Edição 918

  • Depoimentos

    altColaboradores, amigos, admiradores fazem seus depoimentos em homenagem a Plinio de Arruda Sampaio.

  • Partido do Bem

    altConstatei que há cada vez mais gente querendo ser “uma pessoa de bem”. Sugiro a organização de uma Irmandade. Tal ação favoreceria todos que desejam ser do Bem a agrupar-se, criando uma Plataforma de Intenções, talvez um debate mais amplo sobre o que vem a ser o próprio Bem.

  • 40 anos Brasil-China

    altOs 32 acordos Brasil-China assinados agora em Brasília são a mais eloquente comprovação do acerto da corajosa viagem desbravadora de Horácio Sabino Coimbra ao colossal país do oriente.

  • Argentina – capital Rio de Janeiro

    altO certo é que o nosso relacionamento com a Argentina mudou de patamar com esta Copa no Brasil. Com certeza, nos descobrimos muito mais próximos, brasileiros e argentinos, podendo ser, mutuamente, muito menos preconceituosos.

     

  • Mais do mesmo engodo da democracia burguesa

    altO governo cria, com o “Decreto dos Conselhos Políticos”, uma possibilidade de institucionalização da nova configuração do cenário dos movimentos, de modo a seduzir e cooptar, sob a mesma lógica da manutenção da ordem do capital.

  • Moral da Copa: a fantasia clama pela racionalidade

    altA ocorrência da Copa e as eleições estão obstando a realização de análises comprometidas apenas com os fatos, tais como se apresentam, e isso tem gerado um definhamento na capacidade crítica e reflexiva. As pessoas não querem ouvir e têm medo de falar.

  • O genocídio progressivo de Israel no gueto de Gaza

    altReduzir a quantidade de palestinas e palestinos de toda a Palestina histórica continua sendo uma visão sionista. E não há nada como uma operação militar para calar qualquer voz que peça a um governo que corte seus gastos militares.

  • Política & salsicha

    altMarqueteiros eleitorais dificilmente são progressistas. Eis um complicador. Alguém deve ceder: o marqueteiro, submetendo-se às decisões da coordenação da campanha, ou o candidato, submetendo-se às exigências de marketing. Em geral...

  • Água nas eleições

    altA paisagem de vários e grandes rios nesse momento é o retrato do descaso da civilização brasileira para com eles. A situação já diagnosticada do desmando com nossos mananciais – de superfície e subterrâneos – até agora não implicou em uma nova concepção de relação e cuidado.

     

  • Yashin e o clone

    altAgora vem o pau. Da mídia comercial, da classe média reacionária e da própria burguesia, como se não tivessem nada que ver com a corrupção da CBF, da FIFA, da derrota de 7 a 1 para a Alemanha e de 3 a 0 para a Holanda.

     

  • Rússia está abandonando a Ucrânia?

    altMais de 500 mil russos-ucranianos se refugiaram na Rússia, dos quais mais de 100 mil pediram asilo político. No entanto, não houve qualquer reação do governo que impedisse a limpeza étnica. A passividade de Moscou já causa rachaduras no círculo íntimo de poder de Putin.

  • Vigília por mortos em Gaza é marcada por debate multiétnico

    altNa noite da última terça-feira, muçulmanos e judeus, palestinos, israelenses e brasileiros, se juntaram em protesto contra os bombardeios na Faixa de Gaza, na praça do Cinquentenário do Estado de Israel, localizada no bairro de Higienópolis, onde se concentra boa parte da colônia judaica em São Paulo.

     

  • Vergonhas

    altVergonha de ver nossa seleção sofrer a maior lavada de sua história, bem quando a Copa acontece no Brasil, depois de 64 anos. Mas mais vergonha pela hipocrisia das declarações de políticos, com seus pêsames pela morte dos operários de obras ligadas à Copa e seus holofotes irresistíveis.

  • Pronunciamento do deputado Chico Alencar, PSOL/RJ, na Câmara

    altCom seu entusiasmo inigualável, Plínio enfrentava todos os adversários, fossem as injustiças sistêmicas do capitalismo, a condição dependente da nação brasileira, o latifúndio ou o câncer e a morte.

  • O outro “7 a 1” da Alemanha sobre o Brasil

    altEm sete aspectos, o futebol brasileiro já levava goleada dos saxões há alguns anos. A derrota em campo só nos ajudou a, finalmente, reconhecer essa triste realidade.

  • A vergonha é pelos que acham que ingresso caro acaba com violência no estádio

    altCroatas, mexicanos, uruguaios, chilenos e torcedores de várias nacionalidades foram flagrados em situações de combate, para “surpresa” da imprensa nacional.

  • Uma goleada na cultura esportiva

    altAs proporções do desastre não devem ser medidas apenas pela inferioridade de nosso time. E, sim, por uma Confederação que, com o auxílio da grande mídia, prega uma cultura esportiva totalmente deturpada, de mandinga e comércio.

  • Os legados da Copa no Brasil têm de chegar na política

    altUma boa parte da base governista e alguns “neodesenvolvidos” mais exaltados parece impotente para decifrar e construir sentidos que possam dar conta das reivindicações. Atuam na promoção de maniqueísmos, de um debate raso politicamente.

  • Barbárie em Gaza

    altQuando Israel está em fase de “bom comportamento”, mais de duas crianças palestinas são mortas por semana – um padrão que se repete há 14 anos. As causas de fundo são a ocupação criminosa e os programas para reduzir a vida palestina à mera sobrevivência em Gaza.

     

  • O falso sequestro

    altNetanyahu sabia que os três israelenses desaparecidos não tinham sido sequestrados, mas assassinados. Dificilmente poderia ignorar que o Hamas era inocente. Mas usou o crime para tentar destruir o Hamas e o acordo de unificação dos palestinos.

  • A verdadeira história de Gaza

    altNada do que se vê hoje na Palestina tem a ver com o assassinato de três israelenses na Cisjordânia ocupada e nem o que se vê hoje na Palestina tem algo a ver com foguetes. Tudo, ali, sempre, é disputa por terra dos árabes.

  • Plinio em Imagens

    altConfira a vida de Plínio

     

  • ‘Dizer agora que a culpa é toda da CBF seria hilariante, não fosse ofensa à inteligência’

    altAcabou a festa e aos poucos vamos voltando à dura realidade de cada dia. Inclusive em termos de futebol. Para analisar todo o processo e iniciar o debate do que vem pela frente, o Correio entrevistou o historiador Marcos Alvito, que ajudou a fundar a Associação dos Torcedores.

  • Quando a dignidade não morre

    altSe a construção democrática está sempre inacabada, a ação e as ideias de Plínio, como a de todos os sonhadores, cristãos ou não cristãos, servem de motivo e razão para o desenho futuro de todas as sociedades pacificadas na justiça.

  • Projeto político para o país deve ser socialista e enfrentar a elite

    altTemos as bases de um programa popular e socialista. Defendê-lo nos debates e nas ruas é a maior homenagem que podemos oferecer ao incansável combatente Plínio de Arruda Sampaio.

  • Um homem honrado

    altHá homens que admiramos não porque falam o que pensamos, mas porque falam o que pensam. Plínio se foi de bem com sua consciência.

  • Homenagem no aniversário de 80 anos de Plínio

    altFala de Vicente, filho mais jovem de Plínio, proferida por ocasião da festa em que se comemoravam, ao mesmo tempo, seus 80 anos de vida e o lançamento de sua candidatura a Presidência da República pelo PSOL.

  • A juventude te entendeu, Plinião!

    altAs lutas contra o personalismo, a substituição do “representante” pelos “representados”, o discurso de que vivemos uma democracia maravilhosa, foram levantadas por Plínio em 2010 e são sentimentos expressos por boa parte da juventude que se apresentou nas manifestações de 2013.

  • “Exemplo de cristão na política”, recorda dom Leonardo Steiner sobre Plínio de Arruda

    alt“A CNBB pôde contar com sua colaboração em diversos momentos, como na elaboração da Constituinte e nas discussões sobre a Reforma Agrária. Contamos com sua valiosa ajuda na elaboração do Documento ‘A Igreja e a questão Agrário no Século XXI’”, recorda.

  • Um homem com visão de futuro

    altO PAGE, que previa a constituição de uma fundação para administrar recursos destinados à “investigação técnica e científica”, tinha uma forte impressão digital de Arruda Sampaio. Em 18/10/1960, o governador Carvalho Pinto sancionou a lei que criou a FAPESP.

  • Plínio de Arruda Sampaio: presente!

    altPlínio foi um lutador. Contribuiu para o amadurecimento político e democrático do país e para o fortalecimento dos movimentos sociais. Suas ideias inspiraram muitos militantes de seu tempo, continuando a ser o norte para as novas gerações.

  • Reportagem especial aborda legado de Plínio de Arruda Sampaio

    altFoi com versos da música “When the saints go marching in” que cerca de mil pessoas se despediram de Plínio. Um trecho da canção, famosa na interpretação de Louis Armstrong, foi recitado no enterro pela companheira inseparável Marietta. A música é símbolo da luta por liberdade dos escravos dos EUA.

  • Plínio de Arruda Sampaio

    altAquele perfil marcadamente aquilino denunciava sua inclinação vigorosa para a liderança e os altos voos do poder, mas o olhar ameno e o sorriso acolhedor, em meio à família e aos amigos, indicava que sua vocação mais autêntica e sincera seria outra: a de pastor de almas.

  • P-MAS, do Paraguai, lamenta morte de Plínio, em carta enviada ao PSOL

    altA morte de Plínio de Arruda Sampaio, ocorrida na última terça-feira (08), em São Paulo, continua tendo grande repercussão no Brasil e entre a esquerda internacional.