Edição 934

  • Estudo aborda papel da Amazônia na regulação do clima na América do Sul

    altO desmatamento progressivo da floresta e a degradação decorrente dessas atividades exploratórias na região estão destruindo tal capacidade de regulação climática da Amazônia, o que pode nos levar a mudanças abruptas e profundas no clima do continente – como, por exemplo, a prolongada estiagem que São Paulo vive em 2014.

     

  • Plebiscito: primeiro desafio da presidenta Dilma

    altPresidenta Dilma, siga o exemplo do papa Francisco e, logo no início do seu segundo mandato, convoque um grande Encontro de Movimentos Populares do Brasil todo, lance uma aguerrida Campanha de Mobilização Nacional e esteja à frente dela.

     

  • Papa consagra teoria da evolução

    altEvolucionismo e o Big Bang não são incompatíveis com a existência de um Criador, declarou o papa Francisco: “Quando lemos a respeito da Criação, corremos o risco de imaginar que Deus era um mágico, com varinha de condão capaz de tudo. Mas não é assim”.

  • Legalizar o que deveria ser punido?

    altSe queremos construir um país democrático, é fundamental lutar para evitar a legalização do financiamento político por parte de empresas. Não temos chance alguma de construir um país realmente democrático quando os donos do país se transformam nos únicos a poder mandar nele.

  • Golpe em curso

    altO mandato que ainda não iniciou irá sofrer crises ininterruptas, propositadamente criadas. Tudo com o beneplácito de um Congresso de maioria fisiológica. Este não terá espírito público e passará quatro anos criando “dificuldades” para ganhar “facilidades” nos seus pleitos para a presidente.

  • Quem tem medo de Vladimir Putin?

    altOs impérios, como o norte-americano, não admitem que outra potência conteste sua hegemonia. É o que a Rússia de Putin tem feito. Em algumas situações, para defender seus interesses.

  • A liberdade da empresa jornalística

    O empastelamento do A Notícia, ou a reprodução do jornal tal qual o Diário Catarinense e o Jornal de Santa Catarina, perpetua uma situação em que alguns míseros grupos têm voz enquanto a maioria da população permanece sem a possibilidade de exercer sua liberdade de expressão no espaço público.

  • Aberta a caixa-preta dos contratos militares do Brasil com Israel

    altOs dados são reveladores e demonstram um intenso fluxo comercial na área militar, o que explica a conivência brasileira diante do massacre na Faixa de Gaza.

     

  • Por que as tarifas elétricas vão aumentar?

    altA partir da notícia de aumento de 17,75% da tarifa de energia da Light, o Instituto Ilumina faz algumas ponderações sobre o histórico recente da política energética, que culminam no reajuste das contas de luz.

     

  • A “onda fascista”

    altAs denúncias exageradas de ameaças de golpes militares e de avanço fascista no Brasil, com base em manifestações minoritárias, postagens de internet e arreganhos de generais de pijama, têm-me parecido um alarmismo exacerbado com diferentes propósitos.

  • Temos Rio-2016, mas as campanhas políticas esqueceram

    altO próximo mandato presidencial terá o prazer (?) de promover a primeira Olimpíada em solo brasileiro e sul-americano, mas parece que ninguém se importou em rascunhar uma política nacional de esportes para o próximo período.

  • O Povo não é bobo!

    Na manipulação da opinião e do voto público no último pleito, desempenhou um papel central a grande mídia. O objetivo central foi apear do poder Dilma e o PT, que não constituíam mais os agentes preferidos do capital. Por isso, a mídia chegou ao desplante de sugeri-los comprometidos com projeto político radical, anti-privatista, anti-mercado, nacionalizador. Tudo o contrário do que fizeram nos últimos doze anos.

     

  • Dilma no fim das contas terá sido um “bom negócio”?

    altFoi rápido e intensivo o apagamento da memória das eleições, a começar pelo teor protocolar e despolitizado do discurso de vitória de Dilma, enquanto a plateia tentava ecoar coros históricos das lutas populares. No dia seguinte, declarações de fidelidade ao mercado.

  • Recados eleitorais para a nova etapa do jogo político

    altA esquerda precisa dar um passo adiante, livrar-se dessa incômoda extorsão praticada a cada eleição, por uma suposta esquerda que se alia na maior parte do tempo com a direita e, só nos momentos eleitorais, evoca sentimentos racionais e emocionais para socorrer o seu projeto de poder ameaçado.

  • ‘É impostura ideológica enxergar diferenças substantivas de projeto entre PT e PSDB’

    altMais de uma semana após o segundo turno, os ânimos populares e o contexto político permanecem acirrados, neste que foi um dos mais tensos, disputados e divididos processos dos últimos anos. O Correio da Cidadania entrevistou o economista Reinaldo Gonçalves, que foi implacável em sua análise das proposições econômicas dos candidatos.

  • Debate sobre eleições com a rádio Central 3 e a revista Vaidapé

    Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições

     

  • Ainda o desenvolvimento

    altO governo continua amarrado aos ditames neoliberais. Para que o desenvolvimento ocorra, e combine a economia com as demandas sociais e a política democrática, a macroeconomia deve estar subordinada àqueles objetivos. O inverso será continuar a amarração à ortodoxia neoliberal.

  • A encruzilhada da civilização brasileira

    altSem a Amazônia para gerar chuvas e sem o Cerrado para armazenar e distribuir nossas águas, é fácil entender o que está acontecendo com todas as bacias brasileiras que estão secas nesse momento: São Francisco, Grande, Doce, Piracicaba, Mogi e assim por diante.

  • Impasses do segundo governo Dilma

    altNesse momento – em que o desemprego volta a subir e o apoio popular se encontra presumivelmente abalado –, uma virada econômica só poderá viabilizar-se com o acirramento das contradições entre as necessidades das camadas mais pobres da população brasileira e os interesses do capital.

     

  • Dirigente camponês assassinado no Norte de Minas

    altNa tarde de 22 de outubro, o dirigente camponês, coordenador político da Liga dos Camponeses Pobres do Norte de Minas e Sul da Bahia – LCP, Cleomar Rodrigues de Almeida, 46 anos, foi assassinado por pistoleiros a mando de latifundiários.