar a tarifa é muito mais política do que técnica”

    alt“Acho que existe, sim, uma recusa em entender movimentos horizontais e outras maneiras de fazer política, para além dos esquemas partidários mais fechados”, disse Andreza Delgado, do MPL, em entrevista ao Correio.

  • Estados Unidos: a frustrada viagem de Lula

    altEm termos práticos, a visita de Lula a Obama não providenciou ao Brasil ganho imediato algum, uma vez que o próprio presidente americano não concordava com o fim das barreiras alfandegárias para o biocombustível.

  • Morte do promotor Alfredo Nisman abre crise política na Argentina

    altMais difícil ainda será ter respostas às perguntas sobre o atentado terrorista de 18 de julho de 1994 contra a sede da AMIA (Associação Mutual Israelita-Argentina), que este procurador supostamente investigava.

  • Petrobras, corrupção e mercado

    altOs grandes veículos de comunicação, ao reduzirem a Petrobras à condição de uma empresa corrupta, apontam como solução a sua entrega – agora total – ao controle de pessoas ligadas ao setor mineral energético ou a bancos internacionais.

  • Plebiscito oficial para impedir contrarreforma política

    altEm ato na Câmara, movimentos sociais cobram retomada de projeto para convocar uma Assembleia Constituinte sobre o sistema político. Enquanto isso, ala conservadora opera para eternizar financiamento empresarial de campanhas.

  • EUA e Cuba: um diálogo denso

    altConvém lembrar que Washington tem mais urgência do que Havana para avançar pelo caminho da normalização das relações, e não por razões humanitárias, altruístas ou por respeito à legalidade internacional.

  • Futebol: a polêmica dos ingressos

    altO que conta agora é o dinheiro e ele está, principalmente, na mão dos detentores dos direitos televisivos. Ninguém menos que a Rede Globo, que escolheu o lado que lhe parece mais pretenso a vencer.

  • Refinaria no Ceará: porque comemorar a sua não vinda!

    altAproveitemos para ter mais elementos para revisar o modelo de desenvolvimento em voga, que dizima a nós e ao ambiente, espalha doenças, consome nossa água e emite gases que aquecem o clima. Tenhamos a coragem de dizer bem alto: adeus refinaria, e não volte!

  • Velhas e novas ameaças do neoliberalismo aos direitos trabalhistas (3)

    altO Correio da Cidadania publica terceira parte da série de artigos do jurista Jorge Luiz Souto Maior, em retrospectiva dos ataques aos direitos trabalhistas dos períodos recentes, inclusive através da submissão do poder judiciário aos interesses neoliberais.

  • Sobre as Cartas a Lula

    alt

    De forma crítica e direta, os informativos comentam os principais temas veiculados na mídia e que seriam decisivos na vida do Brasil.

  • Tarifa nos transportes coletivos urbanos: uma iniquidade

    altA tarifa zero produziria um efeito radical na questão da mobilidade, tornando-a mais racional, ambientalmente mais sustentável e socialmente mais justa. Sua implantação envolve, porém, uma enorme disputa política, tanto no campo ideológico como no campo econômico-financeiro.

  • Islamismo e fundamentalismo

    altO contexto explica e anula eventuais condenações. Porém, se a pessoa entende a islamofobia na Europa com base em textos fora do contexto, deveria, por coerência, entender também o antissemitismo. É claro, nem uma nem outra posição é aceitável.

  • Guilherme Boulos: ‘O modelo petista de governabilidade se esgotou’

    alt“Vimos que a opção da presidente Dilma de construir uma política neoliberal logo no início de 2015 é expressão do esgotamento de um modelo”. Foi assim que Guilherme Boulos, dirigente do MTST, definiu o momento político em que se encontra o país, em entrevista ao Correio.

  • Dilma, os órfãos e as viúvas

    altÉ chocante ver que o governo Dilma escolheu exatamente os mais indefesos da sociedade – órfãos, viúvas e desempregados – para fazer os ajustes que a economia de mercado, ainda um tanto neoliberal, exige.

     

  • Encontro com Fidel

    altNa tarde de terça, 27 de janeiro, Fidel me convidou à sua casa. Em companhia de sua esposa Dália, conversamos durante uma hora e meia. Ele se mostrou interessado em meu encontro com o papa Francisco

     

  • Dilma tucanou geral contra trabalhadores

    altAlém de adotar a ortodoxia neoliberal, que manda sempre tirar dos trabalhadores para garantir o lucro do capital, a presidente incorporou de vez a linguagem cínica e empolada da tucanagem.

  • Reforma e desenvolvimento

    altEstudos recentes sugerem que um dos desafios da década será reverter o alto custo do agronegócio, hoje maior que o valor da própria safra. Isso traz à luz o debate sobre novos paradigmas para a agricultura, em especial a camponesa e empresarial.