Edição 924

  • ‘Dados oficiais mostram que poder público mente sobre moradia em MG’

    altA luta por moradia ocupa centralidade em uma grande capital brasileira. No momento, o protagonismo das ocupações urbanas recai sobre três comunidades na região do Isidoro, em Belo Horizonte. O Correio entrevistou Leonardo Péricles, um dos coordenadores das ocupações.

  • Gaza e seus monstros

    altA metamensagem seria algo como se os palestinos sempre estivessem mortos; ao contrário do outro, o israelense, que estava vivo e uns desalmados o mataram.

  • Aquela Quarta, 13

    altAprecio profundamente as vitórias das equipes consideradas menores ou tecnicamente inferiores. Porém, é impossível não relacionar as quedas de Fluminense, São Paulo e Internacional na Copa do Brasil ao momento do futebol brasileiro.

  • A violência no campo no Brasil: dados para o debate

    altA violência dos proprietários e os atos comitivos e omissivos por parte do Estado no conflito agrário, com a criminalização das lutas por terra, indicam a continuidade da afronta aos grupos sociais não vinculados ao latifúndio e ao agronegócio.

  • Em seu primeiro debate, presidenciáveis suplicam a bênção do mercado

    É preciso salientar que, em seu primeiro debate televisivo, pela Band, todos os três principais candidatos explicitaram, de modo que raras vezes saltou tanto à vista, seus pedidos de bênção ao mercado.

  • O modelo é um só

    Abre-se um cenário possível de que, pela primeira vez após duas décadas, se rompa a polarização eleitoral PT-PSDB. O que torna imperativo que os movimentos sociais progressistas e as esquerdas se posicionem. Não há como desconstruir os chamados “avanços” apresentados pelo governo PT-PMDB e a falsa alternativa representada por Marina Silva sem afirmar que outro modelo de desenvolvimento tem de partir da igualdade social.

     

  • Fome no mundo

    altEm tempos de campanha eleitoral, é bom dar-nos conta que existem outras “campanhas”, mais arejadas e mais claras em seus objetivos.

     

  • Plebiscito Popular e Grito dos Excluídos

    altEm todos os estados foram constituídos comitês de campanha, que pretendem mobilizar ao menos 10 milhões de pessoas e votos em todo o país.

     

  • Hidrelétrica São Luiz do Tapajós: uma “bomba-atômica” no rio Tapajós

    altQuem pensou que a UHE Belo Monte, no rio Xingu, seria a maior surpresa em termos de dimensões e custos de uma hidrelétrica no Brasil se enganou. O processo está tramitando no Ibama. Notícias na mídia já falam em leilão antes do final do ano.

  • Argentina: crise econômica, luta com os “abutres” e greve geral proforma

    altÉ necessário que a esquerda e o ativismo independente da burocracia sindical se lancem o tempo todo para impor uma greve ativa, com piquetes, marchas e outras ações.

  • Para além das eleições

    altO que vimos até agora na propaganda eleitoral na TV já foi suficiente. É o mais do mesmo, não só dos marqueteiros. As próximas eleições são mesmo uma farsa.

     

  • Vargas morreu lá em casa

    altMinha sensação foi de que o cadáver de Getúlio caíra na sala de minha casa. Meu pai, estupefato, ficou mudo, como se tivesse ajudado a puxar o gatilho. E cancelou a festa.

     

  • A voz dos surdos

    altO conjunto dos surdos é pequeno, mas, devido às suas capacidades de articulação, ocupam posições-chave de dominação. Quem supõe ter alguma consciência faz o exercício de se colocar em seus lugares e imaginários.

     

  • O empenho pelo privado

    altA maior parte da burguesia e grande parte da pequena-burguesia tornaram-se “inquietas”, apesar das concessões privatistas feitas pelo governo, porque a solução dos problemas que emergiram nas manifestações de 2013 depende de maior intervenção do Estado

  • Gaza: o tamanho da devastação

    altNada menos do que 360 fábricas e oficinas foram riscadas do mapa, segundo a Federação das Indústrias de Gaza. Todo o sistema de educação infantil de Gaza já está irreparavelmente lesado.