Edição 926

  • Incêndio na Favela do Piolho: ‘os policiais impediram os bombeiros de apagar o fogo’

    alt“Dessa vez, antes de o incêndio começar, já tinha policiais na favela. Quando começou o fogo e os bombeiros chegaram, os próprios policiais os impediram de entrar e apagar. Foi com essa dura denúncia que começou a entrevista do Correio com uma moradora da favela do Piolho.

  • Dilma e o ingresso no Conselho de Segurança da ONU

    altNão se negaria a imperatividade da reconfiguração do organismo, haja vista a composição de equilíbrio de poder ser sempre conjuntural, mas isto não implicaria a participação fixa do Brasil.

  • Lenin e o revisionismo

    alt“Uma epidemia de oportunismo instalou-se no movimento comunista internacional. Uma das suas manifestações é a crítica - ostensiva ou indireta - a Partidos que, na fidelidade aos princípios, continuam a assumir-se como marxistas-leninistas.

  • Vote nulo no segundo turno

    altUns, outros e alguns mais aceitam de bom grado o financiamento de suas campanhas por grandes empreiteiras corruptoras. Por isso continuo dizendo aos amigos e amigas que pensam em votar na Dilma no segundo turno para não se iludirem e votarem nulo.

  • Indispensável discernimento

    altUm fato que preocupa, com evidência, são as enormes somas de recursos financeiros das campanhas. Esta grande soma se constitui no ingrediente mais comprometedor do nosso sistema político. São eleitos os que têm muito dinheiro.

  • ‘Brasil precisa de reforma política que proíba financiamento de pessoas jurídicas’

    altApesar de admitir o forte impacto da ascensão de Marina, Eduardo Suplicy, em entrevista ao Correio da Cidadania, crê ser provável a vitória de Dilma, além de mencionar que o governo precisa ampliar o Bolsa Família para outras 5 milhões de famílias.

  • A Petrobras, o setor de petróleo e a eleição

    altA grande mídia, tão preocupada em mostrar quem lesa o erário, deveria mostrar a lista dos devedores de tributos ao Estado feita pela Receita Federal. São basicamente empresas privadas e, inclusive, algumas são da própria mídia.

  • O estranho sumiço do saneamento básico no debate eleitoral

    alt“Ranking de Saneamento 2014″ revela: país ainda despeja nos rios quase todo esgoto coletado e quase não debate necessidade de superar tal drama

     

  • 13 razões para reeleger Dilma

    altVotarei por um Brasil melhor, mesmo sabendo que o atual governo é contraditório e incapaz de promover reformas de estruturas e punir os responsáveis pelos crimes da ditadura militar. Porém, temo o retrocesso e, na atual conjuntura, não troco o conhecido pelo desconhecido.

     

  • IS: uma variante fundamentalista fora de controle ou um elemento da estratégia do Ocidente no Oriente Médio?

    altOs principais produtores e exportadores de petróleo e de gás do Golfo são também os principais financiadores dos grupos terroristas e, ao mesmo tempo, os principais aliados dos EUA, da Grã Bretanha e de Israel no Oriente Médio.

  • Desafiando a hegemonia

    altA aproximação entre a juventude trabalhadora e a candidata ambientalista manifesta eleitoralmente um desejo progressista de mudança social. Trata-se de uma ilusão, pois, certamente, Marina faria um governo mais neoliberal do que Dilma. No entanto, o desejo é legítimo e merece respeito.

  • Em defesa da USP: repasses financeiros do estado

    altA origem da atual crise financeira da USP estaria, ao menos em parte, nos repasses do governo do estado de São Paulo. Neste contexto, surpreendem as atuais soluções apresentadas pela Reitoria da USP.s".

  • São Pedro mora na floresta

    altDesmatamento na Amazônia tem relação direta com falta d'água em São Paulo, mas quase ninguém toca neste assunto. Com essa eficiente máquina de destruição, o que mais esperar senão problemas de falta de chuvas cada vez mais graves, uma vez que as chuvas dependem da floresta preservada?

  • Direitos Sociais têm lugar subalterno na ‘economia política’ da sucessão presidencial

    altAs condicionalidades do Estado democrático para a posse e propriedade de recursos naturais, que são mandamento constitucional, somem nos programas dos candidatos, até mesmo no da ambientalista Marina.

  • A Veja e o grupo Naspers

    Embora fartamente divulgado, é necessário sempre recordar que um dos proprietários da revista é esse conglomerado de mídia com origem na África do Sul, criado para defender os interesses dos “africaners” (brancos do país).

     

  • O voto ingênuo

    altSe você é, como eu, apenas eleitor, saiba que escolher o partido é mais importante que escolher o candidato. Votar de olho somente no candidato pode resultar, caso ele não seja eleito, na eleição de outro candidato do partido.

     

  • Aos Marineiros de primeira viagem

    altMuitos já devem estar se perguntando por que pretendo votar em Marina. Porque, se por um lado ela já mostrou que cede às pressões, de outro, Dilma é a própria pressão, por Belo Monte, todas as hidrelétricas da Amazônia...

  • Mais coisas da vida: o empenho antiprodutivista

    altA rápida metamorfose do marinato para o radicalismo neoliberal somente na aparência está em contradição com as correntes ecologistas que a apoiam e defendem o desencadeamento de “processos que nos livrem do desenvolvimento capitalista industrial, produtivista e consumista”.

  • ‘Entendo que os EUA se preparam para retomar a ALCA caso Marina ganhe’

    alt"Se Marina for eleita, será a vitória de um modelo diplomático similar ao que tivemos nos anos 90”, declarou o embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, ex-secretário-geral do Itamaraty no governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

  • Reforma Política: tática oportunista para as eleições e diversionista para as lutas de massa

    altFingindo desconhecer que este governo não sobrevive sem o PMDB, que tem a chave da agenda legislativa brasileira, os reformistas levantam agora, como a salvação da pátria, a bandeira da convocação de um plebiscito para uma constituinte.