Edição 930

  • A derrota na vitória

    A carnificina do embate do segundo turno encarregar-se-á de liquidar o pouco – bem pouco - que ainda resta de reputação e credibilidade dos dois principais partidos da ordem. A polarização plebiscitária entre “a miséria e a corrupção do passado” e “a miséria e a corrupção do presente” é uma estratégia política suicida.

  • Não declares que as estrelas estão mortas só porque o céu está nublado

    altA campanha pelo voto útil em Dilma aumenta sobre os militantes e eleitores da esquerda anticapitalista. Sempre que há um segundo turno, assistimos a este espetáculo bizarro, cuidadosamente encenado, em que se cria um clima irracional, em que a esquerda é convidada a regredir a uma infantilização.

  • Papa busca identificar a família atual

    altFrancisco vai direto ao ponto, ao contrário de outros papas que, para não criar atritos com os conservadores, preferiam deixar às calendas temas candentes que exigem, com urgência, posicionamento da Igreja.

  • Água: vão evacuar São Paulo?

    altOs problemas hídricos de hoje, se os levarmos a sério, não apenas do ponto de vista eleitoreiro, são o começo da “vingança da natureza” contra uma civilização predadora.

     

  • Atritos entre Obama e Netanyahu se agravam

    altO premier israelense não seria nada fácil de dobrar. Ele conta com uma provável vitória do muito mais aliado Partido Republicano nas eleições das duas casas do Congresso, em 6 de novembro.

  • Estados Unidos e Síria: a estranha aliança

    altA Casa Branca terá de recorrer a forças iraquianas e sírias para se contrapor aos integristas. No primeiro caso, não haveria restrições para financiar e treinar as tropas, porém, no segundo, sim.

  • O projeto constitucional do governo de Allende

    altEm mais um artigo da série sobre o Chile da Unidade Popular, o autor fala do projeto de Carta Magna engendrado pouco antes do golpe de Estado e que só veio a público mais de 20 anos depois da deposição de Allende.

  • ‘Resultados eleitorais mostram guinada impressionante para a direita’

    altComo se previa largamente, candidaturas conservadoras foram bem sucedidas, enquanto aquelas que carregavam anseios populares das ruas tiveram pouquíssimas vitórias. É assim que a socióloga e professora da UNESP Maria Orlanda Pinassi analisa o primeiro turno.

  • Segundo turno: questões em disputa

    altNão há como a esquerda, toda ela, escapar dessa disputa. A não ser, é lógico, que pretenda mergulhar no “quanto pior, melhor”, um velho e recorrente erro histórico.

  • A voz da razão

    altNo Brasil, o cidadão tem que, primeiramente, fugir da mídia convencional. Por exemplo, nos últimos 12 anos, ela só tem trabalhado para desestabilizar os governos do PT ou não permitir que um grupo de esquerda chegue democraticamente ao governo.

  • Dilma e Marina na cidade dos sonhos

    alt Além de constatar que viver em negação é fundamental para quem não cumpre o dever de casa, é importante notar que o PT perdeu bairros da periferia da capital onde nunca o PSDB lhe fez sombra.

  • China desbanca os EUA, mas “oposição democrática” tem cheiro de separatismo em Hong Kong

    altRelatórios que os serviços de inteligência chinesa apresentaram ao primeiro ministro mostram que, desde 2012, os funcionários da Freedom House e do National Endowment for Democracy desempenharam intensa atividade em quase todas as faculdades da University of Hong Kong.

  • América Latina e Caribe: entre a profundidade das mudanças e a ameaça de restauração conservadora

    altA formidável maré de caráter continental desatada em fins do século 20, com a vitória de Hugo Chávez nas eleições venezuelanas de 1998, se estancou. Poder-se-ia dizer que o ponto mais elevado deste ciclo ascendente foi a derrota da ALCA, em 2005.

  • Revolução ou barbárie

    altOs comunistas, a esquerda revolucionária, se ainda quiserem pongar no bonde da história, precisam se preparar para lutar nas ruas. E não ter receio de resgatar sua trajetória, aprender com os erros do seu passado, deixar de cultuar heróis, pensar e fazer grande.

  • O elitismo incurável de FHC

    altFernando Henrique já disse que o PT cresceu nos grotões por falta de informação do povo. Embora discordemos de tantas obras faraônicas e para atendimento ao capital, o Semiárido mudou para melhor sob o PT.

  • Disputa entre PT e PSDB e o pêndulo do eleitorado frustrado e descontente. Entrevista com Rudá Ricci

    alt“Há espaço para uma candidatura alternativa ao PT e PSDB. (...) Mesmo havendo espaço, ainda não surgiu uma liderança que convença este eleitorado desejoso da terceira via (30% do eleitorado)”, pontua o sociólogo.

  • Mafalda: uma grande menina

    altPor ser inteligente, politizada e culta, querida Mafalda, você chega à chamada “meia idade” sem achar que a academia de ginástica é o lugar mais importante do mundo.

     

  • Os sete mitos criados pela mídia ocidental que ajudaram a destruir o Iraque (3)

    altNesta série de quatro artigos, publicamos análise de Ramez Maalouf a respeito da forte desestabilização que as potências ocidentais têm promovido no Oriente Médio, neste caso, mais especificamente no Iraque. O colunista faz uma análise dos principais mitos criados pelos governos e a mídia do Ocidente, que buscam legitimar o processo de destruição do Iraque pelos EUA e Inglaterra e seus clientes regionais, como Israel, Arábia Saudita e Turquia.