Edição 915

  • Crise no Iraque implode o projeto geoestratégico dos EUA para o Oriente Médio

    Na realidade, a teimosia da Arábia Saudita em acirrar a confrontação étnico-religiosa entre sunitas e xiitas contribuiu para fazer implodir o projeto estratégico dos EUA no Iraque e, consequentemente, no Oriente Médio.

  • Como os EUA destroem o Iraque e a Síria

    O ataque do ISIS tem por um dos seus objetivos desestabilizar o governo de al-Maliki. Seria este o motivo de o corrupto parlamento iraquiano, majoritariamente “xiita”, não ter declarado guerra ao ISIS durante a captura de Mossul? Cada vez mais, fica evidente que a geoestratégia balcanizadora.

  • Viagem entre o Senegal e a Gâmbia: a mobilidade e a circulação de pessoas em questão

    altEsse breve relato não tem a intenção de reivindicar padrões ocidentais para uma vida cotidiana africana, e sim pensar no por que das abismais diferenças na qualidade de vida e no tratamento das pessoas de acordo com o que se tem ou conforme o que se propõe a pagar.

  • Agora só faltam 3 reais… e um imenso desafio

    altCriar uma perspectiva que supere a totalidade tática proposta pelo black bloc provavelmente dependerá da capacidade dos movimentos de construírem uma estratégia concreta, que vá além do campo simbólico.

  • Grandes projetos, um tormento na vida dos pobres

    altVoltando o nosso olhar atentamente para as narrativas bíblicas, percebemos que o povo da Bíblia também experimentou na própria pele as agruras de grandes projetos.

     

  • Indignados, fortalecidos e esperançosos

    altOs trabalhadores da educação (servidores administrativos, auxiliares de atividades educativas e professores) do município de Goiânia estão, ao mesmo tempo, indignados, fortalecidos e esperançosos.

  • Suape: promessas não cumpridas (2)

    altA promessa de emprego abundante se tornou um verdadeiro calvário para os trabalhadores. O MPT estima que as empresas do Complexo vão demitir mais de 50 mil trabalhadores entre 2014 e 2016.

  • Liberalismo ou imperialismo?

    altOs defensores dos privilégios aos carteis transnacionais e seus contatos coloniais ou semicoloniais se dizem e são chamados de (neo)liberais. Então, o que não passa de mera apropriação dos recursos naturais e frutos do trabalho é discutido como questão doutrinária.

  • Sem enfrentar ‘fundos abutres’, governo Kirchner hipotecará o futuro da Argentina

    A decisão é um duríssimo golpe, quando a “recuperação” posterior à debacle de 2001 está em seu pior momento. Numa canetada, jogou-se abaixo toda a “estratégia” do governo, que apostava na demora para não se ver obrigado a enfrentar maiores pagamentos da dívida externa.

  • Em busca do candidato perfeito

    altO “atalho” definitivo, que dispensaria a necessidade de “atalhos” com políticos bem intencionados, seria a aprovação de uma nova lei de mídia, que permitisse à população o acesso a novas visões do mundo, acabando com o monopólio da visão do capital, e uma nova legislação eleitoral.

     

  • Para decidir os rumos do Brasil

    altMês que vem começa a propaganda eleitoral compulsiva e compulsória. Mais uma eleição em outubro, da qual é importante todos nós participarmos. Antes, porém, haverá algo tão importante quanto: o Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana, na Semana da Pátria (1 a 7 de setembro).

     

  • Classes e luta de classes: hegemonia e poder de Estado

    altLembrando Comparato, o nível oculto do Estado brasileiro é formado pelo grande empresariado. Ou seja, pelo conjunto da burguesia. Esta continua mantendo sua hegemonia sobre a maior parte da sociedade brasileira, além de um domínio, ainda não medido adequadamente, sobre os diversos aparatos do Estado.

     

  • O desespero do clone

    altA situação só não está mais grave porque o governo de petistas e de comunistas de logotipo conta com o apoio de gente de esquerda e que faz coro contra o pretenso golpe de direita, se Dilma não for reeleita.

  • De volta para o Iraque

    altOs iranianos estão perto de mandar tropas para salvar Maliki, com a alegação de que seu objetivo seria proteger do ISIL os lugares santos do xiismo. Se isso acontecer, eles ficarão como salvadores da pátria e lá se vai a influência norte-americana .

  • #prafalartemdeir

    altParecia um mapa-múndi!!! O jogo eu vi mais ou menos porque eu não gosto muito de futebol e fiquei um tempo na lojinha da Fifa que tem umas coisas muuuito fofas. Fifa-fofa! Nossa até rimou! A periferia é muuuito legal e, tipo assim, muito acolhedora. A-do-re-i!!!

  • Síria: a inesperada aproximação entre Estados Unidos e Irã

    altOs Estados Unidos estão em uma encruzilhada no curto prazo: ao optar por não deslocar contingentes ao Iraque ou Síria para conter o avanço de entidades fundamentalistas, Washington sinaliza a Teerã o encargo disso.

     

  • Por que a mídia não quer tarifa zero?

    altComunicação e Transporte são exatamente os dois setores de atuação do poder público em que este menos se faz presente e transparente. O caso da tarifa zero é gritante: exigir que o transporte seja tratado como direito é alucinação?