Edição 938

  • O que se passa no Uruguai, como e por quê?

    altA década frenteamplista é de recuperação a cavalo da onda expansiva pós-crise. Uma expansão retrógrada, voltada à economia exportadora de bens primários, contrapartida da crise financeira central e à emergência industrial chinesa, com a qual se complementa.

  • ‘Ministério de Dilma acelera o tempo histórico e reduz horizonte do petismo’

    altNa segunda entrevista pós-eleitoral com os porta-vozes da esquerda anticapitalista, o Correio conversou com o cientista social e militante do PSOL José Correa. Em sua avaliação, o partido vem dando importantes passos na consolidação como alternativa de outro projeto societário, o que, em sua visão, também pode se reforçar com um segundo mandato de Dilma ainda mais conservador. “Depois de 12 anos desta política sob Lula e Dilma, o resultado é o fortalecimento do capital financeiro e rentista no país, como evidencia o ministério tucano de Dilma”.

  • Dilma e o grupo Emaús

    altA presidente Dilma recebeu, a 26/11, uma delegação do Grupo Emaús: Leonardo Boff, Márcia Miranda, Maria Helena Arrochellas, Luiz Carlos Susin, Rosileny Schwantes e eu. Entregamos a ela a carta “O Brasil que queremos”, com críticas e sugestões ao governo. E insistimos no diálogo com os movimentos sociais.

  • Água: as mineradoras têm (muita) sede

    altEm um momento que deveria ser de amplo debate nacional sobre o Código de Mineração, assistimos, dentro de um cenário de seca sem precedentes no Sudeste brasileiro, a construção do mineroduto da Anglo American.

  • De 1,2 ou de 2%, superávit primário é inconstitucional, ilegítimo e imoral

    altJoaquim Levy, fiador político dos amantes PMDB e PT, novo titular da Fazenda e, não menos importante, representante do Bradesco no Ministério de Dilma, ele é chamado para garantir ao mundo das finanças a manutenção do sistema de drenagem massiva de recursos públicos em direção aos bancos.

     

  • Futuro do Pré-Sal

    altO óbvio a ser feito é o governo não cair mais na tentação de promover leilões, até porque o mercado nacional estará fartamente satisfeito pela Petrobras durante os próximos 40 anos, no mínimo, e a ANP deve retirar a pressa do desenvolvimento de muitos campos da Petrobras.

  • Golpe Modelo e Dívida

    altOs promotores da desestabilização da presidenta da República e do golpe em curso são de dois tipos: a) os colaboradores do sistema imperial; b) os enganados pelo alienado discurso moralista e arregimentados para solidarizar-se com a repressão destinada a eliminar as empreiteiras e acabar de desnacionalizar a Petrobrás.

  • Complexo de Suape: 36 anos de uma triste história

    altJá passou do tempo de utilizar a estratégia de somente contar vantagens sobre este empreendimento, e impedir a discussão crítica do modelo adotado, impondo esse modelo, pela força, como opção única.

     

  • Assim caminha o controle da humanidade

    altA Medicina (com “m” maiúsculo) avançou enormemente nos últimos cem anos. Avançou sempre com suas pesquisas, dúvidas, erros e acertos, sempre a favor da humanidade, nunca contra. Jamais foi a favor do lucro, da exploração, da alienação, da esquizofrenização, da lobotomia, dos agrotóxicos.

     

  • O fascismo de mercado

    altAs escolhas do governo são de direita e não de esquerda, apesar da direção de movimentos sociais combativos e uma esquerda perdida e oportunista dizerem o contrário.

  • Obama alimenta no G-20 a nova “Guerra Fria” contra a Rússia e a China

    altA maior parte dos analistas silencia a evolução dessa nova guerra fria que o Pentágono e a Casa Branca estão construindo com a ampliação nos países europeus do Programa de Defesa de Mísseis Balísticos em Teatro Ativo e do Sistema Integrado de Defesa Aérea a Meio Alcance.

  • Estados Unidos e Brasil: rumo a uma pauta comum

    altParalelamente ao encaminhamento de problemas de aliados regionais, o Brasil desejava dos Estados Unidos a elaboração de uma política de desenvolvimento para toda a região. Enfim, mais atenção à economia, menos ao policiamento, por conta da preocupação com o narcotráfico.

  • Piketty e as hipocrisias conceituais

    altNo momento, temos uma dicotomia entre os países capitalistas desenvolvidos, em crise e em declínio, e os países em desenvolvimento, tanto capitalistas quanto socialistas de mercado. Não se pode igualar ambos os processos e colocar todos os ovos da redução da pobreza na mesma cesta.

  • A importância e a ruptura do ciclo das águas

    altO problema maior do Brasil nesse momento de diminuição das chuvas reside exatamente aí: para muitos especialistas estamos causando a “ruptura no ciclo de nossas águas”. Por um detalhe que merece atenção.

     

  • Papo com Dilma

    altEnfatizamos a importância do diálogo permanente com os movimentos sociais e os jovens. Ela, imediatamente, cuidou de agendar tal sugestão. Criticamos também o sistema de comunicação do governo e insistimos na valorização dos direitos humanos e da proteção ambiental.

     

  • As eleições, as ruas e a esquerda: para onde vamos?

    altRomper o círculo significa abandonar suas lutas fratricidas, cargos e status de vanguarda em prol da retomada dos trabalhos de base e da unidade programática, algo tão crucial e menosprezado por uma esquerda hoje incapaz de ouvir as ruas, as periferias, os trabalhadores e a juventude.

  • ‘Mais uma vez, o interesse de alguns é afastar a Petrobrás do pré-sal’

    altOs escândalos de propinas e apadrinhamentos da Petrobras continuam em voga. Como sempre, a mídia, em mais um de seus simulacros de combate à corrupção, não fica um dia sem falar do assunto em tom de feirante. Apesar da novidade de os corruptores também serem jogados aos leões, a abordagem do assunto se resume à narração de malfeitos, deixando de fora toda a importância estratégica da empresa, o que foi a tônica da entrevista do engenheiro Fernando Siqueira ao Correio da Cidadania.